Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]


Lithuania Offers Example of How to Break Russia’s Grip on Energy

por A-24, em 31.10.14
NY Times

KLAIPEDA, Lithuania — The vast ship that eased into this misty seaport early on Monday was hailed by American and European officials as the strongest signal that the stranglehold Russia has on the Baltics and their energy needs can be broken.
The vessel, the Independence, is a floating factory for converting liquefiednatural gas into the burnable variety. It represents a direct challenge to the Russian way of doing business as many other countries in the European Union have dithered over how to deal with President Vladimir V. Putin and his attempts to reassert Russian influence over parts of the former Soviet empire like Ukraine.
The floating natural gas terminal Independence arriving in Klaipeda, Lithuania, on Monday.
“We are now an energy-secure state,” Dalia Grybauskaite, the Lithuanian president, said at a ceremony that featured martial touches like a naval brass band, red flares and a cannon salute. “Nobody else from now on will be able to dictate to us the price of gas, or to buy our political will, or to bribe our politicians.”
“If we don’t like it, we can drop it fully and totally,” Ms. Grybauskaite said, referring to a possible severing of relations with Gazprom, the government-controlled Russian gas exporter, which supplies all of Lithuania’s gas.
For Lithuania, which is just slightly larger than West Virginia, the floating terminal — a faster and generally cheaper option than building a terminal on land — is a big step toward energy independence from Russia. Europe has long declared such independence to be its goal, but has done little to achieve it. That makes Lithuania’s efforts to break free of Gazprom a significant example of how even countries that are bound by geography and history to Russia’s energy behemoth can find alternatives.

“This was done because the government of Lithuania wanted to make this happen,” Amos J. Hochstein, acting special envoy for international energy affairs at the State Department, told a gas conference here on Monday. “This needs to be the inspiration for the rest of Europe,” said Mr. Hochstein, who urged the European Union to approve a short list of strategic infrastructure projects intended to improve its energy security.
The American focus on the issue began in late 2008, when the government contributed more than $800,000 to Lithuania to help develop technical specifications for a liquefied natural gas terminal to provide “increased flexibility and competition” for the country.

The Lithuanian government gave final approval for the project in 2010.
Ms. Grybauskaite, who previously said that local companies and lawmakers with links to Gazprom and other Russian businesses meddled in the liquefied natural gas project, said on Monday that more energy independence could have been achieved sooner had there been greater political will in Lithuania.
Lithuanian officials say they had already pushed Russia into bargaining — something it has long resisted — when Gazprom cut its gas prices by about 20 percent in May.
“Consumers are already feeling lower prices of gas” as “a natural outcome of our terminal construction,” Rokas Masiulis, the Lithuanian energy minister, told reporters on Monday. The price that Lithuania was paying for liquefied natural gas was in “a very similar range” to the lower Gazprom price, he said.
The first shipment of liquefied natural gas, set to arrive on Tuesday from the Norwegian company Statoil, is equivalent to 60 million cubic meters of natural gas. Further shipments from Statoil should reach the equivalent of 540 million cubic meters annually in the next five years. That is a fifth of Lithuania’s needs.
Lithuania says the terminal, the only operation of its kind in the region, could become a beachhead to supply most of the needs of the other two Baltic states, Latvia and Estonia, which also rely on Russia for gas.
Even so, the company managing the project, Klaipedos Nafta, the state-controlled oil terminal operator, has not yet sold the majority of the liquefied natural gas terminal’s capacity — one of the factors that raise the important question of whether the terminal makes economic as well as political sense.
“Next year will show very real interest for the terminal,” said Mr. Masiulis, the energy minister.
Another challenge for the project would be if Gazprom dropped prices to Lithuania to the point that running the terminal became uneconomical.
Gazprom shrugged off the arrival of the vessel.
“If Lithuanian consumers are willing to pay more to reduce their dependence, it’s their business,” a spokesman, Sergei Kupriyanov, said by email.
The vessel was built in South Korea for the Norwegian company Hoegh, which is leasing it to Klaipedos Nafta under an arrangement that gives the Lithuanians the right to buy it after a decade.
Lithuania is spending 448 million euros, or $568 million, for construction, maintenance and a 10-year lease on the floating terminal, including financing for state-backed loans, said Mantas Bartuska, the chief executive of Klaipedos Nafta.
The vessel, which is three soccer fields in length and formally known as a floating gas storage and regasification unit, could not have been more timely for Lithuanians. The country of about three million people was the first former Soviet republic to reclaim its political independence. This year, Lithuania received approval to join the eurozone on Jan. 1, 2015. But it has waited 25 years to regain some control over its energy, which is a major expense for Lithuanian households and businesses.
In the past, Lithuania paid more than its Baltic neighbors for Russian gas. Lithuania also says it feels more exposed than Latvia, which has gas storage facilities, and Estonia, which has shale oil resources. Gazprom had an ownership stake in Lithuania’s natural gas distribution network until this summer and part of Lithuania’s electrical infrastructure is still controlled from Moscow.
Before the arrival of the vessel, Lithuanian commentators warned of the potential for Russian sabotage, and parts of the port were locked down Monday for its arrival. Linas Linkevicius, the Lithuanian foreign minister, suggested on his Twitter account on Oct. 19 that reports of a lost submarine in Swedish waters represented a “weird coincidence” when the liquefied natural gas vessel was crossing the Baltic Sea.
Lithuanians continue to complain that the West has underestimated the dangers posed by Russia, which has an enclave in Kaliningrad, on the border with Lithuania, where Russia keeps a naval base.
For analysts like Jonathan Stern of the Oxford Institute for Energy Studies, the project comes at the right time for Lithuania, partly because liquefied natural gas prices are expected to ease over the next two years.
“One of the most interesting questions is when the long-term contracts run out in Lithuania next year,” Mr. Stern said, referring to Gazprom’s sales agreements. “Will the Lithuanians say they do not want to extend the contracts” because it is “geopolitically unacceptable to depend on Russian gas at all?”

Os jornalistas são preguiçosos ou serão todos de esquerda?

por A-24, em 31.10.14
Helena Matos

O problema dos jornalistas não é de modo algum o que criticam e investigam, mas sim o que omitem sobre determinados líderes e o acriticismo com que brindam determinadas causas.

“Tantos são preguiçosos. É verdade, preguiçosos”, disse este sábado Passos Coelho a propósito dos jornalistas, nas jornadas parlamentares do PSD/CDS. Terá dito mais. Falou de “inverdades como punhos” (um dos fenómenos mais estranhos do léxico político português foi o desaparecimento da límpida palavra mentira e a sua substituição pela retorcida inverdade.) Falou também o primeiro-ministro, aqui já, ao que parece, a propósito dos comentadores (quiçá dos comentadores filiados no PSD que aspiram a outros voos no ano de 2015), do espírito “Maria vai com as outras” de quem procura causar uma boa impressão. Mas não ficou por aqui. Foi mais longe questionando: “Porque é que aqueles que todos os dias informam os portugueses e informam mal não hão-de dar a mão à palmatória, não hão-de pedir desculpa e não dão aos portugueses um direito a ter uma informação isenta e rigorosa?”

Dizem as notícias que esta intervenção de Passos Coelho foi bastante aplaudida. Não admira: os sociais-democratas estão convencidos de que em geral a comunicação social não lhes é favorável. Pode dizer-se que isso em parte é verdade. Basta comparar as notícias sobre este governo com o respeitinho mostrado em relação ao PS ou com o doce fechar de olhos em relação ao PCP e ao BE para o poder dizer. Mas também se deve acrescentar que esta circunstância aparentemente penalizadora foi usada em proveito próprio e com grande sucesso por alguns sociais-democratas como Cavaco Silva ou Rui Rio, cujos eleitorados absolutamente convictos da parcialidade dos jornalistas em relação aos seus candidatos, se habituaram a desvalorizar e a desconfiar das notícias. E ficar imune às notícias (ou quase) durante uma campanha eleitoral é verdadeiramente estar em estado de graça.

A avaliar pelo teor da intervenção de Passos e pelas palmas ouvidas na sala do parlamento onde decorriam estas jornadas parlamentares do PSD/CDS, podemos concluir que este será um dos eixos da campanha eleitoral do PSD em 2015: nós fizemos mas os jornalistas não mostraram. A que naturalmente se seguirá não dito mas implícito: não mostraram porque querem favorecer António Costa.

Digamos que este é um argumentário com algum fundamento, mas é apenas uma parte da verdade: a boa imprensa, de que Costa inegavelmente gozou, torna-se frequentemente um presente envenenado. E no caso concreto do actual líder dos socialistas pode trazer-lhe mais problemas do que vantagens em 2015: habituado a declarar e não a debater, tendo vivido mediaticamente na redoma reservada às segundas figuras dos partidos e tendo sido geradas em torno de si expectativas redentoras para o dilema presente dos socialistas – é o socialismo compatível com a realidade? –, António Costa vai sofrer uma imensa pressão para explicar como governará de forma diferente de Passos e como será diferente de Hollande (e também de Sócrates mas esse é um outro assunto que nada tem a ver com ideologia mas sim com moral e poder).

Se Costa não for muito claro nestas matérias – e o enredo em que se enfiou em torno da discussão sobre a dívida não augura nada de bom –, arrisca-se a não se livrar dessa pressão antes da campanha eleitoral. Ora há poucos momentos mais perigosos para um político em campanha do que perder o estado de graça. Perdê-lo no poder como aconteceu a Passos faz parte do jogo. Perdê-lo em campanha pode determinar um resultado. Logo nem tudo o que parece é neste mundo das notícias dos e sobre os partidos e os governos.

Quem também não se pode dizer que sejam preguiçosos, mesmo que o pareçam, são os jornalistas. Haverá alguns que o são, mas a maior parte trabalha cada vez mais recebendo cada vez menos. Também não acho que tenham de pedir desculpas. Ou, como quaisquer outros profissionais, só terão de o fazer quando por negligência ou má-fé fizerem mal a alguém. E aí não são os políticos as principais vítimas. Ou quando o são isso acontece geralmente porque os aparelhos partidários deixaram cair alguém que lhes pode comprometer as ambições: lembram-se das notícias sobre o cansaço de Campos e Cunha numa fase em que o então ministro das Finanças começava a ser um obstáculo aos projectos megalómanos de Sócrates? E a hiper-atenção votada à pasta da Economia quando esta era ocupada pelo independente Álvaro Santos Pereira? E as notícias sobre a demissão de Nuno Crato sopradas por gente do PSD ansiosa por substituir o actual ministro por alguém que de educação nada saiba, mas que entregue o ministério à paz dos funcionários e dos sindicatos do sector? Os jornalistas têm as costas largas!

O que temos como elemento redutor e distorcivo de boa parte das notícias é uma outra coisa. Uma outra coisa que faz com que o problema não esteja no que escrevem sobre Passos, mas sim no que não escreveram sobre Sócrates. Ou que em algumas redacções tal só tenha acontecido por absoluta impossibilidade de evitar o assunto. Tal como o problema não é o que escrevem sobre os cortes nos salários, mas sim que em quarenta anos de democracia se contem pelos dedos das mãos as reportagens dignas desse nome sobre os sindicatos – de que vivem; quantos trabalhadores representam ou como são realmente escolhidos os seus dirigentes – ou sobre o mundo paralelo das empresas públicas.

O problema é acreditarem em qualquer maquete e fazerem invariavelmente equivaler o gasto do dinheiro dos contribuintes a políticas de crescimento. O problema é de cada vez que falam em pobreza colocarem a questão como se a pobreza se resolvesse invariavelmente com mais e mais subsídios. Em conclusão, o problema não é de modo algum o que criticam e investigam, mas sim o que omitem sobre determinados líderes e o acriticismo com que brindam determinadas causas. Aqui sim pode falar-se de um favorecimento não necessariamente da área da esquerda, mas sim de quem lhe usa o ideolecto.

Esse ideolecto que leva a que se escreva (e apenas para citar exemplos da passada semana) “ILGA relembra: Portugal não protege filhos de casais homossexuais” – desde quando é um dado adquirido que aquilo que a ILGA defende protege essas crianças? Ou que se conclua numa outra notícia: “Ferreira Leite arrasa Mota Soares e defende o Estado Social”. Portanto dá-se como adquirido que Ferreira Leite defende o Estado Social. Porquê? Porque defende a manutenção das prestações sociais mesmo quando estas ultrapassem o valor obtido a trabalhar? É isso defender o Estado Social? Esse ideolecto que leva ainda a que, na impossibilidade de ignorar um facto, ele seja noticiado de forma absolutamente tonta como sucedeu com o atentado que custou a vida a um bebé em Jerusalém – “Automóvel atropela transeuntes em Jerusalém”. Como se os atropelamentos no mundo fossem tão raros, mas tão raros, que o atropelamento de um bebé em Jerusalém ou noutra qualquer cidade fosse notícia por si mesmo.

Esta é aquela parte da História em que nas notícias não existem crimes mas sim desilusões – por exemplo, a descolonização portuguesa. Em que as velhas utopias de engenharia social se mantêm intactas mudando apenas de procedimento – agora são as barrigas de aluguer, no passado foram os jardins-de-infância alternativos. Em que entre nós e a felicidade está apenas o obstáculo de um papão – no passado o imperialismo ianque, agora a senhora Merkel.

Alguma vez deixará de ser assim? Não creio. Mas sempre nos resta o consolo de antecipadamente sabermos que alguns dos melhores textos dos jornalistas do amanhã serão sobre esta particular vontade de não ver dos jornalistas seus antepassados.

Cavaco Silva deve condecorar Sócrates como ex-primeiro-ministro?

por A-24, em 30.10.14
Joana Lopes

Parece que se trata do único, entre os 19 chefes dos governos constitucionais posteriores ao 25 de Abril, a não ter recebido (ainda?) «a máxima condecoração atribuída por destacados serviços prestados ao país, a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo». A polémica está reaberta e há até quem escreva ao presidente da República, invocando todos os actos meritórios do último chefe de governo socialista.
Antes de mais, nunca me tinha apercebido desta tradição que considero absolutamente patética: bom, mau ou péssimo, qualquer cidadão que tenha exercido determinado cargo deve ser agraciado «por destacados serviços prestados ao país»? Porquê?
Recorda-se que «até» Santana Lopes recebeu a tal Grã-Cruz, apesar do seu curto e atribulado reinado (não das mãos de Sampaio, mas sim Cavaco Silva, cinco anos mais tarde). Portanto, caros socialistas, calma: alguém dará o colarzinho a José Sócrates, mais cedo ou mais tarde! E apertemos os cintos, porque Passos Coelho também o terá, numa próxima curva desta nossa triste historieta.
Aliás, que importância tem, a não ser para as vitrines dos netos, mais colar ou menos colar? Julgavam que isto era mesmo um país a sério? Pois não é.

A forma diferente como homens e mulheres avaliam a Arte

por A-24, em 30.10.14
Os sexos mostram grandes diferenças na forma como eles avaliam a arte, revela um novo estudo de co-autoria da escola de marketing da Michigan State University.

Os homens parecem concentrar-se mais no «background» do artista e na autenticidade enquanto as mulheres prestam mais atenção à própria arte.
O estudo, que foi publicado na revista Psicologia & Marketing, é o primeiro a investigar a importância da "marca" de um artista para consumidores médios quando avaliam arte. Acontece que essa marca pessoal é muito importante. Trata-se uma descoberta que tem implicações para as indústrias de 64.000 milhões de dólares do mercado de arte e de outros produtos como alimentação e moda.
"Todos os consumidores no estudo, mas especialmente os homens, avaliaram a arte com uma forte ênfase sobre a forma motivada e apaixonada como o artista estava", disse Stephanie Mangus, professora assistente na Broad College of Business da MSU. "Então, se é um artista ou se gere a carreira de um artista, desenvolver essa marca humana - passando a mensagem de que é autêntico - torna-se essencial."
As mulheres também têm em conta a autenticidade do artista, mas um factor mais importante para elas era o artístico. "As mulheres estão mais dispostas a passar por um processo complicado de avaliar realmente a obra de arte", disse Mangus ", enquanto os homens podem dizer: 'Esse é um grande artista, então vou comprar a sua obra." 

Fonte: Ciência Hoje

Velhas quesílias

por A-24, em 29.10.14

O Brasil foi explorado tantos anos por Portugal agora continuará sendo pelo PT! Não é a toa que a sigla de Portugal é PT! #EuVoteiAecio45

— Luana Piovani (@LuanaPiovaniTV) October 26, 2014

Olá Luana,

Eu gosto muito do Brasil. Tive a felicidade de viver aí durante quase meio ano e fiz muitas amizades. Para além de que brasileiro é meio português, mesmo. Ou como diria um amigo meu brasileiro, brasileiro é português à solta. Agora, eu não sei que versão da história é que vocês dão aí no Brasil. Na versão da história que eu conheço, o Brasil era Portugal, pelo que dizer que o Brasil — que não existia — era explorado por Portugal, faz tanto sentido como dizer que o Alentejo é explorado por Portugal, ou que Minas Gerais é explorado pelo Brasil. Ou seja, não faz sentido nenhum. Quanto à historinha do ouro, a coisa é assim: se você tem um relógio, não pode dizer que o roubou a si mesma. O relógio é seu. Portanto, quando Portugal foi à Terra de Vera Cruz extrair ouro, e já agora deixar umas quantas coisas construídas (conta-se que os Romanos, tirando o facto de terem construído estradas, aquedutos, ordem pública, irrigação, saneamento, instituições jurídicas, não fizeram nada), foi, em boa verdade, ao seu território dispor dele, da mesma forma que quando você está em sua casa vai até à sua sala de jantar e arranja os castiçais como bem entende. Sim, é verdade, atacamos os índios nativos, mas você saberá pelos seus antepassados que Piovani não é apelido de índio nativo, é apelido de italiano colonizador. Portanto, você não se enquadra na categoria de índios nativos que se podem queixar de terem sido expoliados, até porque os seus antepassados eram colonizadores. Ainda assim, não vamos com isso dizer que os Piovanis exploraram o Brasil, ou vamos?

Assim sendo, aproveita essa cara laroca e continua a fazer novelas da Globo, que história não é seu forte. Um beijo, tá?

Adenda: existem rumores de que a conta será fake. Tal seria em prejuízo de Luana Piovani, mas não altera em nada o conteúdo da missiva, até porque muita gente partilha dos disparates implícitos no tweet.

O dilema da igreja católica

por A-24, em 29.10.14
Rui Ramos

Para compreendermos o problema do sínodo, vale a pena descrevê-lo de uma maneira geral: deve a igreja admitir situações e opções que até agora repreendeu, mas hoje são socialmente aceites?
Do sínodo dos bispos, a imprensa retirou a ideia mais jeitosa: “divisões profundas na hierarquia da igreja”. Pouca gente escapou ao guião que manda ler os debates segundo a velha incompatibilidade entre “progressistas” e “conservadores”, ou entre “europeus” e “norte-americanos”. Ora, para compreendermos o problema do sínodo, vale a pena ignorarmos as matérias que em concreto o inspiraram, e descrevê-lo de uma maneira geral: deve a igreja admitir situações e opções (sejam elas quais forem) que até agora repreendeu, mas hoje são socialmente aceites? Posta assim, é possível sugerir que a questão não resulta apenas do mero prolongamento, igreja adentro, dos confrontos ideológicos ou contrastes geográficos do mundo profano, mas tem a ver com a própria ideia de igreja.
O dilema da igreja católica é que não foi concebida para ser uma parte, mas o todo. A sua vocação não é ser uma seita entre outras, mas toda a sociedade organizada religiosamente. Há correntes religiosas que não aspiram a incluir toda a gente, mas apenas os “eleitos”. Por isso, jamais admitiriam rever ensinamentos e atitudes apenas para acomodar quem não subscreve a colecção completa dos dogmas. A igreja católica é diferente. Não tem vocação para contra-cultura. Habituou-se a ser central. E para defender essa centralidade, parece tentada a dar todos os passos. 
Durante séculos, no Ocidente, a igreja foi fundamentalmente idêntica com a sociedade. Todos, com poucas excepções, nasciam para ser baptizados e tinham a sua vida regulada pelos sacramentos. Do ponto de vista histórico, isto não era apenas o resultado do zelo missionário do clero, mas da firmeza com que poderes políticos, hierarquias sociais e comunidades locais censuravam e puniam quaisquer heterodoxias.
Nas sociedades modernas, secularizadas e pluralistas, a igreja não conta com a coacção política e social ainda aceite no Islão. Ora, a catequese, só por si, será sempre vulnerável a contraditórios e a confusões. Para se identificar com toda a sociedade, resta à igreja um meio: em vez de impor as suas doutrinas, acolher as atitudes da sociedade, o que, em geral, consistirá em perfilhar, reinterpretando-as em termos religiosos, as últimas inclinações da legislação estatal ou dos programas televisivos da manhã. Se os fiéis não vão a Roma, vai Roma até aos fiéis. O problema é que, por esse caminho, a igreja pode rapidamente deixar de representar a continuidade apostólica, para cair numa “espiritualidade” de supermercado, em que cada um escolhe o que, naquele dia, mais lhe convém.
A pressão para fazer coincidir igreja e sociedade não vem só do clero e dos fiéis. Durante séculos, príncipes e comunidades jamais pensaram poder governar ou manter a coesão social sem a igreja. O cristianismo dava sentido à vida e ligava os seres humanos uns aos outros. Por isso, príncipes e comunidades tentaram frequentemente dominar a igreja, e quando a renegaram, foi para inventar outra, como os príncipes protestantes ou os revolucionários franceses no tempo de Robespierre. Essa relutância em renunciar à igreja persiste no actual Ocidente secularizado. Basta pensar no modo como toda a gente continua a ter opinião sobre a igreja católica. Mesmo agnósticos e ateus se comportam como acitvistas católicos imaginários, sempre a postos para dedicar mais um editorial às orientações do Vaticano. É como se todos sentissem que, para “ligar” a sociedade, não bastam a educação cívica e o número de contribuinte, e conviria talvez uma “religião” – mas uma “religião” (e é este o ponto) que não incomode ninguém nas suas opções e tendências.
Admito que para muitos fiéis a questão possa ser resolvida nos termos mesmos da “caridade” que manda perdoar e compreender. A tradição nunca o seria se, em certa medida, não fosse elástica. Mas até onde pode a igreja católica “progredir”, identificar-se com a actual sociedade, sem se diluir na banalidade da cultura moderna? Na igreja anglicana, o escrúpulo da modernização, por lá muito mais agudo, já produziu autoridades eclesiásticas cuja crença em Deus nem sempre parece firme. Talvez um dia a hierarquia católica tenha de escolher ser apenas uma parte, para não se perder no todo.

Verdade implícita que ditou parcialmente o resultado das eleições brasileiras

por A-24, em 28.10.14

Acerca das presidenciais brasileiras

por A-24, em 28.10.14
Miguel Noronha

Depois do resultado do 1º turno, escrevia um conhecido meu a residir no Brasil: “Uma coisa eu sei, o Brasil não aguenta mais um governo do PT.“. Foi renhido. Mas apesar da boa prestação eleitoral Aécio Neves não conseguiu afastar a quadrilha do PT do Planalto. Para um país que no início do Século prometia tanto, as perspectivas são sombrias. Pelo menos caberá a Dilma e não a Aécio pagar o custo das suas políticas desastrosas.

Instituto Ludwig Von Mises

O "milagre brasileiro" morreu no berço. Na mais generosa das avaliações, o país é visto hoje como apenas mais um entre vários países em desenvolvimento; já na maioria das vezes, ele é visto lá no fim da fila.
A inflação de preços está hoje em quase 7% ao ano para aqueles bens e serviços cujos preços não são controlados pelo governo. E quando se considera apenas o setor de serviços, a inflação de preços está em 8,6% ao ano. Para piorar, as expectativas quanto à inflação futura estão se deteriorando.
O PT se gaba de ajudar os pobres com políticas assistencialistas, mas a mesma mão que dá é aquela que tira -- e a mão que tira é a mais pesada. O aumento do protecionismo, os pesados encargos sociais e trabalhistas que oneram a folha de pagamento das empresas, os altos impostos sobre o consumo, uma infraestrutura em frangalhos, e as inflexíveis leis trabalhistas representam geram custos que impedem o aumento dos salários e que fazem com que o padrão de vida dos brasileiros esteja muito aquém do seu potencial.
Ainda mais preocupante é o estrago que o PT pode fazer com as instituições e com o estado de direito ao longo dos próximos 48 meses. Um exemplo é o decreto de maio, assinado por Dilma, que cria os "conselhos populares", os quais criariam um modelo semelhante ao que já existe na Venezuela.

De barco ou comboio, Portugal quer exportar mais

por A-24, em 28.10.14
De barco ou comboio, Portugal quer exportar maisPor cada comboio de mercadorias podiam retirar-se 34 camiões das estradas, diz um administrador do grupo Mota-Engil numa análise sobre as trocas comerciais entre Portugal e Espanha.
Nas cargas de curta distância Portugal tem margem de progressão e pode ainda melhorar, sobretudo nos portos de Leixões (na imagem), Aveiro e de Lisboa / Rui Duarte Silva
As ligações de Portugal ao exterior são eficientes e favorecem a economia exportadora? Apesar da ferrovia apresentar vários estrangulamentos que podem comprometer a competitividade da economia, as vias marítimas funcionam. O balanço é favorável.
Estas são algumas linhas de conclusão do primeiro painel sobre as ligações de Portugal ao exterior das V Jornadas Empresariais da Fundação AEP/ Serralves, que decorrem esta quinta-feira na Fundação de Serralves. Durante a sessão, Luís Marques, administrador do Grupo Rangel, detetou fragilidades dos portos nacionais na receção de navios e no limite à capacidade, mas destacou a centralidade de Sines - que coloca Portugal nas rotas de tráficos internacionais - e a capacidade dos restantes portos como vantagens competitivas de Portugal.
Nas cargas de curta distância Portugal tem margem de progressão e pode ainda melhorar, sobretudo nos portos de Leixões, Aveiro e de Lisboa. O porto de Lisboa sofre de alguns constrangimentos nos seus acessos.
Nas ligações ferroviárias, Miguel Lisboa, administrador da Takargo, do grupo Mota-Engil, identificou constrangimentos vários que retiram atração a este modo de transporte. Em Portugal não se pode falar numa rede ferroviária, mas num conjunto de linhas sem coerência interna. A generalidade das ligações ferroviárias encontram-se saturadas com velocidades médias reduzidas e manutenções deficientes e, no caso da zona sul, a situação ainda é mais grave por não ser possível o transporte de mercadorias.
Miguel Lisboa verifica que a margem de progressão do transporte ferroviário se encontra sobretudo no mercado ibérico e admite que neste espaço geográfico a ferrovia pode retirar tráfego ao transporte rodoviário. Além-Pirinéus torna-se mais difícil ser competitivo. porque como verificou o administrador da Takargo o transporte rodoviário, ao reforçar a capacidade, ganha em preço e reduz o custo logístico.

Dificuldades além-Pirinéus
Avaliando a troca de mercadorias entre Portugal e Espanha, Miguel Lisboa verificou que o transporte ferroviário representa apenas 4% dos 23 milhões de toneladas que circulam entre os dois países e que por cada comboio de mercadorias podiam-se retirar 34 camiões das estradas.
Se a ferrovia ganhasse 10% de quota ao transporte rodoviário duplicaria 12 vezes as 40 mil toneladas por ano de transporte entre Portugal e Espanha. É portanto na ferrovia que se detetam os maiores constrangimentos e é isso que impede a eficiência das empresas usando este meio de transporte.
Além-Pirinéus, é possível, também, a ligação dos corredores portugueses às linhas europeias, mas aí o transporte ferroviário terá grandes dificuldades em impor-se ao transporte rodoviário ou transporte marítimo.
O administrador da Takarga deixou ainda um aviso sobre as concorrências do mercado nacional, dizendo que com um operador público como a CP Carga, que tem 90% do mercado e apresenta resultados operacionais negativos de 110 milhões de euros, é impossível haver um mercado liberalizado, saudável e competitivo.
Estas jornadas abriram com uma aula de geopolítica de 40 minutos do professor Jaime Nogueira Pinto, que identificou os riscos iminentes no mundo atual citando a ameaça do Estado Islâmico e a indefinição da fronteiro russo-ucraniana.
Nos dois casos referiu que os serviços secretos ocidentais revelaram negligência e as elites ocidentais europeias arrogância e pouca proatividade. Segundo Jaime Nogueira Pinto, a linha da NATO na Europa deverá recuar para a fronteira da Polónia e dos estados bálticos em vez de chegar à Rússia, como acontece neste momento.
Jaime Nogueira Pinto finalizou apontando como "deveras importante" o acordo comercial celebrado entre a China e a Rússia para o fornecimento de gás, assinado em março de 2014, e que envolve a construção de um gasoduto no valor 50 mil milhões de dólares, por entender que é um sinal de aproximação política e que pode ter outro significado para além da sua dimensão comercial. Expresso

Ainda sobre a mudança da hora

por A-24, em 28.10.14
...o que ganharia Portugal se não atrasasse o relógio?
importante visto que Portugal tem a mesma hora do Reino Unido

Technicians carry out cleaning and maintenance work on one of the faces of the Great Clock atop the landmark Elizabeth Tower that houses Big Ben
In the early hours of Sunday morning, the clocks jump back an hour, making the mornings lighter and the evenings shorter. Lobbyists have been decrying this chronological curse for years now, urging policymakers to adopt Daylight Savings Time - also called British Summer Time - on a permanent basis, prioritising sunlit evenings over bright mornings. This would essentially align UK watches with clocks on the continent.
In 2011, Conservative MP Rebecca Harris floated a bill calling for year-round daylight savings. A YouGov poll that same year found that 53pc of Britons supported moving clocks forward an hour permanently while 32pc opposed the change. The proposals were met less warmly by the Scottish population; Alex Salmond called the campaign an attempt to “plunge Scotland into morning darkness.”
The complaints are founded; the sun wouldn’t rise until 10am in parts of Scotland. The country’s 1,000-or-so dairy farmers, who wake up before 5am, would have to work for hours in the dark. Other farmers and construction workers, who need sunlight to perform their jobs, would end up working later into the evening.
Of course, we could all just get up an hour earlier in the morning, regardless of time. But as the economist Milton Friedman pointed out, in an analogy for foreign exchange rates, it’s easier to change one thing - the time, in this instance - than dozens of habits of thousands of people.

Here are five economic reasons in favour of Daylight Savings Time.

1. Think of the energy savings
Conserving energy was one of the main reasons summer clocks were moved forward in the first place; Britain changed its clocks during the Second World War to help save electricity and boost working hours. A report from the Policy Studies Institute estimated that consumers could save £260 million a year on electricity bills - and that was in the mid-1990s. More recently, researchers at the University of Cambridge found that an extra daily hour of sunlight in winter could save £485 million each year, as people use less electricity and heating. That has the same effect as eliminating the carbon emissions of 70,000 people. Elizabeth Garnsey, the academic behind the report, estimated that 0.5pc of Britain’s energy production is currently wasted in winter months. “This is because it tends to get light in the mornings before most people are awake for quite a large part of the GMT period, whereas everybody is up and about in the early evening," she said.

2. Think of the business benefits
Moving clocks forward by an hour would bring the UK in line with Central European Time, which means London would work the same business hours as Brussels, Paris, Frankfurt and Milan. For business that operate internationally, this could cut down staff overtime costs - not to mention any confusion over scheduling, from conference calls to deliveries. It would also give the UK an extra hour of overlap with Beijing, Tokyo and other major import and export markets in Asia.

3. Think of the safety improvements
Though some parents have voiced concerns about children travelling to school in the dark, winter daylight savings could improve safety on the roads and reduce crime. A three-year experiment to keep British Summer Time year-round, held between 1968 and 1971, found an 11pc reduction in road casualties in England and Wales during the hours affected by the time change - and a 17pc reduction in Scotland. There are roughly 50pc more fatal and serious injuries among adults travelling during evening rush hour than the morning peak, and three times as many injuries among children. An extra hour of evening daylight could save the NHS £200 million a year in accident related costs. In addition, the Home Office believes crime would see a 3pc drop, as crime is more likely to be committed in the evening than in the morning.

4. Think of the tourism boost
Lighter and longer winter evenings could provide an annual boost of £3.5 billion to the tourist industry, according to the Tourism Alliance. The yearly income boost from the 60-80,000 extra jobs this would create could amount to £720 million. Business would be inclined to stay open longer, while tourists and locals alike would have more time in the day to spend on outdoor recreational activities. A report from 2010 claimed people would gain 235 hours of post-work daylight each year. “The tourism industry has been crying out for extra daylight saving for years,” said Conservative MP Rebecca Harris.

5. And if that hasn't convinced you, think of British sports
The Football Association, The Lawn Tennis Association and the England and Wales Cricket Board have all backed year-round daylight savings, and with good reason. The extra hour of daytime increases the time available for exercise, makes people more likely to attend evening sporting events and means professional athletes can train for longer. In the 1980s, the golf industry estimated that one extra month of daylight savings could generate up to $400 million (£246.6 million) a year in extra sales and fees.
Daylight Savings Time “affects everything from Mid-East terrorism to the attendance at London music halls, voter turnout to street crime, gardening to the profits of radio stations,” said David Prerau, author of Saving the Daylight: Why We Put the Clocks Forward.
This debate stretches years into the past, and the future of British time is still unclear. With this discussion - as with the larger outcome of the independence referendum - only time will tell. Until that time, however, it's probably best to change your clocks back an hour this weekend.

Pág. 1/6