Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A-24

Por favor, quanto custa um táxi de Oslo a Bruxelas?

por A-24, em 17.04.10
John Cleese, o ex-Monty Python especialista nas "maneiras tolas de andar", deu ontem o mote, com uma maneira muito tola - ou muito esperta, de fazer inveja aos milhares de pessoas que se amontoaram nos aeroportos europeus, por causa da nuvem de vapor e cinza emitida pelo vulcão Eyjafjalla, na Islândia.
Já que o seu avião ficou preso em Oslo, ele pegou num táxi e pôs-se a caminho, por estrada, rumo a Bruxelas. A corrida fica-lhe por 30 mil coroas (cerca de 3700 euros). "Vai ser interessante. Não estou com pressa", disse o actor à AFP.
Os principais aeroportos europeus - Londres, Paris, Frankfurt e Amesterdão - estiveram ontem fechados ao tráfego aéreo, e Madrid foi afectado indirectamente, o que fez com apenas 12 mil voos se realizassem na Europa, em vez de 28 mil previstos. O movimento transatlântico foi afectado, pois é para estes aeroportos que os aviões se dirigem, e o mesmo aconteceu com as viagens de e para a Ásia. Foi a maior perturbação do tráfego aéreo na Europa desde o 11 de Setembro de 2001.
Por isso, não se desconte o caso de Cleese como uma mera excentricidade - de Bruxelas planeava apanhar o comboio Eurostar que o levaria para Londres. Os passageiros procuraram desesperadamente alternativas por terra. A empresa de táxis londrina diz ter sido requisitada por clientes que queriam ir para Paris, Milão, Zurique e Salzburgo, relata a Reuters.

Eurostar tomado de assalto

Os comboios europeus foram tomados de assalto. O Eurostar, o comboio que liga Londres a várias cidades do continente, atravessando o túnel da Mancha, foi alvo de uma verdadeira corrida, que esgotou os bilhetes, apesar da oferta ter sido reforçada (todos os 58 comboios em operação estiveram a funcionar). 
Ontem, a sexta-feira negra dos transportes europeus, a Eurostar transportou 46.500 passageiros - dos quais dez mil ganhos só por causa do encerramento dos aeroportos, disse um porta-voz da empresa. Hoje e amanhã conta transportar 15 mil passageiros suplementares.
Segundo a organização para a segurança da navegação aérea europeia Eurocontrol, o tráfego aéreo continuará "consideravelmente perturbado" hoje. E é provável que assim continue durante "vários dias", avançou a associação de gestão do tráfego aéreo Canso. Ninguém pode prever durante quanto tempo o vulcão Eyjafjalla continuará em erupção, mas, mesmo que parasse já, a nuvem de cinzas que já emitiu não se desvaneceria instantaneamente. E continuaria a afectar os países por onde os caprichos das correntes atmosféricas os levassem.
As autoridades italianas consideravam ontem a possibilidade de encerrar sábado o aeroporto de Milão. É provável que a nuvem chegue até ao Norte de Itália e aos países que ficam à mesma latitude, mas poupar os que ficam mais a sul dessa linha, estimou ontem em Bruxelas Kenneth Thomas, um especialista da Eurocontrol, citado pela AFP. 
"Se as previsões se mantiverem, Roménia, Hungria, Eslovénia e Croácia estão na mesma linha que o Norte de Itália, em direcção a leste", precisou. "Mas parece improvável que todos os aeroportos europeus sejam atingidos. A Côte d'Azur, por exemplo, não deve ser afectada", disse. 
A nuvem do vulcão islandês não é especialmente problemática por si - criou todo este caos porque a Europa do Norte é a zona "mais densa e mais complexa" do mundo em termos de tráfego aéreo", disse à AFP Stéphane Durand, presidente do Sindicato Nacional dos Controladores Aéreos franceses. Os aeroportos de Roissy (França), Londres, Amesterdão e Frankfurt estão entre as principais plataformas aeroportuárias do planeta. Londres e os seus três aeroportos (Heathrow, Gatwick, Stansted) é 12.º em termos de movimento de aparelhos (466 mil), mas o segundo em número de passageiros (66 milhões), atrás de Atlanta, nos EUA (88 milhões).

Incerteza na Polónia

A natureza implacável da Islândia é bem conhecida: esta ilha gelada fica em cima da fronteira da placa tectónica euroasiática com a placa norte-americana, onde está sempre a ser criada crosta terrestre. Fenómenos como este não são nada de novo - a erupção das fissuras de Laki em 1783 terá até causado um surto de fome no Egipto, e um Verão de chuva ácida em toda a Europa, por causa de uma nuvem de cinza vulcânica muito mais densa do que esta. Só que foi a primeira a ser vivida desde que a aviação comercial tomou conta dos céus europeus.O funeral do Presidente polaco Lech Kaczynski, marcado para domingo, em Cracóvia, pode sofrer várias baixas entre os chefes de Estado e outros dignitários estrangeiros que deveriam comparecer, devido às restrições aéreas. 
Ao fim da tarde, as autoridades encerraram todos os aeroportos. A família do Presidente não deseja adiar mais as cerimónias fúnebres, e nenhum chefe de Estado disse, até à hora de fecho desta edição, que não iria. Mas as suas deslocações podem estar em causa - por exemplo, a do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.
Quanto ao primeiro-ministro da Noruega, que foi aos EUA para participar na cimeira nuclear convocada por Barack Obama, também ficou em terra, em Nova Iorque, impossibilitado de voltar a Oslo. Mas Jens Stoltenberg, sem poder apanhar um táxi, como John Cleese, pôs uma foto online, na sua conta do Flickr, em que o mostra a mexer no seu iPad acabadinho de comprar, com o título: "O primeiro-ministro está a trabalhar no aeroporto".

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.