Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A-24

Sobre a eliminação de Federer em Wimbledon 2011

por A-24, em 05.07.11
Expresso - O Federer apareceu numa época em que a geração onde pontificaram Sampras e Agassi estava numa fase terminal. Esta geração produziu campeões como Jim Courier, Ivanisevic, Bruguera, Muster, Kafelnikov, Chang, Kuerten. Quando federer apareceu destacavam-se na altura Hewitt, Safin, Roddick e Ferrero. 

Numa primeira fase, até ganhar o seu primeiro slam, Federer perdia várias vezes, perdendo também a cabeça nalgumas situações. A partir do momento em que reformulou o seu jogo para a linha de fundo e começou a ter um plano definido, contituiu o primeiro alicerce da enorme carreira que tem. Ao ganhar o seu primeiro slam, verificou que além do potencial que tinha para ganhar vários slams encontrava-se no meio de uma geração onde não havia um peso pesado. Sampras retirava-se em 2002, Agassi ainda estava numa espécie de fulgor. Em 2001 Hewitt era o número 1, mas o único talento que se comparava com Federer era o Safin, contudo, este último, nunca atingiu todo o potencial que tinha em função de outras prioridades. Assim, Federer obteve um conjunto de condições que permitiram que alcancasse números outrora considerados inimagináveis. Porém, desde 2007 para cá, com o aparecimento do Nadal (especialmente este), Djokovic, Murray e Del Potro, as coisas mudaram e Federer já não tem aquela aura de invencibilidade. Neste momento, estamos na fase dourada do ténis, onde o equilíbrio tende a ser maior. Federer era um semi-Deus mas esta geração provou que até ele é humano.