Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A-24

A minha solidariedade com João Tordo

por A-24, em 21.02.14
Rui A. in Blasfémias

Quero manifestar a minha compreensão e integral apoio ao que escreveu João Tordo, o filho do cantor Fernando Tordo, na carta que dirigiu ao seu pai, no momento em que ele abandona Portugal, a isso forçado pela pobreza em que se encontra o seu país. Sobretudo revejo-me plenamente naquela parte em que diz que é insuportável viver num local que foi governado “por gente que fez tudo para dar cabo deste país”. Concordo em absoluto. Ainda me lembro do que foi feito em 1975 e nos anos seguintes, para destruir a nossa economia com a nacionalização e consequente destruição de empresas até aí rentáveis e do nosso tecido produtivo. Tenho bem presente a cultura de ódio, que ainda hoje perdura, gerada em certos sectores da nossa sociedade em relação ao “capitalista”, isto é, a quem está disposto a investir o seu tempo, trabalho, esforço e dinheiro na criação de empresas e de emprego. Não me esqueço dos sucessivos governos, que arrebatavam o voto e o entusiasmo da multidão, que nos garantiam soluções milagrosas, que sempre passavam por gastar mais dinheiro dos contribuintes em obras faraónicas e em investimento público, o tal que criaria riqueza garantida e emprego seguro. Como não esqueço, também, os muitos bordéis do regime suportados pelo dinheiro do povo, de que os governos nunca se quiseram livrar para sustentar amigos e apaniguados, justificando-se sempre com o doce pregão de que se tratavam de bens públicos que a iniciativa privada não poderia assegurar. É graças a essa cultura de destruição de riqueza e da iniciativa e da propriedade privada que este país quase deixou de produzir e de ter empresas que garantissem trabalho e recursos para sustentar uma vida de qualidade aos seus cidadãos. Incluindo aqui a cultura, a tal a que sempre se dedicou Fernando Tordo, um bem que as pessoas só podem consumir quando têm assegurada a satisfação de outros mais elementares para a sua existência. E é devido a quase não existirem empresas empregadoras em Portugal que pessoas como Fernando Tordo, e outras como o filho de Fernando Tordo, têm de emigrar. Espero que o João Tordo tenha já compreendido isto.