Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A-24

O petróleo como arma geopolítica

por A-24, em 19.11.14
João Marques de Almeida


A descoberta do “petróleo de xisto” nos Estados Unidos constitui uma das transformações geopolíticas mais relevantes dos últimos anos e terá repercussões enormes na política mundial.
O preço do petróleo está nos 80 dólares (mais precisamente nos 83). Eis um dos acontecimentos mais relevantes da política mundial. Há poucos meses custava cerca de 120 dólares. A redução do preço resulta de uma maior produção, desde o “petróleo de xisto” nos Estados Unidos até ao “pré-sal” no Brasil e em Angola. Mas também de uma menor procura, como resultado da crise económica, tanto nos países desenvolvidos como nas economias emergentes.
Petróleo de Xisto
A descoberta do “petróleo de xisto” nos Estados Unidos constitui uma das transformações geopolíticas mais relevantes dos últimos anos e terá repercussões enormes na política mundial. Os Estados Unidos tornaram-se independentes energeticamente e a partir do próximo ano tornar-se-ão exportadores de petróleo. Apesar das fraquezas conjunturais, a prazo os Estados Unidos serão mais poderosos. Como disse um famoso historiador norte-americano, “os Estados Unidos não só nasceram em liberdade mas também com sorte”. E a sorte continua. Além disso, ao contrário de muitos países, nos EUA a descoberta de petróleo não provoca corrupção. Desenvolve novas tecnologias, novas empresas e cria empregos.
O petróleo de xisto serve igualmente como uma arma geopolítica. E Washington já começou a utilizá-la. O Financial Times deste fim de semana publicou um artigo sobre o preço do petróleo com dados interessantes. Para a Venezuela manter as finanças públicas equilibradas – e estamos a falar de uma país que não tem acesso ao financiamento dos mercados internacionais – e não incorrer em bancarrota, o preço do petróleo deverá ser 160 dólares o barril. Para o Irão, seria 130 dólares. E para a Rússia, seria 110 dólares. Isto significa que a manter-se o actual preço de 80 dólares, o futuro destes três países não será brilhante.
Em particular, para a Rússia, a situação pode tornar-se dramática. Como resultado das sanções económicas, os seus bancos deixaram de ter acesso aos mercados, o que torna cada vez mais difícil o crédito às empresas e aos consumidores, afectando gravemente a economia russa. Preocupado com a situação económica, Putin não recorreu, pelo menos por agora, à arma do gás, tendo assinado um acordo com a Ucrânia. Com uma dívida elevada, a Gazprom precisa de vender gás à Europa; e a China não é a melhor alternativa porque, aproveitando as dificuldades da Rússia, impôs um preço do gás inferior ao praticado com a Europa.
Ao mesmo tempo, a maioria das empresas norte americanas produtoras de petróleo de xisto, para ter lucro, precisa de um preço do barril de petróleo entre os 40 e os 60 dólares. Ou seja, os Estados Unidos enfraquecem os seus adversários externos sem prejudicarem a sua economia. A outra boa notícia refere-se à transferência de riqueza e de recursos financeiros dos produtores para os consumidores de petróleo. Ou seja, num país como Portugal, todos nós. Um bom exemplo de alinhamento dos interesses transatlânticos.

Lithuania Offers Example of How to Break Russia’s Grip on Energy

por A-24, em 31.10.14
NY Times


KLAIPEDA, Lithuania — The vast ship that eased into this misty seaport early on Monday was hailed by American and European officials as the strongest signal that the stranglehold Russia has on the Baltics and their energy needs can be broken.
The vessel, the Independence, is a floating factory for converting liquefiednatural gas into the burnable variety. It represents a direct challenge to the Russian way of doing business as many other countries in the European Union have dithered over how to deal with President Vladimir V. Putin and his attempts to reassert Russian influence over parts of the former Soviet empire like Ukraine.
The floating natural gas terminal Independence arriving in Klaipeda, Lithuania, on Monday.
“We are now an energy-secure state,” Dalia Grybauskaite, the Lithuanian president, said at a ceremony that featured martial touches like a naval brass band, red flares and a cannon salute. “Nobody else from now on will be able to dictate to us the price of gas, or to buy our political will, or to bribe our politicians.”
“If we don’t like it, we can drop it fully and totally,” Ms. Grybauskaite said, referring to a possible severing of relations with Gazprom, the government-controlled Russian gas exporter, which supplies all of Lithuania’s gas.
For Lithuania, which is just slightly larger than West Virginia, the floating terminal — a faster and generally cheaper option than building a terminal on land — is a big step toward energy independence from Russia. Europe has long declared such independence to be its goal, but has done little to achieve it. That makes Lithuania’s efforts to break free of Gazprom a significant example of how even countries that are bound by geography and history to Russia’s energy behemoth can find alternatives.

“This was done because the government of Lithuania wanted to make this happen,” Amos J. Hochstein, acting special envoy for international energy affairs at the State Department, told a gas conference here on Monday. “This needs to be the inspiration for the rest of Europe,” said Mr. Hochstein, who urged the European Union to approve a short list of strategic infrastructure projects intended to improve its energy security.
The American focus on the issue began in late 2008, when the government contributed more than $800,000 to Lithuania to help develop technical specifications for a liquefied natural gas terminal to provide “increased flexibility and competition” for the country.

The Lithuanian government gave final approval for the project in 2010.
Ms. Grybauskaite, who previously said that local companies and lawmakers with links to Gazprom and other Russian businesses meddled in the liquefied natural gas project, said on Monday that more energy independence could have been achieved sooner had there been greater political will in Lithuania.
Lithuanian officials say they had already pushed Russia into bargaining — something it has long resisted — when Gazprom cut its gas prices by about 20 percent in May.
“Consumers are already feeling lower prices of gas” as “a natural outcome of our terminal construction,” Rokas Masiulis, the Lithuanian energy minister, told reporters on Monday. The price that Lithuania was paying for liquefied natural gas was in “a very similar range” to the lower Gazprom price, he said.
The first shipment of liquefied natural gas, set to arrive on Tuesday from the Norwegian company Statoil, is equivalent to 60 million cubic meters of natural gas. Further shipments from Statoil should reach the equivalent of 540 million cubic meters annually in the next five years. That is a fifth of Lithuania’s needs.
Lithuania says the terminal, the only operation of its kind in the region, could become a beachhead to supply most of the needs of the other two Baltic states, Latvia and Estonia, which also rely on Russia for gas.
Even so, the company managing the project, Klaipedos Nafta, the state-controlled oil terminal operator, has not yet sold the majority of the liquefied natural gas terminal’s capacity — one of the factors that raise the important question of whether the terminal makes economic as well as political sense.
“Next year will show very real interest for the terminal,” said Mr. Masiulis, the energy minister.
Another challenge for the project would be if Gazprom dropped prices to Lithuania to the point that running the terminal became uneconomical.
Gazprom shrugged off the arrival of the vessel.
“If Lithuanian consumers are willing to pay more to reduce their dependence, it’s their business,” a spokesman, Sergei Kupriyanov, said by email.
The vessel was built in South Korea for the Norwegian company Hoegh, which is leasing it to Klaipedos Nafta under an arrangement that gives the Lithuanians the right to buy it after a decade.
Lithuania is spending 448 million euros, or $568 million, for construction, maintenance and a 10-year lease on the floating terminal, including financing for state-backed loans, said Mantas Bartuska, the chief executive of Klaipedos Nafta.
The vessel, which is three soccer fields in length and formally known as a floating gas storage and regasification unit, could not have been more timely for Lithuanians. The country of about three million people was the first former Soviet republic to reclaim its political independence. This year, Lithuania received approval to join the eurozone on Jan. 1, 2015. But it has waited 25 years to regain some control over its energy, which is a major expense for Lithuanian households and businesses.
In the past, Lithuania paid more than its Baltic neighbors for Russian gas. Lithuania also says it feels more exposed than Latvia, which has gas storage facilities, and Estonia, which has shale oil resources. Gazprom had an ownership stake in Lithuania’s natural gas distribution network until this summer and part of Lithuania’s electrical infrastructure is still controlled from Moscow.
Before the arrival of the vessel, Lithuanian commentators warned of the potential for Russian sabotage, and parts of the port were locked down Monday for its arrival. Linas Linkevicius, the Lithuanian foreign minister, suggested on his Twitter account on Oct. 19 that reports of a lost submarine in Swedish waters represented a “weird coincidence” when the liquefied natural gas vessel was crossing the Baltic Sea.
Lithuanians continue to complain that the West has underestimated the dangers posed by Russia, which has an enclave in Kaliningrad, on the border with Lithuania, where Russia keeps a naval base.
For analysts like Jonathan Stern of the Oxford Institute for Energy Studies, the project comes at the right time for Lithuania, partly because liquefied natural gas prices are expected to ease over the next two years.
“One of the most interesting questions is when the long-term contracts run out in Lithuania next year,” Mr. Stern said, referring to Gazprom’s sales agreements. “Will the Lithuanians say they do not want to extend the contracts” because it is “geopolitically unacceptable to depend on Russian gas at all?”

Lição de Economia

por A-24, em 01.08.14
(...) Empregos podem ser um sinal de saúde de uma economia, assim como um alto nível de energia pode ser um indicativo de um corpo saudável. Mas assim como substâncias nocivas podem artificialmente dar ao viciado aquele impulso energético que nada tem a ver com saúde, empregos artificialmente criados e mantidos apenas exacerbam os problemas. 

Você pode dar a alguém um "emprego" de cavar um buraco num dia e tapá-lo no dia seguinte — ou talvez o equivalente a isso, porém executado em uma escrivaninha. Mas isso não trará benefício nenhum a ninguém. Da mesma maneira, seria possível reduzir o desemprego a zero por meio de uma regressão compulsória na tecnologia: poderíamos abolir completamente o uso de caminhões e trens, e obrigar toda a carga a ser transportada de carro. Isso criaria milhões de novos empregos. Ou poderíamos também abolir o uso do carro e criar ainda mais empregos, pois agora as pessoas só poderiam transportar carga nas costas.

Em cada um desses casos, o número de empregos criados iria superar com ampla margem o número de empregos perdidos na indústria de caminhões e na automotiva. Mas fica a pergunta: essa criação de empregos por acaso nos deixou mais ricos? Por acaso aumentou o nosso bem-estar? A resposta é óbvia. Essa criação de empregos, na prática, gerou uma redução no padrão de vida de todas as pessoas.

Um exemplo
Um país de economia fechada pode ter — e certamente terá — um desemprego menor do que um país de economia aberta. No entanto, a questão é: será que tais empregos estão realmente gerando valor e riqueza para esse país de economia fechada?
Vamos a um exemplo prático. Suponha que uma economia tenha várias pessoas empregadas na indústria automotiva, desde as linhas de montagem até as cadeias de distribuição e de peças de reposição. Isso é bom para a economia como um todo? Depende.
Se a indústria automotiva deste país está sujeita à concorrência de carros estrangeiros, os quais podem ser livremente comprados pelos cidadãos deste país, sem tarifas de importação, então essa indústria automotiva é eficiente, e os empregos que ela consegue manter certamente são de alta produtividade e geram um produto de alta qualidade. Afinal, se mesmo com a concorrência de carros estrangeiros a população nacional ainda assim segue comprando os carros fabricados nacionalmente, então é porque o produto é bom, a indústria é eficiente e os produtos fabricados por seus trabalhadores satisfaz os consumidores locais.
Porém, e se essa indústria automotiva emprega muita gente simplesmente porque ela é protegida por altas tarifas de importação, as quais impedem os consumidores nacionais de terem acesso barato aos carros estrangeiros? 
Nesse caso, há uma grande chance de os empregos mantidos por essa indústria serem artificiais e ineficientes, pois ela agora está operando em um ambiente semelhante a uma "reserva de mercado". No mínimo, esses empregos não existiriam na quantidade que existem atualmente caso a aquisição de automóveis importados fosse mais fácil.
No primeiro exemplo, os trabalhadores da indústria automotiva de fato estão criando um produto valoroso para a sociedade, e isso é nitidamente demonstrado pela preferência voluntária dos consumidores. Dado que eles têm a opção de comprar carros importados baratos, mas ainda assim optam por comprar maciçamente os carros nacionais, então isso é um sinal de que o produto é satisfatório aos preços a que estão sendo vendidos, o que significa que os trabalhadores dessa indústria estão sendo eficientes em criar um produto de valor para a sociedade.
Já no segundo exemplo, os trabalhadores da indústria automotiva estão operando dentro de um mercado protegido pelo estado. Isso é uma receita certa para a ineficiência. Devido às altas tarifas de importação, que praticamente proíbem a compra de carros importados, os carros nacionais poderão ser de pior qualidade e vendidos a preços mais altos — e ainda assim serão comprados, pois a população não tem muita escolha.
Consequentemente, ao ter de desembolsar valores mais altos para adquirir esses carros, a população terá um renda disponível menor para adquirir outros bens de consumo.
Os trabalhadores dessa indústria automotiva terão salários acima dos de mercado, ao passo que o restante da população ficará com um poder aquisitivo menor do que teria caso pudesse comprar carros mais baratos do exterior.
O exemplo acima abordou apenas um setor da economia. Se você expandir esse raciocínio para todos os outros setores — eletroeletrônicos, utensílios domésticos, produtos tecnológicos, vestuário, siderurgia etc. —, começará a ter uma noção de como o seu poder de compra pode ser afetado apenas para garantir que estes setores tenham mais emprego do que o normal.
O raciocínio econômico só é completo quando ele é capaz de contemplar não apenas o que está ocorrendo com um determinado grupo (desempregados e indústrias), mas sim o que está ocorrendo com todos os grupos da sociedade. E não apenas no curto prazo, mas também no longo prazo.

Baixo desemprego, por si só, não quer dizer nada
Por tudo isso, um país ter uma baixa taxa de desemprego não quer dizer nada. O que tem de ser olhado é o quão produtivo são esses empregos e se eles realmente estão produzindo aquilo que o consumidor quer. Você ter um canteiro de obras repleto de peões que fazem o mesmo serviço que apenas um homem com uma máquina seria capaz de fazer não é um exemplo de economia pujante ou rica, mas sim de desperdício de recursos. Você terá uma baixa taxa de desemprego, mas não estará criando riqueza de forma eficiente.
Consequentemente, o objetivo de se alcançar uma baixa taxa de desemprego não que deve ser apenas a criação de empregos per se; o objetivo tem de ser a criação de empregos produtivos e economicamente viáveis. 
Empregos só são valiosos quando as pessoas trabalham com o intuito de fornecer bens e serviços que são genuinamente valorizados e demandados pelos consumidores. Se não há uma real demanda pelos produtos fabricados, ou se a demanda é artificialmente criada por barreiras à importação ou por outras regulações governamentais, tais empregos representam um grande desperdício de recursos escassos.
Ao contrário do que alegou Keynes, se todos os desempregados atuais fossem compulsoriamente empregados na construção de pirâmides, isso não traria benefício nenhum para a sociedade. No entanto, seria ótimo para as empresas que ganhassem os contratos do governo para fornecer os tijolos e o cimento. E seria péssimo para os reais empreendedores, que agora teriam de lidar com preços mais altos para o tijolo, para o cimento e para a mão-de-obra, o que poderia inviabilizar vários outros empreendimentos mais demandados pelos consumidores. 

Conclusão
A única maneira de criar e manter empregos que não produzem realmente aquilo que o consumidor quer é utilizando o governo.
Seja por meio de subsídios diretos, seja por meio de regulações que criam um cartel e proíbem a concorrência, seja por meio de tarifas de importação que criam um reserva de mercado — apenas o governo pode manter operante empresas que produzem algo que não é genuinamente demandado pelo consumidor. 
E, ao fazer isso, empregos são gerados. E eles podem custar muito caro.

Como sobreviver num mundo com 9 mil milhões?

por A-24, em 06.02.12
Em 2050 a população mundial vai atingir novo marco. Seremos nove mil milhões à procura de alimentos, água, habitação e energia. Com conflitos, migrações e o efeito das alterações climáticas para gerir. Soluções, procuram-se.

Gente, gente, gente
O contador não pára. Em Portugal a população está a envelhecer, mas olha-se para lá do país e da Europa e a ideia deixa de ser um número: tudo indica que 2011 é o ano em que chegamos aos sete mil milhões de pessoas. Um artigo no diário britânico Guardiandizia que a comemoração seria a 31 de Outubro, com o nascimento de uma criança no estado de Uttar Pradesh, um dos mais populosos da Índia, com cerca de 194 milhões de habitantes.A escalada continuará pelo menos até 2050, quando, segundo as previsões demográficas, formos nove mil milhões. As Nações Unidas estão a fazer um levantamento extenso das populações dos países para apurar melhor os números de hoje e corrigir previsões. Mas é esta rapidez que assusta."Se os níveis de fertilidade e de mortalidade que temos hoje não se alterarem, a população mundial vai adicionar mil milhões de pessoas em tempos muito pequenos", disse ao PÚBLICO Hania Zlotnik, Directora da Divisão de População das Nações Unidas.Herdámos este boom do século XX. Em cem anos a população passou dos 1,6 para os 6,1 mil milhões. "O aumento não ocorreu porque as pessoas começaram a reproduzir-se mais; em vez disso (...) deixaram finalmente de morrer como moscas", escreveu o especialista em política económica e demografia Nicholas Eberstadt num artigo na revista Foreign Affairs, onde alertava para as consequências económicas do envelhecimento das populações.No século passado a saúde melhorou, a esperança média de vida passou de 30 para 65 anos e o progresso económico ascendeu no Ocidente. 
Em contrapartida, a fertilidade diminuiu muito na Europa e em países como o Japão - para níveis em que a população não está a ser reposta. O fenómeno atinge a China devido às políticas de natalidade.Se a Ásia continua a ter os países com maior população (a China e a Índia estão em primeiro e segundo lugares com mais de mil milhões de pessoas cada), a fertilidade está agora na África subsariana. O continente, onde hoje vivem mil milhões de pessoas, vai duplicar o número até 2050.Mas a Terra é capaz de ter tanta gente? "A História da humanidade mostra que já fomos muito poucos, mas fomos sempre capazes de gerir as pessoas que tivemos", observou ao PÚBLICO Jorge Malheiros, especialista em migrações do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa. 
"O número perfeito [de pessoas] tem que ver com o modelo da sociedade."Depois de 2050, as previsões dizem que pode haver uma quebra na população mundial, ou pelo menos uma estagnação. Prevê-se que vá acontecer nos países emergentes o que aconteceu no mundo ocidental: um desenvolvimento económico acompanhado de uma diminuição de fertilidade. Até lá precisamos de espaço.Cidades e migraçõesUm relatório de Janeiro da Instituição dos Engenheiros Mecânicos intitulado População: Um Planeta, Demasiadas Pessoas?, que abordava as problemáticas deste assunto, alertava para a questão da urbanização. Metade da população mundial vive em cidades, em 2050 será 75 por cento. Se isso é evidente em metrópoles como São Paulo, Pequim ou Nova Iorque, não se pode esquecer África. Em 1950 só Alexandria e o Cairo tinham mais de um milhão de pessoas, no futuro 80 cidades do continente africano vão estar nesta situação."A urbanização é uma resposta ao desenvolvimento económico", afirmou a especialista das Nações Unidas Hania Zlotnik. "Os países mais urbanizados tendem a ser os que estão melhor, um exemplo importante é a China." Segundo Zlotnik, o modelo de desenvolvimento económico que a humanidade inventou passa pela urbanização e não pela manutenção das pessoas no mundo rural.Do ponto de vista ecológico traz vantagens. "Tudo se torna mais eficiente, se as pessoas estiverem agrupadas - é mais fácil fornecer o saneamento, a água, a electricidade", afirmou ao PÚBLICO John Bongaarts, vice-presidente do Conselho Populacional em Nova Iorque, que ajudou a produzir o relatório. Por outro lado, áreas com alta concentração de pessoas permitem deixar espaço livre. Algo que "é fundamental para garantir que alguns ecossistemas sobrevivem e desempenham funções importantes", comentou ao PÚBLICO Francisco Ferreira, especialista em energia e dirigente da associação ambientalista Quercus.Mas Boongarts advertiu para um dos maiores problemas destes grandes agrupamentos urbanos, em que as pessoa migram à procura de um estilo de vida melhor: 

"Muito do crescimento urbano na África subsariana está a ser feito em bairros da lata. As pessoas vivem miseravelmente, a mortalidade é alta, não há acesso a infra-estruturas, serviços, etc." Parte da solução é melhorar a habitação destes bairros, mas os governos, segundo o especialista, muitas vezes não podem suportar essa despesa.Há a questão da alimentação, um dos maiores problemas que se avizinham: "As pessoas que estão nas cidades também comem, e muitas vezes comem mais produtos que são ecologicamente mais caros de cultivar."África, o último campo agrícolaA proporção é conhecida, há comida para todos, mas um sétimo da população mundial está subnutrida, uma grande percentagem em África, e o outro sétimo come a mais. Em cima deste problema há o crescimento populacional e o desenvolvimento económico que muda os hábitos alimentares.O Banco Mundial prevê que a necessidade de cereais aumente 50 por cento entre 2000 e 2050 e a necessidade de carne aumente 85 por cento durante este período. 
Para alimentar todos os animais do sector pecuário já em 2030, será preciso cultivar a mesma área agrícola que alimentava a população humana em 1970."A resposta para os países ricos é sim, eles têm que consumir menos", defendeu Hania Zlotnik. "As dietas são uma coisa fundamental que provavelmente tem que mudar, não só para salvar o planeta, mas porque sabemos que dietas muito ricas em comida animal são más para a saúde das pessoas."Esta pressão já se fez sentir nas crises alimentares nos últimos anos, como a crise do arroz em 2008. 
No futuro, prevê-se um aumento no valor dos alimentos, que poderá tornar rentáveis espaços para a agricultura que até agora eram marginais, mas vai dificultar a vida às populações pobres, que gastam a maioria do seu rendimento em alimentação.O espaço arável na maioria da Terra está preenchido. A revolução verde permitiu, através dos fertilizantes, pesticidas e das sementes, duplicar várias vezes o rendimento das colheitas, mas esse aumento tem limites.África, contudo, ainda não teve a sua revolução verde. "O desafio é que as mudanças nas técnicas de agricultura em África sejam suficientemente céleres e possam ter em conta a rapidez com que a população está a aumentar e talvez, se tivermos sorte, possam produzir comida para o resto do mundo", explicou Zlotnik. A especialista também referiu a importância da construção de infra-estruturas, acessos, locais de armazenamento dos produtos agrícolas para diminuir a perda de estrago, que ainda é enorme nos países africanos, e, por outro lado, a abrir a possibilidade de os agricultores competirem nos mercados nacionais e internacionais. 
Foram estas limitações que suscitaram crises alimentares como a da Etiópia em 2003.Maria José Roxo, geógrafa e especialista em desertificação da Universidade Nova de Lisboa, argumentou, por seu lado, que um desenvolvimento agrícola tem de ter em conta os recursos naturais. "Não se pode importar modelos, nem se pode fazer o exagero que se fez nos países desenvolvidos", observou a investigadora ao PÚBLICO. "A agricultura tem que ser muito mais adaptada às condições naturais, sustentável", defendeu.Onde está a água?Um dos maiores problemas que esta investigadora detecta actualmente é a degradação dos solos devido à má utilização, ao abuso excessivo de fertilizantes, que pode tornar uma terra estéril e poluir lençóis de água. "Se não tiver solos, não tenho água; quanto mais contaminação de solos tiver no planeta, menos água potável vai existir", admitiu.As cidades podem ajudar a combater a falta de água. Quando a escassez ou as oscilações entre precipitação e períodos secos são cada vez mais demarcadas, o armazenamento de águas pluviais nas casas pode combater esta falta. "Muita da água de chuva que cai não é aproveitada, por isso ainda é possível ser-se muito mais eficiente com o seu uso. É preciso armazenar esta água e aproveitá-la", explicou John Bongaarts.Novo paradigma energético
O bom aproveitamento dos recursos pode ser a diferença entre a morte e a sobrevivência. Há alimentos que se estragam, água que não é aproveitada e energia mal gasta. De todas as questões, a da energia é a que não está tão directamente relacionada com o aumento demográfico. "Os países que estão a aumentar a população mais rapidamente não são os que estão a consumir mais. Se continuarem pobres e subdesenvolvidos, vão continuar a consumir pouca energia per capita. Não é o que se quer, mas é a realidade", adiantou Zlotnik.Francisco Ferreira concorda - o problema é o mundo desenvolvido. Com ou sem aumento de população, o certo é que os combustíveis fósseis são finitos e estão a acelerar de dia para dia as alterações climáticas. Segundo o ambientalista, é preciso mudar o paradigma da energia."É preciso apostar na eficiência energética e na redução de consumo, de modo a que continue a haver energia para todos, suportando a mobilidade, electricidade", disse Francisco Ferreira. Isto é importante que aconteça nos países desenvolvidos, de modo a diminuírem o consumo per capita. Por outro lado, é preciso "disciplinar o aumento de consumo de energia dos países emergentes, de forma a não seguirem este caminho".O ambientalista assegura que a nível tecnológico é ainda possível optimizar muito os recursos; depois é necessário passar gradualmente dos combustíveis fósseis para os combustíveis verdes. 
Para isso deverá melhorar-se a interconectividade entre regiões e países, de modo a fazer coincidir a produção de energia com o gasto. O relatório aponta para a aposta na energia nuclear. Francisco Ferreira acredita que se consegue "perspectivar à escala mundial um fornecimento de energia sem nuclear". Mas acrescenta que não será possível acabar com o nuclear de um dia para o outro.Gerir um clima imprevisívelSobre todos estes factores cai um aspecto imprevisível: as alterações climáticas. Na agricultura, um futuro em que a variabilidade do clima é ainda maior vai obrigar os agricultores a estarem preparados. Isso não será possível sem ajuda. "Os agricultores sempre tiveram que lidar com estas oscilações e no mundo desenvolvido eles fazem-no porque têm instituições que os ajudam", comentou Hania Zlotnik, acrescentando que estas instituições têm que ser "expandidas para os locais onde não existem neste momento".As cidades também vão estar sob pressão. 
Fenómenos como o ciclone Katrina, que em 2005 fustigou Nova Orleães, nos Estados Unidos, ou a precipitação que devastou a serra junto do Rio de Janeiro, no Brasil, no mês passado, não vão acabar.Parte deste problema é que as pessoas são atraídas para as zonas litorais, onde existe um risco acrescido, mas que são mais interessantes do ponto de vista social. "É preciso que as pessoas pensem sobre estes riscos e isso não é muito comum", adiantou Maria José Roxo, explicando que a resolução do problema passa pelo ordenamento do território e por uma cartografia das zonas de risco.Mesmo que as catástrofes não aumentem, com mais densidade populacional o mais certo é haver mais mortes, considerou Zlotnik. "A forma como as pessoas e os governos funcionam é que esperam até as coisas estarem realmente más para se mexerem." Público

As cidades europeias mais verdes para se viver estão na Escandinávia

por A-24, em 31.01.10
A sustentabilidade de 30 cidades em 30 países europeus, onde vivem 75 milhões de pessoas, surge agora num ranking elaborado pela Siemens e revista "The Economist", apresentado de manhã na conferência de Copenhaga. Nesta lista encabeçada pelas cidades da Escandinávia, mais concretamente por Copenhaga, e fechada por Kiev, Lisboa surge em 18º lugar.
Copenhaga, que ambiciona ser neutra em emissões de dióxido de carbono em 2025, foi a líder nas oito categorias avaliadas: dióxido de carbono, energia, edifícios, transportes, água, resíduos e uso da terra, qualidade do ar e “governância” ambiental. De um total de 100 pontos, conseguiu 87,31. A seguir surgem Estocolmo, Oslo, Viena e Amesterdão. Lisboa obteve 57,25 e Kiev 32,33 no “European Green City Index”.
Este grupo de 30 cidades - onde se incluem Viena, Amesterdão, Budapeste, Istambul, Roma, Paris e Londres – tem feito o trabalho de casa em prol do Ambiente. Mais de metade dos cidadãos que vivem nestas cidades (62,5 por cento) vai para o trabalho a pé, de bicicleta ou de transportes públicos; 24 cidades têm medidas para reduzir o lixo que produzem e dois terços promovem meios de transporte mais “verdes”.
“As cidades europeias são líderes no desempenho ambiental”, comentou James Watson, editor da The Economist Intelligence Unit, lembrando que têm emissões per capita de gases com efeito de estufa mais baixas do que a média da União Europeia.
Oslo emite apenas 2,19 toneladas de dióxido de carbono (CO2) por habitante (quando a média europeia é de 5,2; já a de Lisboa é 7,5 toneladas) e em Estocolmo, 68 por cento dos habitantes vai para o trabalho a pé ou de bicicleta. Na verdade, por cada quilómetro quadrado de superfície, a cidade tem quatro quilómetros de ciclovias. Bruxelas também serve de exemplo devido ao seu programa “vizinhança sustentável”, onde os moradores formam grupos e candidatam projectos a financiamento.
Amesterdão distingue-se por aquilo que consegue fazer ao seu lixo. A cidade recicla 43 por cento dos resíduos municipais, quando a média é de 18 por cento.
A cidade onde se respira melhor é Vílnius, com 20 metros quadrados de espaços verdes por morador e baixos níveis de emissões de gases com efeito de estufa.
Não obstante os bons exemplos, ainda há muito que estas 30 cidades devem fazer. Apenas 7,3 por cento da energia consumida vem de fontes renováveis (quando a meta da União Europeia é de 20 por cento em 2020), um em cada quatro litros de água consumidos nas cidades perde-se em fugas e menos de um quinto do lixo acaba reciclado.
“As cidades podem usar este estudo para definir as prioridades das suas acções, a fim de reduzir a sua pegada de carbono”, disse Reinhold Achatz, responsável pela unidade de investigação da Siemens.