Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A-24

Robert Kagan: America's Dangerous Aversion to Conflict

por A-24, em 13.09.14



First it was the Europeans who sought an escape from the tragic realities of power that had bloodied their 20th century. At the end of the Cold War, they began to disarm themselves in the hopeful belief that arms and traditional measures of power no longer mattered. A new international system of laws and institutions would replace the old system of power; the world would model itself on the European Union—and if not, the U.S. would still be there to provide security the old-fashioned way.
But now, in the wake of the wars in Iraq and Afghanistan, it is the U.S. that seems to be yearning for an escape from the burdens of power and a reprieve from the tragic realities of human existence.
Until recent events at least, a majority of Americans (and of the American political and intellectual classes) seem to have come close to concluding not only that war is horrible but also that it is ineffective in our modern, globalized world. "There is an evolving international order with new global norms making war and conquest increasingly rare," wrote Fareed Zakaria of CNN, borrowing from Steven Pinker of Harvard, practically on the eve of Russia's invasion of Ukraine and the Islamic State's march across Syria and Iraq. Best-selling histories of World War I teach that nations don't willingly go to war but only "sleepwalk" into them due to tragic miscalculations or downright silliness.
For a quarter-century, Americans have been told that at the end of history lies boredom rather than great conflict, that nations with McDonald's MCD -0.74% never fight one another, that economic interdependence and nuclear weapons make war among great powers unlikely if not impossible. Recently added to these nostrums has been the mantra of futility. "There is no military solution" is the constant refrain of Western statesmen regarding conflicts from Syria to Ukraine; indeed, military action only makes problems worse. Power itself isn't even what it used to be, argued the columnist Moisés Naím in a widely praised recent book.
Enlarge Image
President Barack Obama and British Prime Minister David Cameron bow their heads Thursday for a moment of silence at a NATO summit in Wales. Reuters
History has a way of answering such claims. The desire to escape from power is certainly not new; it has been the constant aspiration of Enlightenment liberalism for more than two centuries.
The impossibility of war was conventional wisdom in the years before World War I, and it became conventional wisdom again—at least in Britain and the U.S.—practically the day after the war ended. Then as now, Americans and Britons solipsistically believed that everyone shared their disillusionment with war. They imagined that because war was horrible and irrational, as the Great War had surely demonstrated, no sane people would choose it.
What happened next, as the peaceful 1920s descended into the violent and savage 1930s, may be instructive for our own time. Back then, the desire to avoid war—combined with the surety that no nation could rationally seek it—led logically and naturally to policies of appeasement.
The countries threatening aggression, after all, had grievances, as most countries almost always do. They were "have-not" powers in a world dominated by the rich and powerful Anglo-Saxon nations, and they demanded a fairer distribution of the goods. In the case of Germany, resentment over the Versailles peace settlement smoldered because territories and populations once under Germany's control had been taken away to provide security for Germany's neighbors. In the case of Japan, the island power with the overflowing population needed control of the Asian mainland to survive and prosper in competition with the other great powers.
So the liberal powers tried to reason with them, to understand and even accept their grievances and seek to assuage them, even if this meant sacrificing others—the Chinese and the Czechs, for instance—to their rule. It seemed a reasonable price, unfortunate though it might be, to avoid another catastrophic war. This was the realism of the 1930s.

Eventually, however, the liberal powers discovered that the grievances of the "have-not" powers went beyond what even the most generous and conflict-averse could satisfy. The most fundamental grievance, it turned out, was that of being forced to live in a world shaped by others—to be German or Japanese in a world dominated by Anglo-Saxons.

To satisfy this grievance would require more than marginal territorial or economic adjustments or even the sacrifice of a small and weak state here or there. It would require allowing the "have-not" powers to reshape the international political and economic order to suit their needs. More than that, it would require letting those powers become strong enough to dictate the terms of international order—for how else could they emerge from their unjust oppression?

Finally, it became clear that more was going on than rational demands for justice, at least as the Enlightenment mind understood the term. It turned out that the aggressors' policies were the product not only of material grievances but of desires that transcended mere materialism and rationality.
German dictator Adolf Hitler and British Prime Minister Neville Chamberlain at Munich in 1938 Print Collector/Getty Images

Their leaders, and to a great extent their publics, rejected liberal notions of progress and reason. They were moved instead by romantic yearnings for past glories or past orders and rejected Enlightenment notions of modernity. Their predatory or paranoid rulers either fatalistically accepted (in the case of Japan) or positively welcomed (in the case of Germany) armed conflict as the natural state of human affairs.
By the time all this became unmistakably obvious to the liberal powers, by the time they realized that they were dealing with people who didn't think as they did, by the time they grasped that nothing short of surrender would avoid conflict and that giving the aggressors even part of what they demanded—Manchuria, Indochina, Czechoslovakia—only strengthened them without satisfying them, it was too late to avoid precisely the world war that Britain, France, the U.S. and others had desperately tried to prevent.
This searing experience—not just World War II but also the failed effort to satisfy those who couldn't be satisfied—shaped U.S. policy in the postwar era. For the generations that shared this experience, it imposed a new and different sense of realism about the nature of humankind and the international system. Hopes for a new era of peace were tempered.
American leaders and the American public generally if regretfully accepted the inescapable and tragic reality of power. They adopted the posture of armed liberalism. They built unimaginably destructive weapons by the thousands. They deployed hundreds of thousands of troops overseas, in the heart of Europe and along the rim of East Asia, to serve as forward deterrents to aggression. They fought wars in distant and largely unknown lands, sometimes foolishly and sometimes ineffectively but always with the idea—almost certainly correct—that failure to act against aggressors would only invite further aggression.
In general, except for a brief bout of fatalism under President Richard Nixon and former Secretary of State Henry Kissinger, they were disinclined to assuage or even acknowledge the grievances of those who opposed them. (President Harry Truman and Secretary of State Dean Acheson, the architects of armed liberalism, never had much interest in bargaining with the Soviets, while President Ronald Reagan was interested chiefly in bargaining over the terms of their surrender.)
Behind the actions of the U.S. architects of containment lay the belief, based on hard experience, that other peoples couldn't always be counted on to value what the liberal world valued—prosperity, human rights or even peace—and therefore the liberal world had to be constantly on its guard, well-armed and well-prepared against the next stirring of the non-liberal, atavistic urges that were a permanent feature of humankind.
How much easier it was to maintain this tragic vigilance while the illiberal, conflict-based ideology of communism reigned across more than half of the Eurasian continent—and how much harder has it been to sustain that vigilance since the fall of communism seemingly ushered in a new era of universal liberalism, and with it the prospect, finally, of a Kantian peace in a world dominated by democracy.
For a time in the 1990s, while the generations of World War II and the early Cold War survived, the old lessons still guided policy. President George H.W. Bush and his national security adviser, Brent Scowcroft, sent half a million American troops to fight thousands of miles away for no other reason than to thwart aggression and restore a desert kingdom that had been invaded by its tyrant neighbor. Kuwait enjoyed no security guarantee with the U.S.; the oil wells on its lands would have been equally available to the West if operated by Iraq; and the 30-year-old emirate ruled by the al-Sabah family had less claim to sovereign nationhood than Ukraine has today. Nevertheless, as Mr. Bush later recalled, "I wanted no appeasement."
A little more than a decade later, however, the U.S. is a changed country. Because of the experiences in Iraq and Afghanistan, to suggest sending even a few thousand troops to fight anywhere for any reason is almost unthinkable. The most hawkish members of Congress don't think it safe to argue for a ground attack on the Islamic State or for a NATO troop presence in Ukraine. There is no serious discussion of reversing the cuts in the defense budget, even though the strategic requirements of defending U.S. allies in Europe, Asia and the Middle East have rarely been more manifest while America's ability to do so has rarely been more in doubt.
But Americans, their president and their elected representatives have accepted this gap between strategy and capability with little comment—except by those who would abandon the strategy. It is as if, once again, Americans believe their disillusionment with the use of force somehow means that force is no longer a factor in international affairs.
In the 1930s, this illusion was dispelled by Germany and Japan, whose leaders and publics very much believed in the utility of military power. Today, as the U.S. seems to seek its escape from power, others are stepping forward, as if on cue, to demonstrate just how effective raw power really can be.
Once again, they are people who never accepted the liberal world's definition of progress and modernity and who don't share its hierarchy of values. They are not driven primarily by economic considerations. They have never put their faith in the power of soft power, never believed that world opinion (no matter how outraged) could prevent successful conquest by a determined military. They are undeterred by their McDonald's. They still believe in the old-fashioned verities of hard power, at home and abroad. And if they are not met by a sufficient hard-power response, they will prove that, yes, there is such a thing as a military solution.
This lesson won't be lost on others who wield increasing power in other parts of the world and who, like Vladimir Putin's autocratic Russia and Abu Bakr al-Baghdadi's fanatical Islamic State, have grievances of their own. In the 1930s, when things began to go bad, they went very bad very quickly. Japan's invasion of Manchuria in 1931 exposed the hollow shell that was the League of Nations—a lesson acted upon by Hitler and Mussolini in the four years that followed. Then Germany's military successes in Europe emboldened Japan to make its move in East Asia on the not unreasonable assumption that Britain and the U.S. would be too distracted and overstretched to respond. The successive assaults of the illiberal aggressors, and the successive failures of the liberal powers, thus led to a cascade of disasters.
The wise men and women of our own time insist that this history is irrelevant. They tell us, when they are not announcing America's irrevocable decline, that our adversaries are too weak to pose a real threat, even as they pile victory upon victory. Russia is a declining power, they argue. But then, Russia has been declining for 400 years. Can declining powers not wreak havoc? Does it help us to know that, in retrospect, Japan lacked the wealth and power to win the war it started in 1941?
Let us hope that those who urge calm are right, but it is hard to avoid the impression that we have already had our 1931. As we head deeper into our version of the 1930s, we may be quite shocked, just as our forebears were, at how quickly things fall apart.
Mr. Kagan is a senior fellow at the Brookings Institution and the author of books including "Of Paradise and Power" and, most recently, "The World America Made."

No Báltico, as feridas abertas de um passado que não passa

por A-24, em 04.09.14
Esther Mucznik

“A União Europeia será talvez uma resposta à história, mas nunca poderá substitui-la”, escreveu Tony Judt. O que por vezes temos tendência a esquecer.



“Museu das Vítimas dos Genocídios”, este é o nome do imponente edifício que em Vilnius, capital da Lituânia, pretende mostrar ao público a história das ocupações soviética e nazi. O edifício construído no final do século XIX reflecte a história conturbada do país e da cidade: província do império russo até 1914, Vilnius foi ocupada pela Alemanha durante a Primeira Grande Guerra e em seguida pela Polónia até 1939. Em 1940-1941, ao abrigo do pacto Ribbentrop-Molotov, a União Soviética entra na cidade e o edifício do actual museu foi quartel-general da NKVD – a polícia política soviética – e prisão dos recalcitrantes.

Com a invasão nazi, no verão de 1941, o edifício torna-se sede da Gestapo e doSonderkommando A – esquadrão de extermínio, que com o apoio de letões e lituanos, levou a cabo até 1944 o assassinato da quase totalidade dos 250 mil judeus da Lituânia, assim como de ciganos, resistentes nacionalistas e comunistas. E finalmente, entre 1945 e 1991, durante a longa ocupação soviética, o edifício torna-se de novo sede da polícia política comunista, rebaptizada em 1952 com o nome de KGB, local de interrogatório, tortura, prisão e execução.
Com uma história assim, o que nos conta hoje o Museu? Foi o que fomos ver neste verão de 2014, no decorrer de mais um “Seminário sobre Rodas”, viagem de estudo organizada pela Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto, que desde há cinco anos percorre a Europa nos “passos” da Shoá com professores do ensino básico e secundário.
A maior parte dos três imensos andares do edifício é preenchida por aquilo que foi a prisão do NKVD-KGB. A guia, uma mulher jovem, conduz-nos demoradamente pelos meandros da prisão, as suas alas de interrogatório e tortura, celas e local de execução dos prisioneiros… Mas no decorrer da visita guiada apercebemo-nos da existência, sem qualquer menção nem paragem por parte da guia, de uma pequena cela com uma estrela de David ao fundo. Trata-se de um espaço exíguo onde o nosso grupo de 27 pessoas não cabe todo ao mesmo tempo, o único dedicado ao período nazi em todo o museu. Questionada, a guia remete para o final a visita ao referido espaço. Na verdade, esta não terá lugar: sob pretexto de que “somos especialistas” e que não precisamos dela, abandona-nos precipitadamente. Parece-nos evidente que não está preparada para nos falar do nazismo e sobretudo das vítimas judias…
O Museu das Vitimas do Genocídios conta bem a história de quase meio século de ocupação soviética: os documentos, as fotos e testemunhos são abundantes, esclarecedores e constituem uma clara condenação do regime comunista. Conta-nos também o combate pela independência da Lituânia e a resistência nacional e popular anti-soviética ao longo de todo esse período histórico. Mas a história da ocupação nazi é-nos praticamente ocultada. A narrativa do Museu é clara: sim, fomos ocupados pelos nazis entre 1941 e 1944, mas o verdadeiro sofrimento, aquele que tem de ser contado, narrado e nunca esquecido, é o meio-século de ocupação soviética. Esta é a narrativa que encontrámos com pequenas diferenças e algumas (poucas) excepções nos três países do Báltico: Lituânia, Letónia e Estónia. Os grandes museus nacionais evocam o sofrimento das populações sob o regime soviético, calando ou minimizando o massacre dos seus cidadãos judeus.
É compreensível? Em parte sim. Independentes entre 1920 e 1939, os três países ocupados pela URSS em 1939/1940, ao abrigo do Pacto Molotov-Ribbentrop, acolhem os nazis em 1941 como libertadores e muitos colaboram no extermínio dos judeus, ciganos e quadros comunistas. E em 1944-45, quando finalmente aguardam pelo restabelecimento da independência nacional, são de novo ocupados pelo poder soviético e desta vez até à sua derrocada, em 1991. São pois décadas de esperanças frustradas, de repressão, de deportações para os goulags siberianos. Por outro lado, nestes países ferozmente nacionalistas, as minorias étnicas ou religiosas não “são parte”, são os “outros”: a cultura define a nacionalidade, herança do império russo. Presentes desde o século XIV na Lituânia, na Letónia no século XVI e no século XVIII na Estónia, os judeus são considerados uma minoria nacional não autóctone, com as consequências óbvias em termos de marginalização social.
Mas vinte e três anos depois da libertação, é tempo de reconhecer que a história dos países do Báltico não é apenas uma longa e heróica luta pela independência. É também uma história de quatro anos de colaboração com o nazismo no extermínio praticamente total de uma parte significativa da sua população. Nas valas comuns das florestas de Ponary, em Vilnius, de Rumbula e de Bikernieki, perto de Riga ou de Klooga em Tallinn, jazem as cinzas dos cerca de meio milhão de judeus das comunidades dizimadas entre Julho e Dezembro de 1941, pelos Einsatzgruppen que acompanham o exército nazi na Operação Barbarossa. Em Janeiro de 1942, na conferência de Wahnsee, os três países do Báltico já são considerados praticamente judenrein – “limpos” de judeus. A brutalidade da matança coincide muito provavelmente com a decisão de Hitler nesse Outono de 1941 de levar a cabo o que hoje chamamos de Holocausto: o extermínio total do povo judeu.
Nas imensas e belíssimas florestas do Báltico que percorremos, pequenos e simbólicos memoriais erguidos perto das valas comuns por alguns sobreviventes, ou seus descendentes imigrados, financiados na sua maioria por entidades judaicas e doadores americanos, lembram um genocídio que liquidou perto de 100% de comunidades com uma vivência cultural única no mundo judaico. Os três países têm em comum uma intensa vida religiosa nos séculos XVIII e XIX à qual sucede uma vivência politica e cultural marcada pela secularização: desenvolvimento do movimento operário e dos movimentos sionistas, crescimento de uma imprensa, literatura e ensino em Iídiche e hebraico. Na viragem do século, Vilna, em russo, Vilno, em polaco, Vilnius em Lituano e Vilné em Iídiche, é o centro de todos os movimentos que suscitam uma transformação radical da vida judaica. A sua situação geográfica explica este papel chave. Considerada a “Jerusalém da Lituânia”, é um ponto de confluência entre o Ocidente e Oriente europeus, onde as correntes de vanguarda encontravam eco numa intelectualidade muito receptiva e preparada.
Na véspera da II Guerra, as cidades do Báltico partilham assim uma brilhante cultura judaica e universal com um forte tecido associativo, cultual e cultural. Tudo isto será destruído pelo genocídio nazi. No final dos anos 1990 viviam apenas no conjunto dos países bálticos independentes, 25.000 judeus e os vestígios do seu brilhante passado praticamente desaparecidos. Hoje, pelo que pudemos apurar, serão ao todo entre quinze a dezassete mil a lutar pela sobrevivência das suas comunidades.
O poeta de língua Idiche, Abraham Sutzkever, escreveu: “E se na minha cidade não restarem mais nenhuns judeus, as suas almas continuarão a habitar as suas ruelas sinuosas”. Mas mesmo as almas precisam de espaço na memória dos povos. Vilnius, Riga, Tallinn, cidades que procuram sarar as feridas de uma longa e recente ocupação, talvez ainda não sejam capazes, mas o que elas nos demonstram é que a memória europeia não é simétrica no leste e no ocidente europeu. “A União Europeia será talvez uma resposta à história, mas nunca poderá substitui-la”, escreveu Tony Judt. O que por vezes temos tendência a esquecer.

Duma russa considerou Estaline culpado de uma chacina com 70 anos

por A-24, em 26.11.11

Duma, câmara baixa do parlamento russo, condenou o antigo ditador José Estaline pela execução em massa de cerca de 22 mil polacos na floresta de Katin, durante a Segunda Guerra Mundial.
Os deputados russos consideraram agora que Estaline e outros altos quadros da antiga União Soviética ordenaram aquele crime em 1940.
Esta declaração formal da Duma, semanas antes de uma visita do Presidente Dmitri Medvedev à Polónia, foi bem recebida em Varsóvia, apesar de surgir 70 anos depois dos factos.
Num debate acalorado, os deputados comunistas ainda se opuseram à proposta, alguns deles procurando desmentir que as autoridades soviéticas tivessem tido qualquer culpa no que aconteceu então perto da fronteira da Rússia com a Bielorússia. Mas ao fim e ao cabo foram derrotados pela maioria.
Durante décadas, a propaganda soviética procurou apresentar a chacina como obra dos nazis, que ocuparam Katin depois de em 1941 terem invadido a União Soviética. Mas em 1990 veio a ser conhecida toda a verdade, nos últimos dias da URSS.
A Duma disse ontem esperar que este reconhecimento das culpas de José Estaline signifique “o início de uma nova época” nas relações entre russos e polacos, baseadas em “valores democráticos”.
Cerca de 8000 das vítimas de Katin eram oficiais que foram feitos prisioneiros durante a invasão da Polónia pelos soviéticos, em 1939. Os restantes eram médicos, professores, deputados, polícias e outros polacos detidos depois de serem acusados de trabalharem como secretos ou sabotadores.

Pacto Molotov-Ribbentrop

por A-24, em 15.05.10

O Pacto Molotov-Ribbentrop, também referido como Tratado Molotov-Ribbentrop, Pacto Nazi-Soviético, Tratado Nazi-Soviético, Pacto Hitler-Stalin, Pacto Ribbentrop-Molotov, Pacto Germano-Soviético, ou simplesmente Tratado de não-agressão Germano-Soviético, foi um tratado de não-agressão firmado às vésperas da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), entre a Alemanha Nazista e a União Soviética.

Antecedentes
O resultado da Primeira Guerra Mundial foi desastroso tanto para o Reich alemão como para a República Socialista Federativa Soviética. Durante o conflito, os bolcheviques lutavam pela sobrevivência, e Lenin não teve alternativa a não ser reconhecer a independência da Finlândia, da Estónia, da Letónia, da Lituânia e da Polónia. Além disso, diante do avanço militar alemão, Lenin e Trotsky foram forçados assinar o Tratado de Brest-Litovsk, que retirava o país da guerra mas cedia alguns territórios ocidentais da Rússia ao Império Alemão. Após o colapso da Alemanha, tropas da Grã-Bretanha, da França e do Império Japonês intervieram na Guerra Civil Russa.
Em 16 de abril de 1922, a Alemanha e a União Soviética ingressaram no Tratado de Rapallo, por cujos termos renunciavam às reivindicações territoriais e financeiras contra os demais. As partes se comprometeram ainda à neutralidade na eventualidade de um ataque de um contra um outro pelo Tratado de Berlim (1926).
No início da década de 1930, a ascensão do Partido Nazi ao poder na Alemanha, aumentou as tensões entre estes países, a União Soviética e outros países de etnia eslava, que foram considerados "Untermenschen" ("sub-humanos") de acordo com a ideologia racial nazi. Além disso, os nazistas, anti-semitas, associavam a etnia judia com o comunismo e com o capitalismo financeiro, aos quais se opunham. Por conseguinte, a liderança nazi declarou que os eslavos na União Soviética estavam a ser governados por "judeus bolcheviques".
Em 1936, a Alemanha e a Itália fascista, apoiaram os nacionalistas espanhóis na Guerra Civil Espanhola, enquanto os soviéticos apoiaram a parcialmente socialista Segunda República Espanhola, sob a liderança do presidente Manuel Azaña. Naquele mesmo ano, a Alemanha e o Império Japonês entraram no "Pacto Anti-Comintern", e a que se juntou, um ano depois, a Itália.

A feroz retórica anti-soviética de adolf Hitler foi uma das razões pelas quais a Grã-Bretanha e a França decidiram que a participação da União Soviética na Conferência de Munique, em 1938, acerca da Tchecoslováquia, seria perigosa e inútil. O Acordo de Munique, então assinado, marcou uma anexação parcial alemão da Tchecoslováquia no final de 1938, seguido da sua dissolução completa, em março de 1939, o que é visto como parte de um apaziguamento da Alemanha realizado pelos Gabinetes de Neville Chamberlain e Édouard Daladier. Esta política levantou de imediato a questão de saber se a União Soviética poderia evitar ser o próximo passo na lista de Hitler.
Nesse contexto, a liderança soviética acreditava que o Ocidente poderia querer incentivar a agressão alemã a Oriente, e que a Grã-Bretanha e a França poderiam ficar neutras no conflito iniciado pela Alemanha Nazi. Pelo lado da Alemanha, devido a que uma aliança com a Grã-Bretanha era impossível, tornava-se necessário estreitar relações mais estreitas com a União Soviética para a obtenção de matérias-primas. Além disso, um bloqueio naval britânico era esperado em caso de guerra, o que iria provocar uma escassez crítica de matérias-primas para o esforço de guerra da Alemanha. Depois do acordo de Munique, aumentaram as necessidades alemãs em termos de abastecimento militar, ao passo que, devido à implementação do terceiro plano quinquenal na URSS, eram essenciais investimentos maciços em tecnologia e equipamentos industriais.

Em 31 de março de 1939, em resposta ao desafio da Alemanha nazi do Acordo de Munique e da ocupação da Tchecoslováquia, a Grã-Bretanha garantiu o apoio da própria França para garantir a independência da Polónia, da Bélgica, da Romênia, da Grécia e da Turquia. Em 6 de Abril, a Polónia e a Grã-Bretanha concordaram em formalizar a garantia de uma aliança militar. Em 28 de abril, Hitler denunciou o Pacto de Não-Agressão Polaco-Alemão de 1934 e o Acordo Naval Anglo-Germânico de 1935.

O Tratado e suas consequências
Foi assinado em Moscou na madrugada de 24 de agosto de 1939 (mas datada de 23 de agosto) pelo então Ministro do Exterior Soviético Vyacheslav Molotov e pelo então Ministro do Exterior da Alemanha Nazista Joachim von Ribbentrop. Em linhas gerais estabelecia que ambas as nações se comprometiam a manter-se afastadas uma da outra em termos bélicos. Nenhuma nação favoreceria os inimigos da outra, nem tampouco invadiriam os seus respectivos territórios, além do que, a União Soviética não reagiria a uma agressão alemã à Polônia, e que, em contrapartida, a Alemanha apoiaria uma invasão soviética à Finlândia, entre outras concessões. De facto à invasão nazista seguiu-se a Invasão Soviética da Polónia e também da Finlândia ainda em 1939.
Em dois Protocolos secretos, os dois governos efectuaram a partilha dos territórios da Europa de Leste em zonas de influência, decidindo que a Polónia deveria deixar de existir (passando o seu território para a Alemanha e para a URSS), que a Lituânia ficaria sob alçada Alemã (meses mais tarde a Alemanha trocou a Lituânia por outra zonas de influência, ficando a Lituânia sob alçada soviética), que a Estónia e a Letónia passariam para a URSS bem como grande parte da Finlândia e vastas zonas da Roménia e da Bulgária.
O Pacto estabelecia também fortes relações comerciais, vitais para os dois países, nomeadamente petróleo soviético da zona do Cáucaso e trigo da Ucrânia, recebendo em contrapartida ajuda, equipamento militar alemão e ouro.
Este novo facto nas relações internacionais alarmou a comunidade das nações, não só porque os nazistas eram supostos inimigos dos comunistas, mas também porque, secretamente, objetivava a divisão dos estados da Finlândia, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia segundo as esferas de interesses de ambas as partes. O pacto era absolutamente vital para ambos os países: para os alemães assegurava que se poderiam concentrar apenas na sua frente ocidental para além de terem assegurado combustíveis que de outro modo impossibilitariam tais operações. Do lado soviético, a paz e a ajuda militar eram fundamentais, tanto mais que as forças militares não estavam preparadas para qualquer grande combate, como se comprovou na mal sucedida aventura finlandesa de Novembro de 1939 (guerra de inverno).
O pacto durou até 22 de junho de 1941, quando a Alemanha, sem prévio aviso, iniciou a invasão do território soviético pela Operação Barbarossa.

Operação Barbarossa

por A-24, em 08.03.10
Operação Barbarossa (em alemão: Unternehmen Barbarossa) foi o codinome pelo qual ficou conhecida a operação militar alemã para invadir a União Soviética, iniciada em 22 de junho de 1941,durante a Segunda Guerra Mundial, rompendo assim com o Pacto Ribbentrop-Molotov (ou tratado de não-agressão) acordado entre os dois Estados menos de dois anos antes.
Considerada a maior e mais feroz campanha militar da história em termos de mobilização de tropas e baixas sofridas, onde 4,5 milhões de soldados do Eixo invadiram a União Soviética numa frente de 2900 km sendo também utilizados 600.000 veículos automotores e 750.000 cavalos. Os planos para a Operação Barbarossa iniciaram no dia 18 de dezembro de 1940, sendo o seu nome devido ao monarca Frederico Barbarossa, do Sacro Império Romano-Germânico, um dos líderes da Terceira Cruzada no século XII.
O objetivo inicial da Operação Barbarossa era uma rápida tomada da parte europeia da União Soviética a oeste da linha que liga as cidades de Arkhangelsk e Astrakhan, chamada de linha A-A na Diretiva nº 21 de Adolf Hitler. Até o final do mês de janeiro de 1942, o avanço alemão foi paralisado pelo Exército Vermelho. Embora não tenha alcançado o objetivo desejado de uma conquista total do território inimigo e a vitória sobre este, as tropas alemãs haviam conseguido tomar as mais importantes áreas econômicas do território soviético, concentradas principalmente na Ucrânia. Fora estes sucessos alcançados, os alemães não conseguiram formar novamente uma força ofensiva que chegasse até Moscou.
Com a falha da Operação Barbarossa, ficaram complicadas as futuras operações dentro do território soviético, tendo todas estas tentativas falhado, como a continuação do Cerco de Leningrado, Operação Nordlicht, e a Batalha de Stalingrado, entre outras batalhas no território soviético ocupado.
Com a falha da Operação Barbarossa, foi aberto um novo fronte na Segunda Guerra, a Frente Oriental, onde foram concentradas mais forças do que em qualquer outro teatro de guerra da história, sendo assim, ficou inevitável que neste fronte ocorressem algumas das maiores batalhas, baixas e atrocidades, trazendo o horror para as forças alemães e soviéticas que ali se enfrentavam, influenciando decisivamente no curso da guerra e da história do século XX.

Prelúdio ao ataque

As atitudes do líder soviético Stalin deram as justificativas para a invasão alemã e a necessidade de uma vitória. Nos anos 1930s, Stalin havia ordenado que milhões de cidadãos, e muitos oficiais soviéticos competentes, fossem eliminados no que ficou conhecido como Grande Expurgo. Foi feito um apelo pela propaganda alemã de que os soviéticos planejavam atacá-los.
O ditador nazista Adolf Hitler deixara claro a seus generais que desejava terminar a questão soviética antes do rigoroso inverno russo – em outras palavras, a campanha deveria ser rápida e fulminante, onde a Luftwaffe deveria eliminar e paralisar a Força Aérea Russa na maior extensão possível, apoiando o avanço do Exército Alemão. Como havia ocorrido na Blitzkrieg, os pilotos de Göring fariam ataques preventivos contra as forças inimigas, buscando alcançar a superioridade aérea que permitisse a eles utilizar os bombardeiros e caças para cortar as linhas de suprimentos e comunicação, isolando as tropas soviéticas que estivessem no fronte.
Mas, na véspera da invasão, o ditador italiano Benito Mussolini pediu ajuda a Hitler, pois havia tentado invadir a Grécia através da Albânia, que haviam conquistado em 1939, e, não apenas não haviam dominado a Grécia, como estavam em vias de perder a Albânia para os gregos. Hitler enviou ajuda, e dominou quase toda a região dos Balcãs. E isso atrasou a Operação Barbarossa em algumas semanas, atraso que se mostrou decisivo, pois logo veio o temido inverno russo.
Três grandes grupos de exércitos foram formados: o Norte, encarregado de ocupar a Lituânia e Letônia rumo a Leningrado (atual São Petersburgo), recebendo o apoio da recém formada Luftflotte 1 sob comando do general Alfred Keller, contando com 480 aeronaves; o Centro, que visava um ataque frontal à capital Moscou, com o apoio da Luftflotte 2, sob o comando de Albert Kesselring, contando com 1.080 aeronaves e o Sul, destinado a ocupar os vastos campos de trigo da Ucrânia e, por fim, o petróleo do Cáucaso, recebendo o apoio da Luftflotte 4 comandada pelo General Alexander Lohr, com uma força de 690 aviões.

As primeiras vitórias

Às 3:15 da madrugada do domingo de 22 de junho de 1941, cerca de 4 mil veículos blindados e 180 divisões formadas por mais de 3,5 milhões de soldados do Eixo irromperam sobre as defesas soviéticas. Por ar, a Luftwaffe atacou as bases inimigas que havia detectado dias antes com aeronaves de reconhecimento, tendo assim alcançado um grande sucesso ao destruir cerca de 1800 aeronaves soviéticas somente no primeiro dia de invasão e até o dia 29 de junho, este número já havia chegado a 4000 aeronaves destruídas, sendo 2500 destas destruídas pela Luftflotte 2, sofrendo uma perda de somente 150 aeronaves.
A mobilização do Exército Vermelho para tentar deter o avanço alemão não foi capaz de deter o ímpeto do ataque; centenas de milhares de soldados foram envolvidos em combate pelos alemães. Cidades como Minsk e Kiev foram cercadas em poucos dias. Em agosto de 1941, os alemães haviam aprisionado meio milhão de soldados soviéticos, e pelo menos outras 89 divisões (cerca de 1,8 milhão de soldados) teriam o mesmo destino antes de dezembro.

O discurso de "terra arrasada"
Nos primeiros dias do ataque, o líder soviético Josef Stalin permaneceu isolado, sem emitir comunicados. O fato de a Alemanha tê-lo traído o perturbava. Em 3 de julho de 1941, Stalin transmitiu um comunicado de terra arrasada: cidades, casas e plantações deveriam ser destruídos ou queimados, para privar os invasores de seus recursos. O povo soviético deveria abandonar toda e qualquer complacência com os alemães.
Embora relativamente eficiente, no sentido de reanimar a população desesperada pela ofensiva alemã e por usar a linguagem típica do camponês russo, os ecos da transmissão não foram unânimes. Em parte por seu regime e pelas dificuldades originadas pelas reformas econômicas que ele implantara tão drasticamente.
Assim sendo, em muitas aldeias da Ucrânia, Lituânia, Letônia e Estônia – estas três últimas eram estados independentes pró-nazistas antes de serem anexadas por Stalin em 1940 – os invasores alemães foram recebidos como "libertadores".

O inverno rigoroso

Em novembro de 1941, os alemães já tinham conquistado uma área quatro vezes maior que a Grã-Bretanha. O cerco a Leningrado (atual São Petersburgo) começara, e perduraria por três anos. Moscou estava a apenas algumas semanas de marcha. Foi quando os primeiros flocos de neve começaram a cair, prejudicando o avanço alemão, uma vez que as tropas alemãs não estavam preparadas para o rigoroso inverno russo.
Cerca de 250 mil soldados da Wehrmacht pereceram ao enfrentar, além dos russos, temperaturas abaixo de dez graus negativos. Ambos os lados lutaram bravamente, nas mais duras condições. Vale ressaltar que o nome da cidade de Stalingrado era uma homenagem a Josef Stalin, o que tornava maior seu valor para os alemães, caso fosse tomada.
Outra consequência do rigoroso inverno foi que as armas e veículos alemães paravam de funcionar em temperaturas tão baixas, o que retardava ainda mais o avanço. O "General Inverno" outra vez se impunha, como já havia feito contra Napoleão Bonaparte em 1812. Nas áreas conquistadas, o inverno atuou contra as tropas russas, pois os alemães encontravam-se abrigados. Deve-se ressaltar, portanto, que o inverno tornou as condições terríveis para ambos os exércitos.

A defesa de Moscou: mudança de rumos

Unidade alemã utilizando cavalos, região de Kursk União Soviética.
Com o fulminante avanço alemão sobre a capital da União Soviética, instalou-se o desespero entre os moscovitas. Muitos fugiram, entre eles muitos dirigentes do Partido Comunista da União Soviética. Mas Stalin permaneceu – numa tentativa de reerguer o moral do povo. Entregou a hercúlea tarefa de defender a cidade a seu mais experimentado e competente general, Georgy Jukov. Tão truculento e resoluto quanto seu líder, ele reorganizou o Exército Vermelho e fê-lo desfechar um gigantesco contra-ataque sobre as tropas alemãs. Em janeiro de 1942, os russos já tinham forçado a Wehrmacht a recuar cerca de 200 quilômetros, salvando a capital.
Por fim, Hitler mudou de idéia, instigando um ataque ao Cáucaso que levaria os alemães a uma derrota fragorosa em Stalingrado e à reversão da ofensiva na frente oriental. Os russos ainda teriam de trilhar um longo caminho para expulsar o invasor de sua pátria.

Wikipédia