Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A-24

Boom. O festival psicadélico mais ecológico do mundo

por A-24, em 17.08.10
Por Clara silva, para o jornal I

Carol e David casaram-se no fim de Julho e percorreram mais de 2200 km para passar a lua-de-mel no Boom Festival, em Idanha-a-Nova. O casal chegou a Portugal na sexta-feira, mas só ontem reencontrou amigos alemães que os esperavam no aeroporto de Lisboa. "Eles trazem as nossas coisas todas na autocaravana", diz Cristina, de 39 anos, acabada de aterrar de Düsseldorf. 
Na fila para os táxis do aeroporto é fácil perceber quem vai para o Boom Festival, o evento português com maior projecção no estrangeiro, segundo a organização. Calças com padrões psicadélicos, rastas, tatuagens, guitarras e esteiras de campismo tornam a zona das chegadas ainda mais étnica. "Morei em Portugal dez anos, mas só na Alemanha é que ouvi falar do Boom", conta Cristina. Ao lado, Mika, de 24 anos, prepara shots de Jägermeister, "um licor com 56 ervas", embora ainda não sejam onze da manhã. "Comprei bilhete para o festival em Janeiro. Já tinha ido em 2008 e é um dos melhores sítios onde estive", diz. "Até gosto das casas-de-banho."
O festival de trance nas margens da barragem de Idanha-a-Nova, em Castelo Branco, é um dos mais conceituados da cultura psicadélica, e, segundo a ONU, um dos mais ecológicos do mundo. Este ano, foi convidado pelas Nações Unidas para integrar a "United Nations Music & Environmental Initiative", um projecto criado para "promover a consciência ambiental através da popularidade da música". "É um case study junto da ONU", escreveu Meegan Jones, autora do primeiro livro sobre sustentabilidade em eventos. 
Casas-de-banho sem autoclismo, onde os dejectos são fermentados na terra, e chuveiros onde nenhum litro de água é desperdiçado são alguns dos métodos ecológicos desta 8.ª edição do festival que, desde 1998, se realiza de dois em dois anos, sempre na altura da lua cheia.
A organização orgulha-se dos feitos da edição de 2008, que lhe valeu a distinção de mérito do Greener Festival Award - prémio internacional para os 31 eventos com maiores esforços ambientais. Segundo o site do Boom, os geradores de energia foram alimentados com 45 mil litros de óleo vegetal usado e 200 mil litros de água foram evaporados dos chuveiros e reaproveitados pelo sistema de tratamento de água biológico. Até os materiais de construção são sustentáveis: bambú, madeira reciclada, fardos de palha, tecido e estruturas reaproveitadas do Rock in Rio e do Festival Internacional de BD da Amadora.
"Não é fácil encontrar um sítio onde estas coisas são mesmo feitas", afirma Mika. "No recinto do festival não se vê lixo, as pessoas estão conscientes."
Conscientes a nível ecológico, mas muitas delas sob o efeito de drogas sintéticas. A pensar no consumo desse tipo de substâncias, associado à música trance, a organização tem uma tenda, a Kosmicare, para quem "se sente perdido na sua experiência psicadélica e emocionalmente vulnerável", explica no site. A equipa da Kosmicare, constituída por psicólogos (inclusive do Instituto da Droga e da Toxicodependência), homeopatas e psiquiatras, além de ajudar em caso de "bad trip", tem equipamentos para avaliar a pureza das drogas.
Este ano, o limite de entrada no Boom é de 26 mil pessoas, mas já só estão disponíveis 3 mil bilhetes (a 200€ cada). A organização aconselha os "boomers" - termo para estes festivaleiros - a deixarem o carro em casa. Nas outras edições as filas para entrar no recinto superaram as 20 horas e os bombeiros tiveram de refrescar quem esperava

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.