Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A-24

Leftists become incandescent when reminded of the socialist roots of Nazism

por A-24, em 03.03.14
Daniel Hannan

On 16 June 1941, as Hitler readied his forces for Operation Barbarossa, Josef Goebbels looked forward to the new order that the Nazis would impose on a conquered Russia. There would be no come-back, he wrote, for capitalists nor priests nor Tsars. Rather, in the place of debased, Jewish Bolshevism, the Wehrmacht would deliver “der echte Sozialismus”: real socialism.

Goebbels never doubted that he was a socialist. He understood Nazism to be a better and more plausible form of socialism than that propagated by Lenin. Instead of spreading itself across different nations, it would operate within the unit of the Volk.
So total is the cultural victory of the modern Left that the merely to recount this fact is jarring. But few at the time would have found it especially contentious. As George Watson put it in The Lost Literature of Socialism:
It is now clear beyond all reasonable doubt that Hitler and his associates believed they were socialists, and that others, including democratic socialists, thought so too.
The clue is in the name. Subsequent generations of Leftists have tried to explain away the awkward nomenclature of the National Socialist German Workers’ Party as either a cynical PR stunt or an embarrassing coincidence. In fact, the name meant what it said.

Hitler told Hermann Rauschning, a Prussian who briefly worked for the Nazis before rejecting them and fleeing the country, that he had admired much of the thinking of the revolutionaries he had known as a young man; but he felt that they had been talkers, not doers. “I have put into practice what these peddlers and pen pushers have timidly begun,” he boasted, adding that “the whole of National Socialism” was “based on Marx”.
Marx’s error, Hitler believed, had been to foster class war instead of national unity – to set workers against industrialists instead of conscripting both groups into a corporatist order. His aim, he told his economic adviser, Otto Wagener, was to “convert the German Volk to socialism without simply killing off the old individualists” – by which he meant the bankers and factory owners who could, he thought, serve socialism better by generating revenue for the state. “What Marxism, Leninism and Stalinism failed to accomplish,” he told Wagener, “we shall be in a position to achieve.”

Leftist readers may by now be seething. Whenever I touch on this subject, it elicits an almost berserk reaction from people who think of themselves as progressives and see anti-fascism as part of their ideology. Well, chaps, maybe now you know how we conservatives feel when you loosely associate Nazism with “the Right”.

To be absolutely clear, I don’t believe that modern Leftists have subliminal Nazi leanings, or that their loathing of Hitler is in any way feigned. That’s not my argument. What I want to do, by holding up the mirror, is to take on the equally false idea that there is an ideological continuum between free-marketers and fascists.

The idea that Nazism is a more extreme form of conservatism has insinuated its way into popular culture. You hear it, not only when spotty students yell “fascist” at Tories, but when pundits talk of revolutionary anti-capitalist parties, such as the BNP and Golden Dawn, as “far Right”.

What is it based on, this connection? Little beyond a jejune sense that Left-wing means compassionate and Right-wing means nasty and fascists are nasty. When written down like that, the notion sounds idiotic, but think of the groups around the world that the BBC, for example, calls “Right-wing”: the Taliban, who want communal ownership of goods; the Iranian revolutionaries, who abolished the monarchy, seized industries and destroyed the middle class; Vladimir Zhirinovsky, who pined for Stalinism. The “Nazis-were-far-Right” shtick is a symptom of the wider notion that “Right-wing” is a synonym for “baddie”.

One of my constituents once complained to the Beeb about a report on the repression of Mexico's indigenous peoples, in which the government was labelled Right-wing. The governing party, he pointed out, was a member of the Socialist International and, again, the give-away was in its name: Institutional Revolutionary Party. The BBC’s response was priceless. Yes, it accepted that the party was socialist, “but what our correspondent was trying to get across was that it is authoritarian”.

In fact, authoritarianism was the common feature of socialists of both National and Leninist varieties, who rushed to stick each other in prison camps or before firing squads. Each faction loathed the other as heretical, but both scorned free-market individualists as beyond redemption. Their battle was all the fiercer, as Hayek pointed out in 1944, because it was a battle between brothers.

Authoritarianism – or, to give it a less loaded name, the belief that state compulsion is justified in pursuit of a higher goal, such as scientific progress or greater equality – was traditionally a characteristic of the social democrats as much as of the revolutionaries.


Jonah Goldberg has chronicled the phenomenon at length in his magnum opus, Liberal Fascism. Lots of people take offence at his title, evidently without reading the book since, in the first few pages, Jonah reveals that the phrase is not his own. He is quoting that impeccable progressive H.G. Wells who, in 1932, told the Young Liberals that they must become “liberal fascists” and “enlightened Nazis”.

In those days, most prominent Leftists intellectuals, including Wells, Jack London, Havelock Ellis and the Webbs, tended to favour eugenics, convinced that only religious hang-ups were holding back the development of a healthier species. The unapologetic way in which they spelt out the consequences have, like Hitler’s actual words, been largely edited from our discourse. Here, for example, is George Bernard Shaw in 1933:

Extermination must be put on a scientific basis if it is ever to be carried out humanely and apologetically as well as thoroughly… If we desire a certain type of civilisation and culture we must exterminate the sort of people who do not fit into it.

Eugenics, of course, topples easily into racism. Engels himself wrote of the “racial trash” – the groups who would necessarily be supplanted as scientific socialism came into its own. Season this outlook with a sprinkling of anti-capitalism and you often got Leftist anti-Semitism – something else we have edited from our memory, but which once went without saying. “How, as a socialist, can you not be an anti-Semite?” Hitler had asked his party members in 1920.


Are contemporary Leftist critics of Israel secretly anti-Semitic? No, not in the vast majority of cases. Are modern socialists inwardly yearning to put global warming sceptics in prison camps? Nope. Do Keynesians want the whole apparatus of corporatism, expressed by Mussolini as “everything in the state, nothing outside the state”? Again, no. There are idiots who discredit every cause, of course, but most people on the Left are sincere in their stated commitment to human rights, personal dignity and pluralism.

My beef with many (not all) Leftists is a simpler one. By refusing to return the compliment, by assuming a moral superiority, they make political dialogue almost impossible. Using the soubriquet “Right-wing” to mean “something undesirable” is a small but important example.

Next time you hear Leftists use the word fascist as a general insult, gently point out the difference between what they like to imagine the NSDAP stood for and what it actually proclaimed.

O livro negro da Suécia

por A-24, em 06.10.13
As recentes revelações sobre o registo de ciganos na polícia levanta o véu sobre as perseguições que sofreram e as discriminações atuais. Põem em questão o modelo sueco de integração e a imagem que os suecos têm do seu país.

Rakel Chukri


Em janeiro de 2011, o ministro [sueco] da Integração, Erik Ullenhag,decidiu publicar um “Livro Branco” sobre “atentados e agressões contra os ciganos, na Suécia, no século XX”.

Durante a apresentação, Erik Ullenhag não esteve com rodeios: “Ao longo da história, os ciganos foram vítimas de agressões inaceitáveis, tais como a esterilização forçada e a privação do direito à educação para as crianças. Se quisermos avançar, é importante pôr um ponto final nisso e o Estado reconhecer as injustiças cometidas”.

Sinceramente, o que sabem os suecos dessas injustiças? Qual é o nível de conhecimento da opinião pública sobre este assunto?

Não melhora pensar que as informações sobre o assunto são escassas. Acrescente-se a isso que os preconceitos – e o ressentimento – contra os ciganos se espalharam assustadoramente em toda a Europa. Em países como a Hungria, milícias de cidadãos assassinaram ciganos, perante a indiferença da polícia. Noutros países, os ciganos são vítimas de uma discriminação virulenta em termos de mercado de trabalho e de aquisição imobiliária.
Registo de crianças de dois anos

É neste contexto que temos de analisar as revelações do jornal Dagens Nyheter sobre os registos da polícia sobre os ciganos, na Suécia. Mais uma vez, um grupo vulnerável volta a sentir a desconsideração de que é vítima.

É difícil imaginar uma explicação plausível para o registo na polícia de crianças de dois anos. A não ser que a polícia sueca queira ver o pecado original estampado na lei! Nesse caso, o delito surgiria quando? Quando os pais utilizaram um nome de família ao acaso? Erik Ullenhag parece ter boas razões para adiar a publicação do seu “Livro Branco”...
Nos últimos anos, foram publicados poucos livros, mas particularmente incisivos, sobre os capítulos mais sombrios da história da Suécia

Nos últimos anos, foram publicados poucos livros, mas particularmente incisivos, sobre os capítulos mais sombrios da história da Suécia. Para lá da crueldade das histórias que contam, os seus autores têm em comum revelar uma sociedade que prefere evitar complicar as coisas para o seu país. Porque a verdade é que um país pode avançar pelo caminho certo e pelo errado ao mesmo tempo. Ou, nas palavras da escritora Lawen Mohtadi, em entrevista ao Sydsvenskan: “O modelo sueco estava em ascensão, assestado à igualdade. E ao mesmo tempo, fazia-se isto”.

Por “isto”, Mohtadi Lawen subentende o tratamento dado aos ciganos. Subentende a Comissão de Inquérito sobre a Vadiagem, que descrevia os ciganos como uma ameaça, em 1923. Subentende o facto de os ciganos terem sido impedidos de entrar em solo sueco de 1914 a 1954. Os ciganos que sobreviveram à Segunda Guerra Mundial não puderam, pois, entrar neste país.
A Suécia e o “censo de vadios”

Em 1943, a Suécia realizou um “censo de vadios”. Lawen Mohtadi retrata-o deste modo: “No meio do fogo da Segunda Guerra Mundial, com os ciganos a serem enviados aos milhares para os campos de extermínio nazis de toda a Europa, os ciganos da Suécia receberam a visita de polícias fardados, a pedir-lhes para indicar a sua etnia e a dos pais, e para fornecerem uma série de informações pessoais e íntimas”.

Quem quiser saber mais sobre o tratamento dado aos ciganos na Suécia, pode ler também o relatório público “A casa de vidro amarelo e azul”, publicado em 2005. Constata, nomeadamente, que a pena de morte foi introduzida em 1637, para “boémios e ciganos [do sexo masculino] que não saíram do país”.

A Suécia de 2013 não pode ser comparada, naturalmente, com a Suécia do século XVII. Também não temos equivalente para a “biologia das raças”, que estava em voga no país no início do século passado. Mas não podemos igualmente agir como se estes capítulos nunca tivessem sido escritos, sob pena de nunca sermos capazes de analisar e combater o racismo contra os ciganos que existe hoje. Precisamos que a polícia e as autoridades entendam isso. É a condição para a confiança no Estado de Direito.

O mundo mudou há 224 anos com a Revolução Francesa

por A-24, em 16.07.13
O mundo mudou há 224 anos com a Revolução Francesa


A França nesse ano de 1789 estava em quase derrocada económica. Como país agrícola os camponeses viram os seus rendimentos cairem com a entrada da indústria. Os impostos e os encargos estavam todos em cima dos ombros das classes menos favorecidas socialmente. Grassava a fome e o descontentamento e a frase de Maria Antonieta, “se não têm pão comam croissants” foi por demais infeliz.
O Povo começou a guardar armas, a conspirar e na manhã de 14 de Julho, depois da demissão de Necker um ministro muito popular que tentava chamar Luis XVI à razão, o povo de Paris pega em armas nos Invalides e dirige-se para a Bastilha, uma fortaleza real onde eram guardados os prisioneiros políticos.
Depois de um tiroteio pleno de violência, a Bastilha é tomada e os poucos prisioneiros que ali se encontravam retomam a liberdade.
Deste modo a tomada da Bastilha representa uma primeira vitória do povo de Paris contra um símbolo do Antigo Regime, e uma primeira forma de pôr em prática os ideais do Iluminismo: Liberdade, Igualdade Fraeternidade
Em termos históricos pode afirmar-se que Revolução Francesa iniciou a Era das Revoluções Burguesas, fez parte do movimento revolucionário global, atlântico e ocidental que começou nos Estados Unidos em 1776 passando por Inglaterra, Irlanda, Holanda, Bélgica, Itália, Alemanha, Suíça e termina na França em 1789. Teve repercussão em outros países, mas retorna a França em 1830 e 1848.
A Revolução Francesa significou o fim do absolutismo e dos privilégios da nobreza. O povo ganhou direitos sociais e passou a ser respeitado.
Com o voto favorável da proposta de lei do deputado Benjamin Raspail, o dia 14 de Julho torna-se feriado nacional da República. Ainda hoje, o 14 de Julho é celebrado com pompa e circunstância.
Em Paris, não deixará de haver o desfile militar nos Champs Elysées e por toda a França são organizados bailes, iluminações especiais ou fogos de artifício.
A Revolução Francesa representa para a Humanidade a revolta e o derrube da tirania da opressão e da desigualdade social.

Retirado do HArdMúsica

Um piano nas barricadas

por A-24, em 24.06.13


A Itália da década de 70 viu surgir um movimento surpreendente que pretendia afirmar a autodeterminação do proletariado, sem concessões nem mediações. O livro Um Piano nas Barricadas: Autonomia Operária (1973-1979) (Edições Antipáticas) relata este peculiar acontecimento que, sem bases, sem posto de comando, no início até sem programa, ousou destruir toda a estratificação social que o capitalismo impõe. Este livro mostra-nos o ponto de vista de Marcello Tarì sobre os acontecimentos mais marcantes e todo o contexto social e intelectual que os rodeava. O sujeito é assim uma difusa rede de diferentes agentes, organizados em grupos heterogéneos, cujo papel se vai revelando ao longo da narrativa. Ao invés da sacralização heróica dos actos deste ou daquele indivíduo, existe uma multiplicação de experiências que vai contribuir para afirmar os valores do movimento, que conseguiram tornar-se bastante precisos.

Num depoimento recolhido durante o processo que visava desmantelar o movimento, Lucio Castellano dá-nos um potente retrato do que foi a Autonomia:

<
[Error: Irreparable invalid markup ('<aquilo [...] neos.>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div dir="ltr"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><a href="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/tumblr_mak9m35rg91rs4qqbo1_500.jpg" style="clear: right; float: right; margin-bottom: 1em; margin-left: 1em;" rel="noopener"><br /><img src="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/tumblr_mak9m35rg91rs4qqbo1_500.jpg?w=419" /></a></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">A Itália da década de 70 viu surgir um movimento surpreendente que pretendia afirmar a autodeterminação do proletariado, sem concessões nem mediações. O livro Um Piano nas Barricadas: Autonomia Operária (1973-1979) (<a href="http://edicoesantipaticas.tumblr.com/" rel="noopener">Edições Antipáticas</a>) relata este peculiar acontecimento que, sem bases, sem posto de comando, no início até sem programa, ousou destruir toda a estratificação social que o capitalismo impõe. Este livro mostra-nos o ponto de vista de Marcello Tarì sobre os acontecimentos mais marcantes e todo o contexto social e intelectual que os rodeava. O sujeito é assim uma difusa rede de diferentes agentes, organizados em grupos heterogéneos, cujo papel se vai revelando ao longo da narrativa. Ao invés da sacralização heróica dos actos deste ou daquele indivíduo, existe uma multiplicação de experiências que vai contribuir para afirmar os valores do movimento, que conseguiram tornar-se bastante precisos.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">Num depoimento recolhido durante o processo que visava desmantelar o movimento, Lucio Castellano dá-nos um potente retrato do que foi a Autonomia:</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">&lt;<aquilo a="" acusa="" agita="" alargamento="" algo="" alguns="" amigavelmente="" anos="" ao="" aos="" aquilo="" arriscando="" as="" at="" c="" central="" clareza="" classe="" coisas="" coloca="" com="" compreender="" conhece="" conquistaram.="" consangu="" consolidadas="" conspira="" constitu="" construir="" convencido="" correntes="" cred="" cultura="" da="" danos="" de="" desordenado="" dessa="" destes="" dirigente="" dirigentes="" dirigidas="" diversas="" do="" docentes="" dos="" dr.="" e="" em="" enquanto="" entende="" entre="" es="" escola.="" espa="" est="" este="" estes="" eu="" existir="" express="" fala="" fam="" faz="" fazendo="" feito="" filho="" formado="" formas="" galluci="" grande="" guerra="" hierarquias="" hierarquicamente="" ideias="" imagem="" impor="" is="" isso="" isto="" levaria="" lia.="" liberdade="" linguagem="" ltimos="" mais="" manda="" mas="" me="" medo="" mero="" mesmo="" minha.="" modo="" move="" movimento="" mplice="" mundo="" n="" na="" nas="" necessariamente="" nego="" neos.="" neste="" nimes="" no="" nos="" nova="" o.="" o="" objectivos="" ocorrido="" odiosa.="" olhos="" organiza="" os="" ou="" overno="" pagando="" pap="" para="" parecida="" parte="" patr="" pela="" pele="" perten="" pessoas="" podem="" poder="" por="" porque="" poss="" possa="" possam="" potentados="" pris="" procura="" professores="" provocar="" que="" quest="" raramente="" rebro="" reduzir="" relevo:="" remisturando="" rie="" rodar="" s="" se="" sei="" seja="" sem="" sempre="" sentido="" ser="" servidores="" seu="" seus="" severo="" shakesperianos="" si="" significa="" sombra="" sua="" suas="" subversivos="" tem="" ter="" teria="" termos="" terrorismo="" terroristas="" torno="" totalmente="" um="" uma="" un="" unidas="" universidades="" vel="" vezes="" voc="">&gt; (Interrogatório de Lucio Castellano perante o juiz instrutor, 12 de Junho de 1979)</aquilo></span></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">O movimento parte da identidade do operário fordista para questionar o seu papel económico e ambicionar à sua destruição, enquanto produtor e consumidor passivo, aprofundando depois esta experiência nos seus diferentes papeis sociais. Assim, a relação de exploração que define o proletariado é compreendida de forma extensiva. Ultrapassa os limites da fábrica e questiona as relações contemporâneas de sociabilidade em diferentes níveis. Por exemplo, este movimento vê ascender uma forte crítica feminista do papel da mulher. Olha para o trabalho doméstico enquanto trabalho não pago e para o papel reprodutivo enquanto sustentação da criação de mão-de-obra necessária ao sistema. Contra esses papéis da mulher, o movimento feminista tenta estratégias “peregrinas” como a Greve Humana. </span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">Outra questão central do movimento, e que mostra bem o aprofundamento da sua crítica, está relacionada com o papel do desejo. Profundamente influenciados pela crítica a Freud presente em O Anti-Édipo de Deleuze e Guattari vai atender ao desejo como devir revolucionário.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">Este extravasar da fábrica para o quotidiano levou a possibilidades excitantes e entusiasmantes que vão de algum modo superar a nova identidade proletária que, como sabemos, se tornou mais difusa, complexa e atomizada segundo o sistema de produção pós-fordista. Ao transpor os limites normativos que a cadeia produtiva capitalista impõe a Autonomia fortaleceu-se e a sua crítica endureceu:</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"> </span><br /><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><a href="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/parcolambro.jpg" style="clear: right; float: right; margin-bottom: 1em; margin-left: 1em;" rel="noopener"><img src="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/parcolambro.jpg?w=244&amp;h=370" /></a></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">«Os “jovens” são uma invenção recente, não existiam enquanto categoria sociológica até aos anos Quarenta, começam a existir quando o Estado e o mercado de trabalho criam, na década seguinte, o espaço para um estrato da força de trabalho em formação na qual pretendem também construir o consenso relativamente às formas sociais dominantes. Mas se nos anos Sessenta este estrato social começa a recusar a organização autoritária da sociedade e do trabalho, na década seguinte os jovens, agora já proletarizados, tornam-se cada vez mais indisponíveis para o trabalho e utilizam o tempo de não-trabalho para a subversão do tempo total da vida. A taxa de desemprego jovem alcançou níveis estratosféricos nesses anos, mas os jovens já não constituíam um “exército de reserva” à disposição do capital simplesmente porque, a certo ponto, muitos deles escolheram não voltar a pedir para entrar na fábrica ou em qualquer outro lugar para se deixarem explorar, mas permaneciam de fora, a reinventar a vida, combatendo duramente e resistindo ao trabalho, difundindo formas de desfrute imediato do mundo através da pesquisa de uma utilização livre e comum de tudo. Muitos eram os que, ainda que não tivessem emprego na fábrica ou no escritório, passavam de um trabalho precário para outro, partilhando casas e dinheiro com os companheiros com quem por vezes iam depois queimar a empresa onde tinham acabado de trabalhar.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">(…) “Movimento é o estrato social que se move”, escrevia “A/traverso” num dos seus primeiros artigos, em 1975, e referia-se exactamente ao que se começava a chamar proletariado jovem. Os primeiros a forjar esta expressão foram os redactores de “Re Nudo”, uma revista de contracultura ao redor da qual giravam muitas experiências libertárias, dos situacionistas aos autónomos, dos últimos hippies aos apoiantes de um comunismo psicadélico. “Re Nudo” organizava reuniões musicais e políticas segundo o modelo do Movement norte-americano e do Norte da Europa, tendo partido dos seus interesses iniciais pelas drogas, o rock e a contracultura para se aproximar cada vez mais do que era expresso no movimento autónomo. Em Itália, ao contrário dos Estados Unidos e de outros países, a contracultura desenvolveu-se a níveis de massas dentro de um movimento juvenil que já era muito politizado: gente que ligava facilmente a marijuana ao exproprio selvagem, o sexo livre aos distúrbios de rua, o rock duro à greve selvagem. Até aí, os encontros eram organizados em localidades fora das cidades, às vezes tão perdidas que nem sequer se sabia como lá chegar, mas a certo ponto os hippies maoístas de “Re Nudo” começaram a pensar sobre os comportamentos de rebelião juvenil que se estavam a difundir na grande metrópole e, não por acaso, o seu interesse pela construção de comunas teve de render-se ao facto de que era mais interessante, em Itália, procurar fazê-las na cidade do que em ambientes rurais longínquos, como acontecia noutros locais.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">A partir do Outono de 1975, grupos de jovens partiam das periferias urbanas e dirigiam-se ao centro para saquear as lojas, provocavam confrontos nos estádios de futebol, apresentavam-se frequentemente às centenas nas entradas dos concertos de rock e desencadeavam um inferno para não pagar o bilhete, por vezes apenas para estragar o concerto, considerado o enésimo assalto e tentativa de lhes proporcionar um espectáculo do qual estavam irremediavelmente separados: música-mercadoria servida quente para os estupidificar com promessas de Peace &amp; Love. Era a isso que os jovens proletários do Núcleo Autónomo de Quarto Oggiaro, um gangue da periferia milanesa próximo das revistas “Puzz” e “Gatti selvaggi”, chamavam “organização mafiosa da passividade” e continuavam – dirigindo-se aos seus companheiros – “quando vocês vão aos concertos, vão na verdade TRABALHAR, mas o ridículo é isto: que vocês pagam para ir trabalhar”. A polémica dura e acesa com os organizadores dos concertos e dos festivais rock aqueceu, mesmo quando os organizadores eram os grupos extra-parlamentares, que foram mais do que uma vez obrigados a fazer com os que os músicos tocassem com o serviço de ordem disperso sob o palco e nas entradas porque, diziam os autónomos com lucidez: “a gestão de esquerda da alienação é apenas uma gestão de esquerda da alienação”. Os grandes concertos de rock tornaram-se assim mais um dos mil problemas de “ordem pública” e, após um molotov ter voado para o palco de Santana incendiando a amplificação, mais nenhuma estrela quis ir tocar a Itália durante largos anos. Menos mal: a criatividade foi mais autónoma e houve mais espaço para o do it yourself, também na música.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">Os estudantes dos liceus tinham, pela sua parte, começado a ocupar as escolas de forma cada vez mais organizada: as ocupações podiam durar semanas e semanas, durante as quais a coisa mais importante era a acumulação de contrassaberes úteis à sabotagem da metrópole e a intensificação de novas experiências, isto é, a construção de comunas temporárias, a experimentação de novas formas de amor e de luta, para lá do aprofundamento teórico-político que habitualmente acompanhava as agitações estudantis. Durante esses meses, os mais zangados começavam também a entrar em confronto violento com os directores e professores reaccionários, tornando-se normal encontrarem os seus automóveis destruídos por bombas incendiárias, como acontecia aos seguranças e directores de secção nas fábricas. Nas escolas onde o Movimento era forte, ao cabo de dois anos os directores e professores já não governavam nada.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">Foi em Milão que tudo se condensou improvisadamente no Inverno entre 1975 e 1976. Os gangues juvenis eram cada vez mais numerosos e lançavam-se ao assalto da metrópole, ocupavam apartamentos vazios para fazer comunas, inventaram os centros socais onde organizavam concertos e espectáculos teatrais, expropriavam as mercadorias: começavam a compreender ser uma “força”. Re Nudo”, juntamente com o que restava de Lotta Continua, puseram à disposição os seus saberes e algumas das suas sedes e, juntamente com os grupos, criam os primeiros Círculos do Proletariado Juvenil que chegaram em pouco tempo a cerca de trinta apenas em Milão, geralmente cada um com a sua sede e o seu jornal. Os rapazes que constituem os círculos são na maioria aprendizes muito jovens de pequenas fábricas, trabalhadores precários, desempregados e estudantes-trabalhadores, mais uns quantos “cães soltos” e ex-militantes de extrema-esquerda: todos entram em polémica com os grupos que “propõem a divisão entre criatividade-divertimento e política tradicional”. Os Círculos, ao contrário de todas as forças organizadas, que sempre tinham tido a sua sede no centro da cidade, escolhem o caminho do enraizamento no território:</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">“A cintura metropolitana era formada por bairros de construção relativamente recente, ou seja, tinham sido fabricados no fim dos anos Cinquenta. Os jovens nascidos nesses bairros demoraram 15 ou 16 anos a recuperar uma identidade territorial, a tornar amigável o território e a pensar que, para eles, a vida libertada não era desejável apenas na sede política central mas no seu bairro, sem intervenções externas” (Primo Moroni, “Ma l’amor mio non muore”, in Gli Autonomi I, op. Cit.).</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">Também por isto se imaginavam “índios metropolitanos”, fechados nas suas “reservas”, excluídos de tudo, mas que podiam daí partir para saquear o centro da cidade, defendido pelos “casacos azuis”. O mal-estar desses rapazes, com idades entre os 13 e os 18 anos, derivava de terem como locais e meios de socialização apenas o bar, os flippers, as bandas desenhadas pornográficas, o cinema de série C, as drogas pesadas, os bancos gelados dos esquálidos jardins da periferia, enquanto o seu desejo os pressionava para uma forma diferente de estar juntos. Os jovens dos Círculos, por exemplo, queriam que ao feriado do Primeiro de Maio se juntasse o primeiro dia da Primavera, porque odiavam a metrópole e amavam imaginar a libertação dos bairros para fazer deles as suas pradarias.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">No mesmo período, os bairros mais centrais de Milão de composição popular, como o Ticinese, tinham sido lentamente apropriados por estruturas políticas autónomas e muitíssimos eram os jovens que ocupavam as velhas casas comunitárias nas quais tinham vivido os proletários do século XIX, criando assim verdadeiros “bairros vermelhos”. A velha classe operária, pelo contrário, fugia dessas casas para ir para os novos bairros-gueto, onde os apartamentos talvez tivessem casa de banho privada e um lugar de estacionamento para o carro utilitário. Habitações estudadas para o isolamento da família mononuclear, imersas numa solidão gigante, construídas dentro de bairros horríveis onde as ligações de solidariedade desapareciam e nem sequer existiam os bares onde se poderia ir beber um copo de vinho e falar com os amigos depois do trabalho: os seus filhos não amavam certamente estes novos símbolos de estatuto do “bem-estar” operário, construídos no meio do nada e que se tornariam os locais da sua domesticação humana. &gt;&gt;</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><a href="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/210_a.jpg" style="color: #1155cc; margin-left: 1em; margin-right: 1em;" target="_blank" rel="noopener"><img alt="Image" src="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/210_a.jpg?w=650" style="border: 0px;" /></a></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><br /></span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;">A multiplicação de experiências e identidades insurrecionais, que partem da teoria clássica marxista sob o controlo dos meios de produção e vão tão longe quanto a multiplicação de identidades sexuais, contribuíram para o fortalecimento desta unidade de combate popular que vai muito além dos preceitos leninistas sobre a táctica para o combate político. Esta experiência revela como o antagonismo dentro do próprio movimento, a constante contestação e desafio das estruturas, e a capacidade de multiplicar as experiências e suas identidades, contribuiu para o fortalecimento da sua crítica do quotidiano, tudo isto conseguido sem qualquer disciplina militar ou comité central. O seu culminar aconteceu com a insurreição de 77 que se espalhou como um raio e acabou com a repressão dos tanques a recuperar a ordem nas praças italianas. Gorou-se a possibilidade de criar de raiz uma nova sociedade baseada na autodeterminação e na sociedade sem classes mas a história dos movimentos autónomos ganhou um importante momento aqui retratado ao longo destas páginas entusiasmantes que as Edições Antipáticas acrescentam ao seu assinalável cardápio de importantes escritos que alimentam algumas das mais efervescentes críticas no panorama editorial português.</span></div><div style="text-align: justify;"><span style="font-family: Georgia, Times New Roman, serif;"><a href="http://5dias.wordpress.com/2013/06/20/um-piano-nas-barricadas/" target="_blank" rel="noopener">Fonte</a></span></div><br /><div style="background-color: white; color: #1155cc; font-family: arial, sans-serif; font-size: 13px; text-align: justify;"><a href="http://5dias.files.wordpress.com/2013/06/210_a.jpg" style="background-color: white; color: #1155cc; font-family: arial, sans-serif; font-size: 13px;" target="_blank" rel="noopener"></a></div>

O Urso ferido

por A-24, em 01.05.13
Recuperando um texto de Jorge Costa n'O Insurgente (2008)

A 31 de Março de 1989, Vasco Pulido Valente escrevia, n’O Independente, um artigo (As origens da III Guerra Mundial) no qual criticava severamente todos aqueles que aplaudiam a perestroika na URSS e a consequente “liberalização” do país. Para Vasco Pulido Valente, essa “liberalização” faria com que o “império russo” começasse a “tremer nos fundamentos” e ficasse numa “péssima posição para resistir aos choques que o esperam”, dos quais resultariam apenas e só um “caos de nações independentes, condenadas ao conflito externo e à tirana interna”: na URSS como no “antigo império dos Romanov” viviam “quinze nacionalidades e dez etnias diferentes”, que só o “chicote” e a “força bruta” mantinham em ordem. Se o “chicote”, por virtude da “liberalização”, deixasse de ser usado, a “desintegração” do “império russo”, como a desintegração dos Impérios Otomano e Hasburgo décadas antes, apenas traria o conflito étnico e um eventual alastramento do conflito (a tal “III Guerra Mundial” cujas “origens” Vasco Pulido Valente via na desintegração do “império russo”).
A Guerra da Geórgia é ainda um dos restos deixados por essa desintegração. Quando a Geórgia se libertou da tutela soviética, duas regiões no seu território (a Abkhazia e a Ossétia do Sul) mantinham uma maioria de “russos étnicos” na sua população. A Ossétia do Sul declarou-se uma República Soviética (um acto que não foi reconhecido pela Geórgia), e após uma derrota imposta às forças militares georgianas, os separatistas da Ossétia realizaram o primeiro de dois referendos (não reconhecidos) nos quais a maioria da população aprovou a reunião do território com a Ossétia do Norte, sob a soberania russa. A Geórgia sempre reclamou que a Ossétia do Sul fazia parte do seu território, e mostrou-se até pronta a oferecer maior autonomia política, proposta rejeitada pelos separatistas, cada vez mais próximos da Rússia, principalmente após Vladimir Putin lhes ter entregue passaportes russos, que na prática os transformam em cidadãos da Rússia, dessa forma “obrigada” (por si própria, note-se) a protegê-los. Após confrontos entre forças militares georgianas e separatistas da Ossétia, a Rússia interveio, com o argumento de que uma “limpeza étnica” estaria a ter lugar. A comunicação social ocidental entretém-se a tentar identificar quem é o “mau da fita” nesta crise, e qual o “injustiçado”. Será difícil arranjar uma resposta que satisfaça toda a gente. Mas há algo bem mais importante em toda esta crise: perceber por que razão a Rússia interveio.

...e é por isso que é perigosa

Ao contrário do que escreve João Marques de Almeida no Diário Económico, a acção russa na Geórgia não significa o “regresso daquela para o topo da hierarquia do poder mundial”. Antes pelo contrário: a Rússia ataca a Geórgia porque sabe que está fraca, e acima de tudo, a enfraquecer. A intimidação de países vizinhos, o abuso da sua posição no mercado energético, ou os estranhos assassinatos de opositores ao regime de Putin, fizeram com que os observadores ocidentais falassem do “ressurgir” do “urso russo”. O crescimento económico russo, à boleia do aumento do preço dos produtos energéticos, apenas lhes confirmou essa ideia.
Na realidade, o “urso” está ferido, e com gravidade: como notou há tempos Fraser Nelson, o futuro demográfico da Rússia é negro, devido aos graves problemas de abuso de de drogas e bebidas alcoólicas da sua população, e ao elevado número de pessoas contaminadas com o HIV; no plano militar, o orçamento de Defesa da Rússia correspondia a apenas 5% do americano. Por outro lado, a receita para o “milagre económico russo” poderia ser também a receita para o seu desastre: uma eventual queda do preço dos produtos energéticos seria um rude golpe para uma economia excessivamente dependente dos lucros que daí tem retirado. Para além do mais, os estados vizinhos vão-se aproximando cada vez mais dos EUA: a Polónia, a Hungria e os Estados bálticos já fazem parte da UE da NATO, e Ucrânia e Geórgia já receberam promessas de que serão admitidos.
É por isto que a Rússia ataca a Geórgia agora (e chantageia os seus vizinhos com o abastecimento energético, ou mata os opositores ao regime). Porque os seus responsáveis sabem que à medida que os anos passarem, terão cada vez menos capacidade para o fazer, e que se os seus vizinhos entrarem na NATO, nada poderão sem fazer sem arrastarem forçosamente os EUA para um conflito. Esta é, aliás, a razão pela qual a Guerra da Geórgia é perigosa, tal como um eventual conflito militar entre a Ucrânia e a Rússia também o será: a Rússia prefere que uma eventual guerra a larga escala tenha lugar agora, em vez de anos mais tarde.
Tal como a Alemanha em 1914 (a braços com o abrandamento do crescimento económico em relação ao aumento da despesa pública, o aumento dos custos da dívida pública, e o receio de ser “cercada” pelos planos militares russos e ingleses) deu o seu “cheque em branco” à Austria para atacar a Sérvia, também a Rússia deu aos separatistas um “cheque em branco” para provocar a Geórgia, pois se a Rússia “tiver” de entrar em conflito com esse país, mais vale ser agora, antes de os países ocidentais serem obrigados a auxiliá-la, do que quando a NATO “cercar” a Rússia. O que torna esta disposição russa para “correr riscos” particularmente preocupante é o facto de essa ausência de “obrigação” de auxílio de países como os EUA à Geórgia não facilitarem a sua posição. Pois tal como a Inglaterra em 1914 (que, como Asquith repetidamente insistia, por nada estava obrigada a defender a neutralidade belga do avanço das tropas alemãs) os riscos de não ir em auxílio do pequeno estado ao qual se prometeu protecção talvez sejam demasiado grandes.
Em 1914, a Inglaterra temia que a “anexação da Bélgica e da Holanda” fizesse com que a Alemanha tivesse acesso aos portos da costa do Canal, em posição de atacar as ilhas britânicas, e que a “elevada indemnização imposta à França” colocasse a Alemanha numa “posição dominante” no continente, que poderia “colocar à sua disposição” uma futura “preponderância naval” (a tradição estratégica britânica sempre procurara limitar a fraqueza das suas forças militares terrestres através de duas linhas essenciais: a primeira, como o Sir Humphrey de Yes Minister diz, “manter a Europa dividida”, para que a sua superioridade naval (a segunda) não fosse posta em causa por uma potência hegemónica que a pudesse suplantar). Hoje, dificilmente os EUA (e os países europeus) se sentirão confortáveis com um eventual domínio russo do Cáucaso, e principalmente com o controlo do oleoduto BTC, que transporta o petróleo do mar Cáspio para a Turquia (que de certeza não quer o controlo russo da Geórgia, e que é membro da NATO), e que oferece ao Ocidente uma alternativa aos oleodutos controlados pela Rússia.
Voltemos a 1914: apesar de, como disse, a Inglaterra não estar obrigada a defender a neutralidade belga, havia no seio do governo britânico a ideia de que, se perdesse o “seu bom nome”, a Inglaterra arriscava-se a “destruir” a sua “posição no mundo”. Ao não respeitar uma aliança, arriscava-se a que, no futuro, os seus aliados a imitassem, isolando-a. Ora, se é verdade que os EUA não estão “obrigados” a defender a Geórgia, não é menos verdade que a Geórgia tem várias tropas no Iraque. Se os EUA abandonarem um aliado que esteve do seu lado quando eles precisaram, todos os seus outros aliados pensaram duas vezes antes de colaborarem com a América. Países como a Polónia, ou a Ucrânia (aqueles que temem a Rússia e dos quais os EUA e a “Europa” precisam) dificilmente se sentiriam seguros se os EUA fechassem os olhos ao ataque russo à Geórgia.
A gravidade da situação reside no facto de, como escreve Anne Applebaum, tudo estar nas mãos da Rússia. Um país que entra em acção para eliminar o status quo não aceitará a sua restituição. Outra possibilidade poderia passar pela ocupação da Ossétia do Sul e da Abkhazia por forças de manutenção da paz, mas um país que age contra a Geórgia com o objectivo de impedir a sua entrada na esfera de influência do Ocidente dificilmente estará disposto a que esses mesmo países enviem tropas para a sua fronteira. A única forma de o conseguir seria apresentar esta proposta juntamente com a ameaça de que, se esta for rejeitada, os aliados da Geórgia não teriam outra alternativa senão entrar em guerra com a Rússia. O risco desta hipótese é que a Rússia pode preferir a concretização da ameaça à solução pacífica (mais uma vez, a “solução” é precisamente aquilo que se quis evitar com o ataque á Geórgia): a sua fraqueza poderá levá-la a preferir arriscar tudo agora, em vez de ficar à espera do futuro. A Rússia responderia ao bluff dos EUA. E como uma III Guerra Mundial não estará na lista de desejos de muita gente nos EUA e na Europa, o melhor será não arriscar o tal bluff: se apostarmos nele, ou o levamos até ao fim, o que resultará numa tragédia, ou ficaremos à mercê da Rússia. Mas ficar a assistir ao que a Rússia fizer na Geórgia poderia não ser garantia de nada. Os países que realmente não querem ver a Rússia com a rédea solta (Polónia, Ucrânia, República Checa, os países bálticos) e aqueles que não estiverem dispostes a ver a Rússia tomar conta das suas mais-valias geo-estratégicas (o problema da Turquia com o oleoduto BTC), podem não ser tão cautelosos como outros países mais distantes. E como eles são membros da NATO, a sua entrada numa guerra com a Rússia significaria uma de duas coisas: ou a tal “III Guerra Mundial” que se pretende evitar, ou a desintegração da NATO, e a consequente insegurança dos países europeus.
Distraída com os Jogos Olímpicos, a comunicação social não se apercebe da gravidade do que se passa na Geórgia. Iludida pela coreografia russa, a intelligentsia ocidental não percebe por que razão esta crise é tão perigosa: a percepção russa de que está a ficar cada vez mais fraca em relação aos seus “rivais” (e de que essa tendência não será invertida nos próximos tempos), faz com que esteja disposta a “agitar” o xadrez internacional, e mais grave ainda, com que qualquer tentativa de “refrear” os seus ânimos tenha poucas hipóteses de ser bem-sucedida, pois para a Rússia, precisamente porque se sente enfraquecida e a enfraquecer, o cumprimento de qualquer ameaça será preferível ser levado a cabo agora, do que ser adiado para mais tarde; por outro lado, as circunstâncias particulares deste conflito (o facto de ele envolver um aliado próximo dos EUA e afectar interesses geo-estratégicos de membros da NATO), faz com que a possibilidade de todo o Ocidente ser arrastado para uma guerra a larga escala (ou, em alternativa, ver ruir todo o seu edíficio de Defesa) não seja assim tão longíqua. Se a Rússia realmente quiser a “III Guerra Mundial” que, há anos atrás, Vasco Pulido Valente escreveu que iria decorrer da desintegração do seu império, dificilmente poderemos fugir a ela.

Ruínas do Reich

por A-24, em 14.04.13

Colocado na Alemanha em 1945-1946, um oficial norte-americano, Delbert R. Walden, tirou várias fotografias de uma nação em escombros. Inspirado pela colecção do pai, Geoff Walden criou a página «Third Reich in Ruins», que reúne um conjunto vastíssimo de edifícios emblemáticos dos tempos do nazismo, no esplendor do Reich e na ruína da derrota. Ainda que algo desorganizada e com um grafismo muito simples, é um arquivo fabuloso da arquitectura e da arte pública do nazismo. À atenção de outro apaixonado por ruínas, o meu amigo Gastão, do Ruin'Arte, de que já falei aqui. Sobre Prora, a estância de férias para 20.000 almas, imagens extraordinárias, estas à atenção do amigo José Navarro, que já escreveu sobre Prora. 

António Araújo

posters maoistas

por A-24, em 22.02.13
Há uns tempos, tivemos por cá uma riquíssima colecção de cartazes da 2ª Guerra. A Arte da Guerra, na Fundação Berardo. Mais recentemente, num outro registo, as fabulosas Vanguardas Russas, na Fundação D. Luís, em Cascais. Agora, os posters do maoismo, na Fundação Oriente, uma grandiosa exposição (até 27 de Outubro). Dois livros publicados em França, nas edições Les Echappés, complementam-se: um, da autoria de Romain Ducoulombier, mostra os cartazes do comunismo (Vive les Soviets. Un siècle d’affiches communistes); nos antípodas, Mort aux Bolchos. Un siècle d’affiches anticommunistes, de Nicolas Lebourg. Com as devidas desculpas ao amigo que me falou destes livros, confesso que acho os cartazes franceses algo pálidos e desengraçados. Para quem quiser colorido e criatividade, nada como uma selecção dos tempos da Guerra Fria: Posters of the Cold War.
Malomil














The Fate of Blacks in Nazi Germany

por A-24, em 19.02.13


DURING THE THIRD REICH, GERMANY HAD A SMALL BLACK COMMUNITY, YET RELATIVELY LITTLE IS KNOWN ABOUT THEIR LIFE IN THE NAZI ERA. DEUTSCHE WELLE TAKES A LOOK AT SURVIVAL STRATEGIES UNDER HITLER’S OPPRESSIVE REGIME.

Deutsche Welle | 10.01.2010

Between 20,000 – 25,000 blacks lived in Nazi Germany under Hitler’s rule. When asked about blacks in the Third Reich, Germans are most likely to talk about the Afrika Schau. In his book, “Hitler’s Black Victims,” American University researcher, Dr. Clarence Lusane writes that the Africa Schau was a traveling show that began in 1936. The show’s owners were Juliette Tipner, whose mother was from Liberia and her white husband, Adolph Hillerkus. The aim of their spectacle was to showcase African culture in Germany.
In 1940, the Afrika Schau was taken over by the SS and Joseph Goebbels who “were hoping that it would become useful not only for propaganda and ideological purposes but also as a way to gather all the blacks in the country under one tent,” writes Lusane. For blacks who joined the Afrika Schau, it became a means of survival in Nazi Germany.
Duke University historian, Dr. Tina Campt, whose research deals with the African Diaspora in Germany said that “it was possible that blacks who were involved in it used it for purposes that were not the intention of those who organized it. So if the Afrika Schau dehumanized people, there were ways that blacks involved in it could use it as an opportunity to make money, as a site to connect to other black people,” she told Deutsche Welle.
However, the show was unsuccessful and was shut down in 1941. Also, it could not gather all the blacks in the country under one tent possibly because it only accepted dark-skinned blacks who appealed to the stereotype of what was considered African.
The caption states: "The result! A loss of racial pride."

The fate of the “Rhineland Bastards”

Most of the light-skinned blacks living in Germany during the Third Reich were of mixed blood, and a good number of them were the children of French-African occupation soldiers and German women in the Rhineland. The existence of these children is and remains common knowledge because they were mentioned in Hitler’s book “Mein Kampf” (“My Struggle”). In Nazi Germany, the derogatory term, Rheinlandbastard (Rhineland Bastard), was used to describe them.
Deutsche Welle spoke to leading German historian Prof. Reiner Pommerin to find out what happened to these children. “I published a book in the 70s, which told the reader about the sterilization of mixed blood children. These were children who had been fathered by occupation forces – mostly French occupation forces,” he said. His book, “Sterilisierung der Rheinlandbastarde. Das Schicksal einer farbigen deutschen Minderheit 1918 – 1937″ (“Sterilization of the Rhineland Bastards: the fate of a colored German minority 1918 – 1937″) publicized the sterilization of the Black minority in Nazi Germany.
Prior to the publication of the book in 1979, this information was unknown to the public. The sterilization of biracial children was carried out secretly because it went against 1938 Nazi laws and procedures. The exact numbers remain unknown, but it is estimated that 400 children of mixed blood were sterilized – most without their knowledge, Pommerin said.

Today, the fate of the “Rhineland Bastards” still remains largely unknown. The lack of public knowledge regarding their fate may have to do with the “lack of public interest in minorities,” said Pommerin. Campt attributes it to the secrecy behind the sterilization program and the nature of the Afrika Schau. “It has to do with the status of the Afrika Schau as a spectacle. So that was set up as a visual spectacle that was supposed to get people to notice something as a display. In that way, it was really publicized in order to get people to think about,” she said.

Recognition of the black experience in Nazi Germany

According to Campt, the major difference between the experience of blacks and that of other groups in the Third Reich is the lack of a systematic Nazi extermination plan. Moreover, because of the small number of blacks living in Germany, few people are ready to recognize that there was even a population whose experience can be discussed.
Furthermore, there is little or no support in Germany for researchers working in this area. Unlike in the United States where research on minorities is well-funded due to the legacy of the Civil Rights Movement, “black German scholars who have been doing this work for years don’t necessarily get the recognition on the basis of qualifications, on the basis of whether or not they are working within a certain kind of academic scholarly structure for the study of minority cultures,” Campt said.
All the same, it should be noted that even though the publication of Pommerin’s book on the sterilization of the “Rhineland Bastards” did not generate much public interest at the time, it received some attention from a German politician. The member of the Social Democratic Party asked if he could obtain the names of the victims, so that they could be compensated.
Pommerin told Deutsche Welle that “(the politician) wanted to hand over 3,000 German marks ($2,190). I knew where they were living, but I didn’t want to bother these people because I could tell that this was more a political interest. And I could see the TV cameras standing in front of the house in the village and money is handed over. And all of a sudden the sensation is great in the village – here is someone who had been sterilized.”

Author: Chiponda Chimbelu
Editor: Rob Mudge
Source

Sugestão literária: Gulag: Uma história

por A-24, em 18.02.13
Uma obra essencial na área da História do século XX, o relato mais avalizado e abrangente deste mal soviético alguma vez publicado por um escritor ocidental. Prémio Pulitzer de 2004 na categoria de não-ficção.
O Gulag - o vasto conjunto de campos de concentração soviéticos - foi um sistema de repressão e castigo cujo mal racionalizado e cuja desumanidade institucionalizada só foram igualados pelo Holocausto.

Imediatamente reconhecido como uma obra essencial na área da História do século XX, Gulag : Uma história é uma contribuição indelével para a complexa, permanente e necessária busca da verdade.

Gulag: uma história é o relato das origens e desenvolvimento dos campos de concentração soviéticos, de Lenine a Gorbachev. Baseado em arquivos, entrevistas e novas pesquisas, este livro explica o papel que estes campos tiveram nos sistemas político e económico soviéticos e por que razão permaneceram apagados na memória da antiga união Soviética e do Ocidente. O sistema de campos de concentração soviéticos – Gulag – foi criado em 1918 após a revolução russa. Em 1929, Estaline expandiu este sistema com o objectivo de usar o trabalho forçado para acelerar a industrialização soviética. O Gulag acabou por tornar-se um país dentro de um país, com leis, costumes, literatura, folclore, gíria e moral próprios. Traduzido em mais de doze línguas, Gulag: uma história ganhou o Prémio Pulitzer de 2004 na categoria de não-ficção e o Duff-Cooper Prize britânico. Foi um dos finalistas nomeados para o National Book Award, o National Book Critics Circle Award, o LA Times Books Award e o Samuel Johnson Prize.
"O relato mais avalizado e abrangente deste mal soviético alguma vez publicado por um escritor ocidental coloca o Gulag no seu terrível lugar de direito."

Newsweek

Prémio Pulitzer 2004

Por que nos tornamos tão ricos? Aparentemente, ninguém sabe

por A-24, em 28.01.13
Ludwig Von Mises

Ao longo de toda a história humana, de tempos em tempos, um grupo que até então não usufruía nenhuma vantagem específica sobre nenhum outro grupo repentinamente dá um salto para a frente e passa a se sobressair em relação a todos os demais. Ninguém sabe por que isso acontece ou como isso acontece. Mas o fato é que acontece.
No final do século XVII, a Escócia era conhecida apenas pelos rigores de seu clima, por sua paisagem e por sua teologia calvinista. A produção de algodão vinha ocorrendo há séculos, mas a Escócia continuava sendo um país atrasado. E então, sem nenhum aviso, os escoceses começaram a dominar o pensamento europeu. Adam Smith chegou atrasado nesse processo. Antes dele houve Francis Hutcheson. Houve Lord Kames na área do direito. Houve o poderoso intelecto de David Hume. Houve Adam Ferguson na teoria social. O pensamento social nas ilhas britânicas e na América do Norte passou ter uma orientação crescentemente escocesa.
E então, no século XIX, os escoceses começaram a dominar a indústria. Começou com James Watt e sua máquina a vapor. Isso foi expandido, nos anos 1820, para uma nova invenção: as ferrovias com locomotivas a vapor. E então vieram as estradas macadamizadas, assim chamadas em homenagem ao engenheiro escocês John Loudon McAdam. Depois surgiram as ceifadeiras, criadas por Cyrus McCormick, e as siderúrgicas, criadas por Andrew Carnegie. Ambos eram escoceses que viviam nos EUA. Mais tarde, no início do século XX, os escoceses foram substituídos pelos judeus.