Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A-24

O PCP no colo de Hitler

por A-24, em 16.09.13

Henrique Raposo

Por razões óbvias, a Alemanha tem a pole position da culpa , mas convém relembrar um pormenor que fica sempre na sombra de Hitler: toda a gente molhou a sopa no anti-semitismo, todas as nações europeias desenvolveram correntes anti-semitas que explodiram durante a II Guerra Mundial. Basta olhar para a Áustria, um país que anda a passar entre os intervalos da chuva há mais de meio século. Cerca de um terço dos guardas dos campos eram austríacos e Hitler não nasceu na Alemanha. O diabo está nos pormenores, não é verdade? Outras nações da Europa ocidental, a começar pela França, também tiveram comportamentos vergonhosos. Aliás, quando lemos autores respeitados da época, ficamos a pensar que Hitler colocou em prática aquilo que ia na cabecinha de muita gente.

Se a Europa ocidental teve um comportamento lastimável, a Europa de Leste foi o inferno. Este filme (passa no AXN) levanta a pontinha desse véu infernal. Como obra ficcional, a estória deste bando de guerrilheiros judeus da Bielorrússia não é grande espingarda, mas tem o condão de mostrar que o anti-semitismo também era rei e senhor entre os eslavos. Os progrom rebentaram na Ucrânia, Rússia e Bielorrússia no final século XIX (1881-84). Portanto, em 1941, a desumanização do judeu estava consumada há pelo menos duas gerações. E Defiance mostra bem que, na cabeça de um bielorrusso, matar um judeu não era muito diferente de matar um bicho. Matava-se um judeu com gosto, facto que explica o colaboracionismo de boa parte da população na caça ao judeu patrocinada pelos invasores nazis.

Da mesma forma, os bielorrussos colaboraram com o anti-semitismo dos russos. Sim, Defiance também é uma crónica do anti-semitismo dos comunistas soviéticos. Aquela ideologia universalista deveria ter extirpado o ódio anti-semita das etnias eslavas, mas o efeito acabou por ser o contrário. Através daquela conversa sofisticadíssima sobre as conspirações do capital judeu, o comunismo acabou por legitimar o ódio anti-semita. E o sucesso destas teses foi tão grande, que as ditas ainda hoje estão vivas junto das viúvas da URSS. O PCP legitimou recentemente os "Protocolos dos Sábios do Sião". Quem sai aos seus não degenera, não é verdade?