Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A-24

O piropo e o ridículo mundo do Bloco

por A-24, em 02.09.13
Henrique Monteiro

Adriana Lopera e Elsa Almeida, na sessão Socialismo 2013, organizada pelo Bloco de Esquerda, dissertaram sobre o piropo. Como nas redes sociais foram satirizadas, depois recuaram e afirmaram que se tratava apenas de "abrir o debate sobre a questão do assédio verbal".

Reparem como "assédio verbal" tem um ar sério que falta a piropo. Piropo é chiste, é pilhéria. Assédio verbal é claramente um crime. Mas talvez nem seja preciso legislar sobre ele, pois o crime de injúria existe no Código Penal, no artigo 181, que diz assim: "Quem injuriar outra pessoa, imputando-lhe factos, mesmo sob a forma de suspeita, ou dirigindo-lhe palavras, ofensivos da sua honra ou consideração, é punido com pena de prisão até 3 meses ou com pena de multa até 120 dias".
Porém, o que estas senhoras querem é um crime específico de género. E cito o que dizem, para não restarem confusões: "O assédio só pode estar enquadrado na área na violência contra as mulheres, portanto da violência de género ou a violência machista, e será analisado como mais uma demonstração da relação de poder que a sociedade patriarcal estabelece".
Mais à frente, as autoras (ver em www.esquerda.net ) acrescentam: "O facto de o assédio nunca ser referenciado revela até que ponto está instituído que o piropo é inofensivo".
Ou seja, se um tipo na rua me disser uma coisa qualquer tipo: "parto-te o focinho" não sendo crime de género, não significa absolutamente nada. Nem sequer uma "demonstração da relação de poder" dos mal-educados contra os civilizados. Mas se for "Ó filha, és boa como o milho" já é um crime diferente.
O piropo, como quase tudo o que se queira analisar nas relações entre homens e mulheres (e não há piropos homossexuais? Para quem defende a igualdade absoluta já deviam ter pensado nisso), o piropo - dizia - depende da forma, do contexto, da elegância, da oportunidade. Legislar sobre essa matéria é ridículo. Como ridículo é pretender que haja leis específicas para crimes que já estão genericamente previstos e punidos na lei.
Mas o mundo do Bloco é ridículo. Divide-se em dois. E eu nem quero dizer quais são, pois ainda me acusam de alguma lei que por aí venha...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.