Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A-24

"Rússia: recriando um Império enquanto pode"

por A-24, em 02.11.11
Texto traduzido e enviado pelo leitor Pippo

"Por Lauren Goodrich
As relações russo-americanas parecem ter estado relativamente calmas recentemente, uma vez que existem inúmeros pontos de vista contraditórios em Washington sobre a verdadeira natureza da actual política externa da Rússia. Subsistem dúvidas quanto à sinceridade do Departamento de Estado norte-americano quanto ao suposto "recomeço" [reset, no original] das relações com a Rússia - o termo usado em 2009, quando EUA A secretária de Estado Hillary Clinton entregou um botão de reset ao seu homólogo russo como um símbolo de um congelamento de tensões crescentes entre Moscovo e Washington. A preocupação é se o "reset" é verdadeiramente uma mudança nas relações entre os dois antigos adversários ou simplesmente uma trégua antes do um novo deteriorar das relações entre os dois países.

O "recomeço" realmente  pouco tinha a ver com os Estados Unidos querem a Rússia como um amigo e aliado. Em vez disso, Washington queria criar espaço para lidar com outras situações - principalmente no Afeganistão e no Irão - e pedir ajuda à Rússia (a Rússia está ajudando no transporte de abastecimentos para o Afeganistão e constitui um apoio crítico para conter o Irão). 1nquanto isso, a Rússia também queria mais espaço para criar um sistema que iria ajudá-la a criar uma nova versão do seu antigo império.

O plano final da Rússia é o de restabelecer o controle sobre grande parte dos seus antigos territórios. Isso inevitavelmente conduzirá Moscovo e Washington de volta para uma posição de confronto, negando qualquer “recomeço” de relações, uma vez que o poder russo em toda a Eurásia constitui uma ameaça directa à capacidade dos EUA de manter sua influência global. Esta é a forma como a Rússia tem agido ao longo da história, a fim de sobreviver. A União Soviética não agiu de forma diferente da maioria dos impérios russos, longe disso, e hoje a Rússia está seguindo o mesmo padrão de comportamento.

Geografia e construção de impérios

A característica definidora da geografia da Rússia é a sua indefensibilidade, pelo que a sua principal estratégia é proteger-se. Ao contrário da maioria dos países poderosos, a região central da Rússia, Moscovo, não tem barreiras para protegê-la, e por isso foi invadida várias vezes. Devido a isso, ao longo da sua história, a Rússia expandiu as suas barreiras geográficas a fim de estabelecer um reduto e criar profundidade estratégica entre o núcleo da Rússia e os incontáveis inimigos inumeráveis que a rodeiam. Isso significa expandir para as barreiras naturais dos Montes Cárpatos (entre a Ucrânia e a Moldávia), as Montanhas do Cáucaso (particularmente para o Cáucaso Menor, passando pela Georgia e a Arménia) e o Tian Shan no lado mais distante da Ásia Central. O “buraco” nesta geografia é a planície do Norte da Europa, onde a Rússia tem historicamente reivindicado tanto território quanto possível (como os países bálticos, a Bielorrússia, a Polónia e até mesmo partes da Alemanha). Em suma, para a Rússia para sentir segura, deve criar algum tipo de império.

Há dois problemas com a criação de um império: o povo e a economia. Porque absorvem tantas terras, os impérios russos têm enfrentado dificuldades para fornecer alimentos a um grande número de pessoas e suprimir aqueles que não se conformavam (especialmente aqueles que não eram russos étnicos). Isto levou a uma economia inerentemente fraca que nunca pode superar os desafios das infra-estruturas e de prover a população de um vasto império. No entanto, este nunca deteve a Rússia de ser uma força importante por longos períodos de tempo, apesar de suas desvantagens económicas, porque a Rússia muitas vezes enfatiza as suas forças armadas e o seu aparelho de segurança mais do que (e às vezes à custa de) desenvolvimento económico.

Manter um Estado forte

O poder russo deve ser medido em termos da força do Estado e da sua capacidade de governar o povo. Isto não é o mesmo que a popularidade do governo russo (embora a popularidade do ex-Presidente e actual  Primeiro-Ministro Vladimir Putin seja inegável), mas sim a capacidade da liderança russa, seja ela do Tzar, os Partido Comunista ou do Primeiro-Ministro, em manter um controlo apertado sobre a sociedade e a segurança do Estado. Isso permite a Moscovo desviar recursos de consumo popular para a segurança do Estado e para reprimir a resistência. Se o governo tem um controlo firme sobre o povo, o descontentamento popular relativamente à política, políticas sociais ou à economia não representam uma ameaça para o Estado - pelo menos, não no curto prazo.
É quando a liderança russa perde o controlo sobre o aparelho de segurança que se dá o colapso dos regimes russos. Por exemplo, quando o Tzar perdeu o controle do exército durante a Primeira Guerra Mundial, ele perdeu o poder e o Império russo desfez-se. Sob Josef Stalin, houve enormes disfunções da economia e descontentamento generalizado, mas Stalin manteve o controle firme sobre ambos os aparelhos, de segurança e do exército, que ele usou para lidar com qualquer sinal de dissidência. Fraqueza económica e u regime brutal, eventualmente, foram aceites como o preço inevitável de segurança e de se ser um poder estratégico.
Moscovo está usando a mesma lógica e estratégias hoje. Quando Putin chegou ao poder em 1999, o Estado russo estava de rastos e vulnerável a outras potências mundiais. A fim de recuperar a estabilidade da Rússia - e, eventualmente, o seu lugar no cenário global - Putin primeiro teve de consolidar o poder do Kremlin no país, o que significou consolidar o país económica, politica e socialmente. Isto ocorreu após Putin ter reorganizado e fortalecido os aparelhos de segurança, dando-lhe maior capacidade de dominar as pessoas sob um partido político, eliminar a influência estrangeira da economia e construir entre o povo um culto da personalidade.
Putin, em seguida, concebeu uma espécie de Império russo, a fim de garantir o futuro do país. Esta não era uma questão relativa ao ego de Putin mas sim uma preocupação de segurança nacional derivado de séculos de precedentes históricos.
Putin tinha acabado de ver os Estados Unidos invadirem os territórios que a Rússia considerava imperativos para a sua sobrevivência: Washington ajudou a integrar  Estados da Europa Central e de países bálticos na NATO e na União Europeia, apoiou as "revoluções coloridas" pró-ocidentais na Ucrânia, na Geórgia e no Quirguistão; estabeleceu bases militares na Ásia Central, e anunciou planos de colocar instalações de defesa contra mísseis balísticos na Europa Central. Para a Rússia, parecia que os Estados Unidos estavam a devorar a sua periferia para garantir que Moscovo permaneceria para sempre vulnerável.
Nos últimos seis anos, a Rússia tem, em certa medida, conseguido afastar a influência ocidental na maioria dos Estados da antiga União Soviética. Uma das razões para esse sucesso deve-se ao facto dos Estados Unidos terem andado preocupados com outras questões, principalmente no  Médio Oriente e Sul da Ásia. Além disso, Washington tem mantido o equívoco de que a Rússia não tenta formalmente recriar uma espécie de Império. Mas, como tem sido visto ao longo da história, Washington deveria pensar nessa questão.

Os Planos de Putin

Putin anunciou em Setembro que iria tentar voltar à presidência russa em 2012, e ele já começou a expor os seus objectivos para o seu novo reinado. Ele disse que a Rússia iria formalizar a sua relação com ex-Estados soviéticos através da criação de uma União Eurásia (EuU); outros ex-Estados soviéticos propôs o conceito de quase uma década atrás, mas a Rússia está agora numa posição em que pode começar a implementá-lo. A Rússia vai começar esta nova iteração de um Império russo através da criação de uma união com ex-Estados soviéticos baseados em associações atuais de Moscovo, como a União Aduaneira, o Estado da União e da Organização do Tratado de Segurança Colectiva. Isso permitirá que o euu estrategicamente para abranger tanto as esferas económica e de segurança.
A próxima EuU não é uma re-criação da União Soviética. Putin compreende as vulnerabilidades inerentes que a Rússia enfrentaria em suportar a carga económica e estratégica de cuidar de muitas pessoas em cerca de 9 milhões de quilómetros quadrados. Esta foi uma das maiores fraquezas da União Soviética: tentar controlar tanto território directamente. Em vez disso, Putin pretende criar uma união em que Moscovo iria influenciar a política externa e de segurança, mas não seria responsável pela maior parte do funcionamento interno de cada país. A Rússia simplesmente não tem os meios para apoiar uma estratégia tão intensa. Moscovo não sente necessidade de se embrenhar na política interna do Quirguistão ou de prestar apoio económico à Ucrânia para controlar esses países.
O Kremlin pretende ter a EuU totalmente formada até 2015, data em que a Rússia acredita que os Estados Unidos voltarão o seu foco para a Eurásia. Washington está encerrando os seus compromissos no Iraque este ano e pretende acabar com as operações de combate e reduzir as forças no Afeganistão até 2015, pelo que a partir desse anos os Estados Unidos terão “atenção militar e diplomática de sobra“. Este é também o mesmo período de tempo que os EUA precisarão para consolidar e tornar operacionais as suas instalações de defesa contra mísseis balísticos na Europa Central. Para a Rússia, isso equivale a uma frente norte-americana e pró-EUA  na Europa Central, junto às fronteiras que formavam a antiga União Soviética (e a futura EuU). É a criação de uma nova versão do Império russo, combinado com a consolidação de influência dos EUA na periferia do Império, que provavelmente irá estimular novas hostilidades entre Moscovo e Washington.
Isso poderia preparar o terreno para uma nova versão da Guerra Fria, embora de não tão longa duração como a anterior. Outra razão de Putin para restabelecer algum tipo de Império russo é que ele sabe que a próxima crise a afectar a Rússia provavelmente vai impedir o país de ressurgindo para todo o sempre: a Rússia está morrendo. A demografia do país está entre algumas das piores do mundo, tendo diminuído, constantemente, desde a Primeira Guerra Mundial. As suas taxas de natalidade estão bem abaixo das taxas de mortalidade, e a Rússia já tem mais cidadãos com 50 anos de idade do que adolescentes. A Rússia pode ser uma grande potência sem uma economia sólida, mas nenhum país pode ser uma potência global sem  pessoas. É por isso que Putin está tentando fortalecer e garantir a Rússia agora, antes que a demografia a enfraqueça. No entanto, mesmo tendo em conta a sua demografia, a Rússia será capaz de sustentar o seu crescimento actual por pelo menos mais uma geração. Isto significa que os próximos anos serão provavelmente o do cantar do cisne da Rússia - os quais serão marcados pelo regresso do país como um Império regional e um novo confronto com o seu adversário anterior, os Estados Unidos.
Da Rússia

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.