Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A-24

A crítica certa

por A-24, em 04.02.13
por João Vaz


A maestrina
Na pequena manifestação de pândegos indignados de ontem, no Porto, destacou-se a maestrina Ana Maria Pinto. É de mulheres destas que precisamos. Ela canta, dança, toca pífaro e bate palmas se for preciso. Mulher dos sete ofícios, impressiona os seus confrades vermelhos pela perspicácia e sentido de oportunidade. Diz que estava ali para dar ao povo o que o povo precisa: "cultura e verdade". Assim, sem mais, deste modo desassombrado. Cultura, portanto, presume-se que seja a Grândola do saudoso Zeca e o Acordai, do comuna Lopes-Graça. Se é esta a cultura que se dá ao povo mais vale que o povo fique inculto ou que vá á FNAC comprar as sombras de Gray ou os romances da Bárbara Norton de Matos. Saude-se, no entanto, o esforço e a perseverança da nossa maestrina, que já ameaça comparecer às próximas manifestações de pândegos indignados. Sempre a cantar, sempre contra a injustiça. E deve ser por isso que já se preparam, um pouco por todo o país, excursões para os protestos de Março - o povo quer ouvi-la e quer cultura. Em tempos recentes Toy tentou ocupar o lugar de referência no coração do povo esquerdalhista - fê-lo ao anunciar o regresso da liberdade á cidade de Setúbal. Infelizmente, para ele, não esperava encontrar uma adversária tão determinada nessa luta decibélica. A maestrina está pronta para tudo. Com a voz, as mãos, o pífaro ou os ferrinhos. A luta vai continuar.


Che Gayvara
Saiu uma nova biografia da Che Gayvara, na Bertrand. Uma coisa que sempre me espantou neste assassino comuna foram as suas companhias. Ou seja, Gayvara correu a América do Sul de mota, na companhia de um homem. Depois andou no mato, em Cuba, sempre rodeado de homens. Foi para o Congo com homens. Andou na Bolívia rodeado de homens. Gostava de estar com homens, portanto. Mulheres praticamente não se vêem na sua vida. Se isto não cheira a gueizismo então não sei o que será. Mas sobre isso não falam os biógrafos.

Invasão
"De acordo com os últimos dados (...) 18.8% dos bebés nascidos em Portugal em 2012 foram filhos de estrangeiras. Dos cerca de 90.000 bebés do ano passado, houve 16.382 filhos de estrangeiros ou, pelo menos, com mãe ou pai não português. Por países de origem, o 1º lugar pertence ao Brasil (...) seguido de Cabo Verde (...) e da Roménia. Angola e Ucrânia fecham o top 5"- Correio da Manhã
E ainda faltam aqui os que têm nacionalidade portuguesa mas não são portugueses.

190 generais
Segundo o Correio da Manhã temos 190 generais que custam 11 mulhões de euros anuais ao país. O salário mensal vai dos 3400 aos 5166 euros. Gostava de saber o que é que esta trupe faz de produtivo e por que razão não são aplicados cortes aqui. Gostava também de saber qual a necessidade de tantos generais - calculo que haja mais hoje do que durante a guerra no ultramar.

os critérios da Amnistia
A associação esquerdalhista mundial que dá pelo nome de Amnistia Internacional denunciou abusos cometidos pelas tropas malianas na sua ofensiva contra os terroristas islâmicos. 
Gostava de saber onde é que estavam os pulhas da Amnistia quando os terroristas islâmicos destruíam o património de Timbutku e reprimiam as populações do Mali.