Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A-24

Sobre a tragédia de Superga

por A-24, em 08.12.12

O regresso após um jogo particular de futebol com o Benfica marcou há 60 anos a história do Torino, com a considerada melhor equipa de sempre do clube a morrer no acidente de Superga, tragédia que se assinala segunda-feira.
Foi a 04 de Maio de 1949 que o avião que levava a equipa do Torino - uma das melhores de então e com nomes como Valentino Mazzola -, de regresso a casa, embateu às 17:05 locais contra a Basílica de Superga. 
Na segunda-feira assinalam-se os 60 anos da tragédia em que morreram 31 pessoas, incluindo 18 jogadores e dois técnicos, e que resultou do embate do avião contra a Basílica, num dia de má visibilidade, em que o nevoeiro caía nos arredores de Turim. 
A equipa viajava de Lisboa depois de ter estado na véspera no jogo de despedida de Francisco Ferreira, símbolo do Benfica nos anos 50, no qual o Torino viria a perder no Estádio do Jamor por 4-3. 
No acidente morreram não só os melhores jogadores da que era igualmente considerada a melhor equipa italiana de então, mas também dirigentes, técnicos e jornalistas, salvando-se Sauro Toma, que falhou a vinda a Lisboa devido a lesão, e o húngaro Kubala, que permaneceu em Itália por ter o filho doente. 
Desde então, o Torino, a quem chamavam "Il Grande Torino", nunca voltou a ter a mesma força. No dia dos funerais, mais de 500.000 pessoas vieram para a rua homenagear os seus heróis. 
Antes da tragédia, eram, de facto, tempos de ouro para aquela equipa de Turim, que se preparava para conquistar o quinto título consecutivo e que, dois anos antes, levara 10 jogadores a titulares da selecção transalpina. 
O capitão e médio Valentino Mazzola era a "alma" da equipa e, apesar da sua morte, o seu legado futebolístico continuou através do seu filho Sandro, que ajudou o Inter Milão às conquistas europeias de 1964 e 1965 e selecção italiana à final do Mundial de 1970. 

"Quando comecei na formação do Torino ouvíamos histórias da grande equipa de 1949. E isso foi 14 ou 15 anos depois do que aconteceu e as memórias ainda estavam frescas", recordou Renato Zaccarelli, que chegou a capitão da equipa. 
Depois do acidente, a Liga Italiana atribuiu ao Torino o título de campeão, apesar de faltarem quatro jogos para o seu final. Na recta final, o clube disputou os derradeiros encontros com jogadores dos escalões mais jovens e com a concordância dos adversários. 
Em sinal de respeito, Génova, Palermo, Sampdória e Fiorentina também apresentaram as suas equipas de juniores. 
"No dia após o jogo (final) houve uma marcha enorme, em que todos caminharam para Superga. Foi algo espontâneo e a equipa tentou ir também, havia muita gente", contou ainda Renato Zaccarelli.