Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A-24

Lithuania Offers Example of How to Break Russia’s Grip on Energy

por A-24, em 31.10.14
NY Times


KLAIPEDA, Lithuania — The vast ship that eased into this misty seaport early on Monday was hailed by American and European officials as the strongest signal that the stranglehold Russia has on the Baltics and their energy needs can be broken.
The vessel, the Independence, is a floating factory for converting liquefiednatural gas into the burnable variety. It represents a direct challenge to the Russian way of doing business as many other countries in the European Union have dithered over how to deal with President Vladimir V. Putin and his attempts to reassert Russian influence over parts of the former Soviet empire like Ukraine.
The floating natural gas terminal Independence arriving in Klaipeda, Lithuania, on Monday.
“We are now an energy-secure state,” Dalia Grybauskaite, the Lithuanian president, said at a ceremony that featured martial touches like a naval brass band, red flares and a cannon salute. “Nobody else from now on will be able to dictate to us the price of gas, or to buy our political will, or to bribe our politicians.”
“If we don’t like it, we can drop it fully and totally,” Ms. Grybauskaite said, referring to a possible severing of relations with Gazprom, the government-controlled Russian gas exporter, which supplies all of Lithuania’s gas.
For Lithuania, which is just slightly larger than West Virginia, the floating terminal — a faster and generally cheaper option than building a terminal on land — is a big step toward energy independence from Russia. Europe has long declared such independence to be its goal, but has done little to achieve it. That makes Lithuania’s efforts to break free of Gazprom a significant example of how even countries that are bound by geography and history to Russia’s energy behemoth can find alternatives.

“This was done because the government of Lithuania wanted to make this happen,” Amos J. Hochstein, acting special envoy for international energy affairs at the State Department, told a gas conference here on Monday. “This needs to be the inspiration for the rest of Europe,” said Mr. Hochstein, who urged the European Union to approve a short list of strategic infrastructure projects intended to improve its energy security.
The American focus on the issue began in late 2008, when the government contributed more than $800,000 to Lithuania to help develop technical specifications for a liquefied natural gas terminal to provide “increased flexibility and competition” for the country.

The Lithuanian government gave final approval for the project in 2010.
Ms. Grybauskaite, who previously said that local companies and lawmakers with links to Gazprom and other Russian businesses meddled in the liquefied natural gas project, said on Monday that more energy independence could have been achieved sooner had there been greater political will in Lithuania.
Lithuanian officials say they had already pushed Russia into bargaining — something it has long resisted — when Gazprom cut its gas prices by about 20 percent in May.
“Consumers are already feeling lower prices of gas” as “a natural outcome of our terminal construction,” Rokas Masiulis, the Lithuanian energy minister, told reporters on Monday. The price that Lithuania was paying for liquefied natural gas was in “a very similar range” to the lower Gazprom price, he said.
The first shipment of liquefied natural gas, set to arrive on Tuesday from the Norwegian company Statoil, is equivalent to 60 million cubic meters of natural gas. Further shipments from Statoil should reach the equivalent of 540 million cubic meters annually in the next five years. That is a fifth of Lithuania’s needs.
Lithuania says the terminal, the only operation of its kind in the region, could become a beachhead to supply most of the needs of the other two Baltic states, Latvia and Estonia, which also rely on Russia for gas.
Even so, the company managing the project, Klaipedos Nafta, the state-controlled oil terminal operator, has not yet sold the majority of the liquefied natural gas terminal’s capacity — one of the factors that raise the important question of whether the terminal makes economic as well as political sense.
“Next year will show very real interest for the terminal,” said Mr. Masiulis, the energy minister.
Another challenge for the project would be if Gazprom dropped prices to Lithuania to the point that running the terminal became uneconomical.
Gazprom shrugged off the arrival of the vessel.
“If Lithuanian consumers are willing to pay more to reduce their dependence, it’s their business,” a spokesman, Sergei Kupriyanov, said by email.
The vessel was built in South Korea for the Norwegian company Hoegh, which is leasing it to Klaipedos Nafta under an arrangement that gives the Lithuanians the right to buy it after a decade.
Lithuania is spending 448 million euros, or $568 million, for construction, maintenance and a 10-year lease on the floating terminal, including financing for state-backed loans, said Mantas Bartuska, the chief executive of Klaipedos Nafta.
The vessel, which is three soccer fields in length and formally known as a floating gas storage and regasification unit, could not have been more timely for Lithuanians. The country of about three million people was the first former Soviet republic to reclaim its political independence. This year, Lithuania received approval to join the eurozone on Jan. 1, 2015. But it has waited 25 years to regain some control over its energy, which is a major expense for Lithuanian households and businesses.
In the past, Lithuania paid more than its Baltic neighbors for Russian gas. Lithuania also says it feels more exposed than Latvia, which has gas storage facilities, and Estonia, which has shale oil resources. Gazprom had an ownership stake in Lithuania’s natural gas distribution network until this summer and part of Lithuania’s electrical infrastructure is still controlled from Moscow.
Before the arrival of the vessel, Lithuanian commentators warned of the potential for Russian sabotage, and parts of the port were locked down Monday for its arrival. Linas Linkevicius, the Lithuanian foreign minister, suggested on his Twitter account on Oct. 19 that reports of a lost submarine in Swedish waters represented a “weird coincidence” when the liquefied natural gas vessel was crossing the Baltic Sea.
Lithuanians continue to complain that the West has underestimated the dangers posed by Russia, which has an enclave in Kaliningrad, on the border with Lithuania, where Russia keeps a naval base.
For analysts like Jonathan Stern of the Oxford Institute for Energy Studies, the project comes at the right time for Lithuania, partly because liquefied natural gas prices are expected to ease over the next two years.
“One of the most interesting questions is when the long-term contracts run out in Lithuania next year,” Mr. Stern said, referring to Gazprom’s sales agreements. “Will the Lithuanians say they do not want to extend the contracts” because it is “geopolitically unacceptable to depend on Russian gas at all?”

No Báltico, as feridas abertas de um passado que não passa

por A-24, em 04.09.14
Esther Mucznik

“A União Europeia será talvez uma resposta à história, mas nunca poderá substitui-la”, escreveu Tony Judt. O que por vezes temos tendência a esquecer.



“Museu das Vítimas dos Genocídios”, este é o nome do imponente edifício que em Vilnius, capital da Lituânia, pretende mostrar ao público a história das ocupações soviética e nazi. O edifício construído no final do século XIX reflecte a história conturbada do país e da cidade: província do império russo até 1914, Vilnius foi ocupada pela Alemanha durante a Primeira Grande Guerra e em seguida pela Polónia até 1939. Em 1940-1941, ao abrigo do pacto Ribbentrop-Molotov, a União Soviética entra na cidade e o edifício do actual museu foi quartel-general da NKVD – a polícia política soviética – e prisão dos recalcitrantes.

Com a invasão nazi, no verão de 1941, o edifício torna-se sede da Gestapo e doSonderkommando A – esquadrão de extermínio, que com o apoio de letões e lituanos, levou a cabo até 1944 o assassinato da quase totalidade dos 250 mil judeus da Lituânia, assim como de ciganos, resistentes nacionalistas e comunistas. E finalmente, entre 1945 e 1991, durante a longa ocupação soviética, o edifício torna-se de novo sede da polícia política comunista, rebaptizada em 1952 com o nome de KGB, local de interrogatório, tortura, prisão e execução.
Com uma história assim, o que nos conta hoje o Museu? Foi o que fomos ver neste verão de 2014, no decorrer de mais um “Seminário sobre Rodas”, viagem de estudo organizada pela Memoshoá – Associação Memória e Ensino do Holocausto, que desde há cinco anos percorre a Europa nos “passos” da Shoá com professores do ensino básico e secundário.
A maior parte dos três imensos andares do edifício é preenchida por aquilo que foi a prisão do NKVD-KGB. A guia, uma mulher jovem, conduz-nos demoradamente pelos meandros da prisão, as suas alas de interrogatório e tortura, celas e local de execução dos prisioneiros… Mas no decorrer da visita guiada apercebemo-nos da existência, sem qualquer menção nem paragem por parte da guia, de uma pequena cela com uma estrela de David ao fundo. Trata-se de um espaço exíguo onde o nosso grupo de 27 pessoas não cabe todo ao mesmo tempo, o único dedicado ao período nazi em todo o museu. Questionada, a guia remete para o final a visita ao referido espaço. Na verdade, esta não terá lugar: sob pretexto de que “somos especialistas” e que não precisamos dela, abandona-nos precipitadamente. Parece-nos evidente que não está preparada para nos falar do nazismo e sobretudo das vítimas judias…
O Museu das Vitimas do Genocídios conta bem a história de quase meio século de ocupação soviética: os documentos, as fotos e testemunhos são abundantes, esclarecedores e constituem uma clara condenação do regime comunista. Conta-nos também o combate pela independência da Lituânia e a resistência nacional e popular anti-soviética ao longo de todo esse período histórico. Mas a história da ocupação nazi é-nos praticamente ocultada. A narrativa do Museu é clara: sim, fomos ocupados pelos nazis entre 1941 e 1944, mas o verdadeiro sofrimento, aquele que tem de ser contado, narrado e nunca esquecido, é o meio-século de ocupação soviética. Esta é a narrativa que encontrámos com pequenas diferenças e algumas (poucas) excepções nos três países do Báltico: Lituânia, Letónia e Estónia. Os grandes museus nacionais evocam o sofrimento das populações sob o regime soviético, calando ou minimizando o massacre dos seus cidadãos judeus.
É compreensível? Em parte sim. Independentes entre 1920 e 1939, os três países ocupados pela URSS em 1939/1940, ao abrigo do Pacto Molotov-Ribbentrop, acolhem os nazis em 1941 como libertadores e muitos colaboram no extermínio dos judeus, ciganos e quadros comunistas. E em 1944-45, quando finalmente aguardam pelo restabelecimento da independência nacional, são de novo ocupados pelo poder soviético e desta vez até à sua derrocada, em 1991. São pois décadas de esperanças frustradas, de repressão, de deportações para os goulags siberianos. Por outro lado, nestes países ferozmente nacionalistas, as minorias étnicas ou religiosas não “são parte”, são os “outros”: a cultura define a nacionalidade, herança do império russo. Presentes desde o século XIV na Lituânia, na Letónia no século XVI e no século XVIII na Estónia, os judeus são considerados uma minoria nacional não autóctone, com as consequências óbvias em termos de marginalização social.
Mas vinte e três anos depois da libertação, é tempo de reconhecer que a história dos países do Báltico não é apenas uma longa e heróica luta pela independência. É também uma história de quatro anos de colaboração com o nazismo no extermínio praticamente total de uma parte significativa da sua população. Nas valas comuns das florestas de Ponary, em Vilnius, de Rumbula e de Bikernieki, perto de Riga ou de Klooga em Tallinn, jazem as cinzas dos cerca de meio milhão de judeus das comunidades dizimadas entre Julho e Dezembro de 1941, pelos Einsatzgruppen que acompanham o exército nazi na Operação Barbarossa. Em Janeiro de 1942, na conferência de Wahnsee, os três países do Báltico já são considerados praticamente judenrein – “limpos” de judeus. A brutalidade da matança coincide muito provavelmente com a decisão de Hitler nesse Outono de 1941 de levar a cabo o que hoje chamamos de Holocausto: o extermínio total do povo judeu.
Nas imensas e belíssimas florestas do Báltico que percorremos, pequenos e simbólicos memoriais erguidos perto das valas comuns por alguns sobreviventes, ou seus descendentes imigrados, financiados na sua maioria por entidades judaicas e doadores americanos, lembram um genocídio que liquidou perto de 100% de comunidades com uma vivência cultural única no mundo judaico. Os três países têm em comum uma intensa vida religiosa nos séculos XVIII e XIX à qual sucede uma vivência politica e cultural marcada pela secularização: desenvolvimento do movimento operário e dos movimentos sionistas, crescimento de uma imprensa, literatura e ensino em Iídiche e hebraico. Na viragem do século, Vilna, em russo, Vilno, em polaco, Vilnius em Lituano e Vilné em Iídiche, é o centro de todos os movimentos que suscitam uma transformação radical da vida judaica. A sua situação geográfica explica este papel chave. Considerada a “Jerusalém da Lituânia”, é um ponto de confluência entre o Ocidente e Oriente europeus, onde as correntes de vanguarda encontravam eco numa intelectualidade muito receptiva e preparada.
Na véspera da II Guerra, as cidades do Báltico partilham assim uma brilhante cultura judaica e universal com um forte tecido associativo, cultual e cultural. Tudo isto será destruído pelo genocídio nazi. No final dos anos 1990 viviam apenas no conjunto dos países bálticos independentes, 25.000 judeus e os vestígios do seu brilhante passado praticamente desaparecidos. Hoje, pelo que pudemos apurar, serão ao todo entre quinze a dezassete mil a lutar pela sobrevivência das suas comunidades.
O poeta de língua Idiche, Abraham Sutzkever, escreveu: “E se na minha cidade não restarem mais nenhuns judeus, as suas almas continuarão a habitar as suas ruelas sinuosas”. Mas mesmo as almas precisam de espaço na memória dos povos. Vilnius, Riga, Tallinn, cidades que procuram sarar as feridas de uma longa e recente ocupação, talvez ainda não sejam capazes, mas o que elas nos demonstram é que a memória europeia não é simétrica no leste e no ocidente europeu. “A União Europeia será talvez uma resposta à história, mas nunca poderá substitui-la”, escreveu Tony Judt. O que por vezes temos tendência a esquecer.

Países onde o símbolo do Comunismo é proibido

por A-24, em 27.08.13
Ao menos na maioria dos países civilizados, ninguém sairia às ruas com camisetas ostentando a suástica, sob risco de estar cometendo crime. Entretanto, não apenas o símbolo do nacional-socialismo de Hitler foi banido mundo afora, mas também o do comunismo, o qual já matou mais de 100 milhões de pessoas.

Vejamos alguns países onde é crime utilizar a foice e o martelo cruzados ou a estrela vermelha, símbolos do comunismo e do socialismo.

Polônia - Na Polônia não é mais possível os jovens andarem com camisetas de Che Guevara, pois em 8 de junho de 2010 entrou em vigor a lei que proíbe a exibição dos símbolos comunistas. O país foi um dos que mais sofreu com o Comunismo. Os historiadores Andrzej Paczkowski e Karel Bartosek afirmam que entre 1948 e 1956, a etapa mais dura da repressão comunista, dezenas de milhar de pessoas perderam a vida, foram presas, enviadas a campos de trabalho, ou para a URSS. A Polônia recuperou sua independência no ano de 1991.
Lituânia - Em 2008 a antiga república soviética da Lituânia, hoje membro da União Europeia, criminalizou a exibição pública de símbolos comunistas e nazistas. Em 1939, a Lituânia foi vítima do pacto Molotov-Ribbentrop, entre a Rússia Soviética e a Alemanha nazista, levando a ocupação e sua incorporação à União Soviética em 1940. A Lituânia perdeu 780.000 cidadãos como resultado da ocupação comunista, incluindo 275,697 deportados ou condenados aos gulags. O país restaurou a sua independência em 11 de Março de 1990.
Geórgia - O parlamento da Geórgia baniu em 2011 o uso de símbolos nazistas e comunistas no país. Durante o domínio soviético, 1500 igrejas foram destruídas, milhares de inocentes foram mortos na Geórgia ou enviadas para os gulags, onde a maioria morreu. Entre essas pessoas estavam notáveis representantes da cultura georgiana, como o escritor M. Javakhishvili, os poetas T. Tabidze e P. Iashvili e o cientista-filólogo Gr. Tsereteli. A independência da Geórgia foi proclamada em 9 de abril de 1991, porém a data nacional é 26 de maio, quando foi eleito o primeiro presidente.
Moldávia - A Moldávia condenou em 2012 os crimes do regime que governou o país na época em que o território fazia parte da URSS e proibiu o uso de símbolos do comunismo. Em 1991 a Moldávia tornou-se um Estado independente, o que desencadeou conflitos militares. Na primeira metade, em 1992, fizeram 1000 mortos e 130.000 deslocados e refugiados, envolvendo as tropas russas que intervieram sob o pretexto de estarem a proteger a minoria russa. No ano seguinte, os moldavos recusam a proposta de reunificação com a Romênia.

Fontes: 

http://www.communistcrimes.org/pt/Banco-de-Dados/Lituania/Introducao
http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/parlamento-da-moldavia-proibe-foice-e-martelo-de-comunistas
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_Ge%C3%B3rgia
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/georgia/historia-da-georgia.php
http://imigrantes.no.sapo.pt/page2moldavia.html
http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=3621:-proibem-simbologia-comunista-na-polonia-&catid=99:batalha-de-ideias&Itemid=113
http://port.pravda.ru/mundo/19-06-2008/23289-simboloscom-0/
http://advivo.com.br/blog/luisnassif/proibicao-de-simbolos-nazistas-e-comunistas-na-georgia
http://gladio.blogspot.com.br/2010/06/proibicao-de-propaganda-e-imagens.html

in Marxismo-Cultural

Apátridas russos com problemas de identidade

por A-24, em 18.05.13
Herança da independência do país depois do fim da ex-URSS, o estatuto da minoria russófona continua a dividir a sociedade. Após o fracasso do referendo sobre o emprego da língua russa, debate-se hoje a questão da cidadania.

Tomas Ancytis

É impossível acusar Vladimir Linderman de falta de ideias ou de entusiasmo. É ele quem, há pouco, incendiou os ânimos com a sua ideia de referendo para a legalização da língua russa como segunda língua oficial da Letónia. O fracasso do referendo não surpreendeu ninguém. No centro das suas atuais preocupações encontram-se agora aqueles a quem se chama não cidadãos.
É de sua vontade que estes “aliens”, maioritariamente pessoas de nacionalidade russa, sem cidadania letã, ou qualquer outra, pudessem obter automaticamente um passaporte letão. [A Letónia distingue cidadania e nacionalidade. A cidadania marca a pertença a um país e a nacionalidade é determinada segundo critérios étnicos].
O Kremlin não fica indiferente à situação, digamos, deplorável dos russófonos apátridas, mas a maioria destes não cidadãos tem mais tendência para não querer alterar nada.
Nascer na família errada
Marina Afanasenko, 51 anos, é varredora de ruas. Entre os detritos, há pedaços de cartazes eleitorais que recordam o facto de Riga se preparar para eleições autárquicas [a 1 de junho]. Mas, para Marina Afanasenko, estes pedaços de papel não passam de lixo. Porque esta mulher não tem direito de voto.
“Eu e o meu marido achamos as campanhas eleitorais um enorme showtelevisivo. Todas as noites, em frente à televisão, vemos quem foi eleito, vemos quem entrou para a coligação. Mas há 20 anos que não participamos neste processo”, suspira Marina.
Esta mulher é um dos 300 mil não cidadãos. “E tudo porque não nasci na família certa”, explica. Os pais, russos, emigraram para a Lituânia ocupada pelos soviéticos em 1947 e 1952. Quando foi restaurada a independência, só as pessoas que eram cidadãs letãs antes de 17 de junho de 1940, data da ocupação soviética, é que viram reconhecida a sua cidadania. Esta lei aplica-se automaticamente aos seus descendentes.
“Consigo perceber que os meus pais, imigrantes neste país, não pudessem ter a cidadania, mas eu e os meus filhos nascemos na Letónia. Não temos culpa do que se passou antes de nascermos”, afirma Marina Afanasenko.
Para obter a cidadania, é necessário fazer um exame escrito de Língua e História. Mesmo que Marina aprendesse letão, haveria um outro problema. Ela não conseguiria reconhecer que a ex-União Soviética tinha ocupado a Letónia. Esta seria a resposta correta no teste de História. “Realmente acho que não houve ocupação. A Letónia aderiu voluntariamente à ex-União Soviética. Por que motivo me obrigam a mentir?”, afirma.
Um parlamento para os não cidadãos
Kristine é uma jovem russófona, pelos seus trinta anos e de cabelo preto. Ao contrário de Marina, pouco se preocupa em saber se houve, ou não houve ocupação. Acaba de sair das instalações da Delegação letã para a naturalização onde passou no teste de História.
“Consegui!”, exulta a jovem mulher. Dentro de três ou quatro meses, voltará para trocar o seu passaporte violeta de apátrida pelo passaporte azul letão. Mas Kristine não está interessada na cor do passaporte. “Acho que em breve vou para a Grã-Bretanha e, como cidadã letã, já não vou encontrar obstáculos.” É o retrato perfeito de um não cidadão que passa neste exame, na Letónia.
“Os pedidos de naturalização vão aumentando à medida que as vantagens de uma cidadania letã vão surgindo. Por exemplo, em 2005 [um ano após a adesão à UE], houve cerca de 20 mil não cidadãos a pedir a naturalização. Três anos mais tarde, quando a Comunidade de Estados Independentes e, mais tarde, a Rússia garantiram aos não cidadãos a isenção de visto, o número de pedidos caiu bastante”, explica o responsável pela Delegação letã para a naturalização. Nestes últimos anos, houve pouco mais de duas mil pessoas a naturalizar-se anualmente.
Uma das novas ideias dos grupos de apoio aos não cidadãos: eleições alternativas. “O Congresso dos Não Cidadãos” conta organizá-las, a partir deste ano, para os letões elegerem os seus representantes locais. O objetivo deste movimento é criar um parlamento que possa ocupar-se dos direitos dos não cidadãos.
“Seja qual for o cidadão da UE que viva na Letónia há menos de um ano, esse cidadão pode votar e ser eleito. E eu não posso, apesar de ter nascido aqui e de ter vivido aqui toda a vida”, afirma Vladimir Linderman.
É difícil acreditar que este homem com um ar tão simpático e a falar perfeitamente letão tenha sido o mesmo que ameaçou implodir-se do alto da torre da Igreja de São Pedro, em 2001, por ocasião do processo dos bolcheviques russos na Letónia.
“Decidi pedir a cidadania russa”, acrescenta. “A Rússia oferece a reforma a partir dos 55 anos, ao passo que aqui na Letónia temos de esperar até aos 65”, acrescenta Marina. Há uma questão que persiste: estará a Rússia preparada para a receber?
Press Europe

A nova Cortina de Ferro

por A-24, em 29.10.12
Na época soviética, a Lituânia e a Bielorrússia faziam parte da URSS e muitas aldeias amontoavam-se em cima de uma fronteira que só existia no papel. Hoje, ir ao outro lado tornou-se um pesadelo.


Há vinte anos, a Lituânia e a Bielorrússia pertenciam à União Soviética. Os dois vizinhos estavam separados apenas formalmente, por uma linha traçada num mapa. Hoje, uma cerca marca a fronteira, uma espécie de nova cortina de ferro erigida após a queda do comunismo. Enquanto a Lituânia se tornou membro da NATO, da União Europeia e pertence ao espaço Schengen, o regime autocrático de Alexander Lukachenko reina na Bielorrússia.
Essa cerca de arame, encimada por rolos de arame farpado, não divide unicamente os dois países, mas também uma aldeia. A parte lituana de um lado, conhecida pelo seu restaurado castelo do século XVI e pelo seu festival de música Be2gether, chama-se Norviliskes; a parte bielorrussa do outro, Piackunai. Algumas famílias ficaram separadas, outras estão longe dos seus vizinhos de sempre, da igreja, do cemitério.
“A minha tia mora do outro lado da fronteira. Falamos através da cerca. Nem lituanos nem bielorrussos o proíbem. Só precisamos da ajuda dos vizinhos para combinar a hora”, conta Stanislaw Alencenowiczius, cuja casa marca o fim do território lituano. A fronteira passa exatamente no meio do seu campo de batatas.
Apesar de as duas aldeias distarem apenas alguns passos uma da outra, do outro lado da fronteira entramos num outro mundo. A noroeste do terreno de Stanislaw Alencenowoczius, distingue-se entre as árvores o branco castelo de Norviliskes. A Leste, há apenas casebres de madeira abandonados, alinhados atrás da cerca de arame.

“Por que hei de desrespeitar a lei?” 

Outrora, este homem nascido na Lituânia, costumava receber a visita dos seus parentes da Bielorrússia e ele próprio ia visitá-los frequentemente. Hoje, para ir a casa da tia, com quem pode conversar em voz alta, tem de fazer 40 quilómetros até à cidade de Salcininkai para conseguir um visto no centro cultural bielorrusso, antes de se dirigir ao posto fronteiriço. A estrada que passa em frente da casa de Stanislaw Alencenowiczius acaba numa porta fechada a chave. A alguns passos da fronteira, do lado lituano, não há sinais de vida na guarita de metal verde.
Do outro lado, não há um único bielorrusso em funções. Mas não nos deixemos enganar: é proibido atirar objetos de um lado para o outro da fronteira ou tentar passar por cima da cerca. Mal começámos a caminhar ao longo do muro, apareceu um miniautocarro verde escuro sem qualquer identificação. Parou durante alguns minutos e depois foi-se embora tão discretamente como tinha chegado.
Em Norviliskes, a fronteira separou Leokadija Gordiewicz do marido e das duas irmãs. Uma, mora em Piackunai, apenas a 500 metros dali. A sua colega de escola também ali se instalou, mas é impossível manter aquela relação. As mulheres nem sequer se comunicam através da vedação. “Por que hei de desrespeitar a lei?”
Casada na época soviética, primeiro, viveu com o marido na Lituânia. Depois, ele arranjou trabalho na Bielorrússia, conseguiu um passaporte bielorrusso e decidiu ficar do outro lado da fronteira, em Asmena. A nossa interlocutora nunca visita os seus parentes. Uma viagem até Salcininkai e um visto anual custam 600 litas [174 euros]. Ela não pode dispor desse dinheiro.

“Aqui começa a Europa” 

Quando se lhe pergunta quando foi a última vez que esteve com o marido, Leokadija Gordiewicz põe-se a fazer contas de cabeça. Já foi há uns anos, mas ela não se lembra exatamente há quanto. “Gostava de me divorciar, mas é muito caro”, diz a rir. Encara todas as perguntas com humor, mas dificilmente esconde o sofrimento com que responde, quer seja por causa desta vida separada quer por causa das suas dificuldades financeiras.
A meio da conversa, um miniautocarro passa a caminho do castelo de Norviliskes. Segundo Leokadija Gordiewicz, ao fim de semana, não faltam visitantes. “Os carros são tão bonitos. No entanto, toda a gente diz que vivemos mal. Mas de onde veem eles? Da Bielorrússia.” Ela não tem dúvidas, aqueles carros são comprados graças ao dinheiro ganho vendendo cigarros e gasolina mais baratos [vindos de contrabando da Bielorrússia].
Numa outra aldeia, Sakaline, igualmente dividida, a visão é a mesma. As casas lituanas estão pintadas de cores diferentes, nos jardins, os canteiros de flores estão bem tratados, as hortas cuidadas e os ramos das macieiras vergam sob o peso dos frutos. Do outro lado da fronteira todas as casas estão abandonadas. Mas, perto da guarita verde do posto fronteiriço, encontramos um todo-o-terreno e um guarda fronteiriço de serviço. Aqui, é preciso vigiar, caso contrário, voam os pacotes de cigarros.
“Aqui começa a Europa”, afirma orgulhosamente Ceslava Marcinkevic, chefe do cantão de Dieveniskes, a pequena cidade deste pedaço de terra lituana na Bielorrússia, a uma hora de carro de Vilnius, na Lituânia. “Mas também acaba aqui, porque, a toda a volta, há apenas uma cerca de arame que separa Estados e famílias. As pessoas não se podem visitar umas às outras. As possibilidades existem, mas custam tempo e dinheiro.” Este pequeno território, o enclave de Dievenikes, estende-se ao longo de cerca de 30 quilómetros dentro de território bielorrusso.





O cachimbo de Estaline 

Em 1939, quando as fronteiras da Lituânia foram redesenhadas no Kremlin depois do território de Vilnius ter sido devolvido à Lituânia, o cachimbo de Estaline estava pousado em cima do mapa, ninguém se atreveu a desviá-lo, contornaram-no. É esta a lenda que os habitantes daquelas terras gostam de contar com um sorriso dissimulado.
A história verdadeira não é assim tão trepidante. Em cem anos o traçado da fronteira mudou, pelo menos, cinco vezes. Os habitantes mais velhos da região divertem-se a contar que, sem terem de mudar de casa, conseguiram viver em três Estados diferentes, a Polónia, a União Soviética e, depois, a Lituânia ou a Bielorrússia. O território de Vilnius pertenceu à Polónia durante quase todo o período entre as duas guerras. O exército vermelho ocupou-o em 1939, mas a fronteira só foi traçada em 1940, quando a URSS já era dona e senhora da Lituânia.
Quando os dois países reconquistaram a independência, a fronteira interna tornou-se o limite entre os dois Estados e visitar os vizinhos era possível sem muitas restrições. Os bielorrussos podiam ir à Lituânia rezar e entregarem-se ao recolhimento, no cemitério, junto dos túmulos dos seus parentes próximos.
Mas com a adesão da Lituânia à União Europeia, a fronteira com a Bielorrússia, que se estende por 677 quilómetros, tornou-se a fronteira externa da União Europeia e, a seguir, a fronteira do espaço Schengen, daí a necessidade de a vigiar ainda mais contra o contrabando e a imigração ilegal. O visto que antes custava cinco euros custa agora 60. Para entrarem na Lituânia, os bielorrussos que vivem ali mesmo ao lado da fronteira têm de ir ao consulado de Grodno, a mais de 100 quilómetros, entrarem na fila, voltarem mais uma vez para irem levantar o visto, passar a fronteira e, finalmente, chegarem a Norviliskes, que é mesmo ali, do outro lado. Ir visitar a família que vive a umas centenas de metros é mais complicado do que ir passar o fim de semana a Londres ou a Paris.

Portugueses não se sentem ligados a outros países

por A-24, em 02.04.11
Ser um país de emigrantes e de imigrantes parece ser vivido pelos portugueses como uma imposição, sem reflexos nos afectos. É, pelo menos, o que sugerem os resultados do Eurobarómetro "Os Novos Europeus", divulgado ontem. Apenas 37 por cento dos portugueses inquiridos afirmam sentir alguma relação com outro país.
Esta percentagem faz com que Portugal esteja entre os oito países mais ensimesmados, que são encabeçados pela Itália. Pelo contrário, no Luxemburgo, 82 por cento dizem sentir uma relação próximo com outro ou outros países. A seguir vem a Suécia (82 por cento). A média na UE é de 51 por cento. Entre os portugueses que dizem ter afinidades com outro país, a França é o mais referenciado (13 por cento), seguido por um anónimo "outros", que recolhe 11 por cento das pre- ferências, e a Espanha com 10 por cento. A Alemanha, onde Portugal tem uma forte comunidade, é referida por apenas três por cento.
Em média existem três razões principais na base da afinidade com outro Estado: ser um local habitual de férias ou de fins-de-semana, ter aí amigos e/ou familiares. Os portugueses estão em sétimo lugar quanto a esta última razão, que é apresentada por 39 por cento dos inquiridos. Já no que respeita às férias ,apenas quatro por cento o referem. Na Holanda são 65 por cento. Entre aqueles que menos dizem ter amigos ou familiares fora figuram Itália, França e Hungria.
As entrevistas foram realizadas no ano passado, já em plena crise. Mesmo assim, a esmagadora maioria dos inquiridos portugueses (86 por cento) afastou a hipótese de vir a emigrar nos próximos 10 anos. Na UE, esta opção é assumida por 66 por cento. Apenas 11 por cento dão como "totalmente provável" a hipótese de partirem para outro país. É na Letónia, na Lituânia e no Luxemburgo que se encontra a maior percentagem de candidatos.
Do inquérito resulta também a cons- tatação de que a mobilidade ainda é mais um conceito do que uma prática: só 13 por cento dos inquiridos admitem sentir ligação a outro país por terem trabalhado lá e oito por cento por aí terem estudado. Para a grande maioria, "o mais importante elemento da identidade nacional" é o de ter nascido no país a que pertence. Em média este é o aspecto privilegiado por 49 por cento. Em Portugal foi referido por 69 por cento dos inquiridos.
Por comparação a 2009, isto significa, segundo os autores do estudo, que os europeus estão a privi- legiar enfoques mais concretos em detrimento de conceitos mais subjectivos.